Arquivo da tag: convenção

PSDB do Paraná faz convenção no sábado

9 novembro, 2017 às 07:33  |  por Ivan Santos

richa

O PSDB do Paraná faz convenção no próximo sábado, em Curitiba, para eleger sua nova direção estadual. O governador Beto Richa deve assumir a presidência do partido, hoje ocupada pelo presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano. Com isso, Richa pretende comandar pessoalmente as negociações sobre alianças e candidaturas para as eleições de 2018.

TJ rejeita recurso de Requião e mantém convenção do PMDB de Curitiba

22 fevereiro, 2016 às 15:54  |  por Ivan Santos

doatico

A desembargadora Lélia Giacomet, do Tribunal de Justiça do Paraná, rejeitou recurso da Direção Estadual do PMDB contra a convenção municipal do partido, em Curitiba, marcada para amanhã. Com isso, está mantida a votação que deve eleger o atual secretário-geral da sigla na Capital, Doático Santos, para a presidência do PMDB curitibano. Doático integra a ala dissidente do PMDB paranaense que é adversária interna do grupo do senador Roberto Requião, que preside o partido no Estado.

Requião – que pretende lançar o filho, deputado estadual Maurício Requião Filho – como candidato a prefeito da Capital, tentou dissolver o atual diretório municipal do PMDB, presidido pelo ex-deputado estadual Reinhold Stephanes Júnior, mas a ala dissidente reverteu a dissolução na Justiça.

O objetivo dos dissidentes é barrar a candidatura de Requião Filho à sucessão do prefeito Gustavo Fruet (PDT), para lançar Stephanes Júnior ou o ex-governador Orlando Pessuti.

Requião Filho afirmou que não pretende participar da convenção, que considera ilegítima. “É um factoide. Vamos esperar a decisão da Justiça”, alegou, afirmando que outros recursos estão sendo discutidos nos tribunais.

Grupo de Pessuti vai questionar convenção do PMDB na Justiça

25 outubro, 2015 às 14:37  |  por Ivan Santos

Pessuti

O senador Roberto Requião foi eleito ontem presidente do PMDB do Paraná, em convenção que deve ter um “segundo turno” na Justiça. O grupo do ex-governador Orlando Pessuti, que tentou articular uma chapa contra Requião, mas acabou retirando o registro na véspera da votação, deve questionar a legalidade da convenção nos tribunais.

Na sexta-feira, o ex-deputado federal Reinhold Stephanes Júnior – que integra ala dissidente do partido ao lado de Pessuti – protocolou pedido para cancelar o registro da chapa “PMDB Para Todos”. A alegação era de que participar da convenção significaria legitimá-la.

Ainda na noite de sexta-feira, Pessuti conseguiu liminar na Justiça suspendendo decisão do Conselho de Ética do PMDB, que no início do mês havia determinado sua expulsão do partido, sob a alegação de que ele infringiu resolução da Executiva que proibiu filiados de ocuparem cargos no governo Beto Richa. Isso porque Pessuti ocupa cargo no BRDE, nomeado pelo atual governador.

No sábado, diante dessa decisão judicial, a Executiva decidiu então manter o registro da chapa de Pessuti. “Diante disso, o ex-filiado Orlando Pessuti poderá votar, bem como considerando seu requerimento protocolado na quinta-feira para integrar a chapa ‘PMDB PARA TODOS’, em reunião da Executiva realizada às 8:30 de hoje, considerando que apenas um dos subscritores formulou o pedido de desistência, decidiu-se pela manutençção da Chapa ‘PMDB PARA TODOS’, com sua inclusão na cédula de votação, podendo ser normalmente votada”, justificava nota divulgada pela Executiva do partido.

A chapa de Requião – “PMDB de Cara Limpa”, acabou eleita com 320 votos contra 4. Pessuti e seus aliados boicotaram a convenção, já pensando em contestá-la na Justiça. O ex-governador classificou a eleição interna como “uma farsa”.

“Na quinta-feira impediram minha participação na chapa PMDB para Todos. No dia seguinte impediram o registro da chapa. E hoje (24) novamente registram a chapa. E aí querem que o povo do Paraná e os filiados ao partido acreditem que a convenção foi legitima”, disse Pessuti. “A convenção foi uma farsa e os militantes do meu grupo político boicotaram a convenção para não legitimar aquilo que estão buscando anular na Justiça”, confirmou ele.

PMDB mantém registro de chapa de dissidentes; Pessuti reverte expulsão

24 outubro, 2015 às 12:55  |  por Ivan Santos

requiao convenção pmdb

A Executiva Estadual do PMDB decidiu hoje, manter o registro da chapa “PMDB Para Todos” – formada por dissidentes do partido aliados do governador Beto Richa (PSDB) – para a convenção que vai eleger o novo comando da legenda no Paraná. A decisão foi tomada depois que o ex-governador Orlando Pessuti – que havia articulado a chapa para a disputa – conseguiu reverter, ontem à noite, na Justiça, sua expulsão da legenda. O senador Roberto Requião é candidato à presidência do PMDB paranaense, pela chapa “PMDB de Cara Limpa”.

Pessuti havia sido expulso do PMDB no início do mês, sob a alegação de ter infringido resolução da Executiva que proibiu filiados ao partido de ocuparem cargos no governo Richa. Ele é diretor do BRDE nomeado pelo governador. Com a decisão na Justiça, Pessuti também passou a ter direito a participar da convenção, integrando a chapa.

Ontem, porém, o ex-deputado estadual Reinhold Stephanes Júnior havia pedido o cancelamento da chapa. A estratégia do grupo de Pessuti e Stephanes Júnior é retirar-se da disputa para contestar a legalidade da convenção na Justiça. O ex-governador já avisou que não participará da convenção, mesmo com a decisão da Executiva.

Ao manter o registro da chapa mesmo assim, o grupo de Requião tenta neutralizar essa estratégia dos adversários, legitimando a convenção, já que o senador tem ampla maioria entre os convencionais, pois os deputados estaduais que integram a base do governador Beto Richa na Assembleia desistiram de participar da disputa.

Requião pretende assumir o comando do PMDB do Paraná para levar o partido para a oposição a Richa visando as eleições para o governo de 2018. E também lançar seu filho, o deputado estadual Maurício Requião Filho, como candidato do partido à prefeitura de Curitiba, no ano que vem.

Requião deve ser candidato único à presidência do PMDB do Paraná

16 outubro, 2015 às 09:39  |  por Ivan Santos

sérgio souza

O senador Roberto Requião pode ser candidato único à presidência do PMDB do Paraná, na convenção do partido marcada para o próximo dia 24. O prazo para a inscrição das chapas que vão concorrer ao comando estadual da legenda termina hoje, às 17 horas. O grupo de Requião confirmou ontem que registrará sua chapa às 15 horas, na sede da legenda em Curitiba. Já a ala dissidente, formada por deputados que integram a base do governo Beto Richa (PSDB) e por adversários internos de Requião, como o ex-governador Orlando Pessuti – que havia anunciado a candidatura do deputado federal Sérgio Souza – não havia confirmado até ontem se vai mesmo entrar na disputa.

Requião pretende assumir o controle do partido para garantir a candidatura de seu filho, o deputado estadual Maurício Requião (PMDB) à prefeitura de Curitiba em 2016. E também para preparar sua própria candidatura ao governo em 2018. E para isso, pretende afastar o PMDB da base do governo Richa, levando a sigla para a oposição.

Há duas semanas – o grupo dissidente anunciou a candidatura de Souza, aliado de Pessuti – para se contrapor ao senador. Mas ontem, nenhum dos líderes do grupo confirmava se a chapa irá mesmo ser confirmada. Em rápido contato telefônico com a reportagem do Bem Paraná, Souza limitou-se a afirmar que quem estaria tratando disso era Pessuti e o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Luiz Cláudio Romanelli, além do secretário-geral do PMDB de Curitiba, Doático Santos.

Leia a matéria completa no Bem Paraná

PMDB do Paraná antecipa convenção; Requião será candidato à presidência

6 outubro, 2015 às 15:33  |  por Ivan Santos
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A Executiva Estadual do PMDB do Paraná decidiu, ontem à noite, por oito votos a três, antecipar do próximo dia 31 para o dia 24 a convenção que vai eleger o novo comando do partido no Estado. E o senador Roberto Requião será candidato à presidência da legenda. O deputado federal João Arruda – sobrinho do governador – abriu mão da candidatura em favor do tio.

A mudança prejudica o grupo dissidente do PMDB que apoia o governo Beto Richa (PSDB) e lançou a candidatura do deputado federal Sérgio Souza à presidência da sigla. Isso porque o grupo terá cerca de dez dias para formar uma chapa com 240 filiados para concorrer ao Diretório Estadual, já que o prazo para a inscrição das chapas se encerra no próximo dia 16.

Souza é aliado do ex-governador Orlando Pessuti, que na semana passada foi expulso do PMDB pela Comissão de Ética do partido, acusado de desrespeitar resolução que proíbe filiados de ocupar cargos no governo Richa. Pessuti ocupa atualmente um cargo de diretor do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) nomeado pelo governador.

A chapa requianista já está praticamente montada. Segundo o líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado Nereu Moura, a eleição de Requião garantirá ao PMDB um perfil de oposição. “A grande maioria do PMDB não quer o partido atrelado ao Beto Richa”, avalia. “O PMDB só vai sobreviver se opondo a esse governo”, considera ele.

Reeleito presidente do PSDB, Aécio diz que Dilma “não governa mais”

5 julho, 2015 às 15:04  |  por Ivan Santos

aecio

O senador Aécio Neves foi reconduzido à presidência nacional do PSDB hoje, em convenção, realizada em Brasília no hotel Royal Tulip. O tucano recebeu 99,34% dos votos para cumprir mais um mandato de dois anos. A crise no governo Dilma Rousseff e a possibilidade da petista não terminar seu mandato por conta da perda de controle da base aliada no Congresso e das denúncias de envolvimento de seu partido no escândalo de desvio de recursos da Petrobras deu o tom do discurso de Aécio e outros dirigentes do PSDB durante o evento.

“Esse grupo político que aí está, está caminhando a passos largos para a interrupção deste mandato. A verdade é que a presidente não governa mais. Ela perdeu o controle da máquina administrativa do Brasil. Terceirizou a condução do Brasil na economia e na política. O Brasil de hoje, com essas revelações diárias de corrupção, é incapaz de alimentar esperanças. Este não é o Brasil que queremos, o Brasil com o qual sonhamos”, afirmou Aécio.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o Brasil vive um cenário de “acumulação de crises” e que a saída para que o país volte a crescer está na união do povo ao redor das forças oposicionistas. “Recordo muitas situações difíceis pelas quais passou o Brasil. Momentos de muita tensão. Mas raramente vi um momento como o atual: uma acumulação de crises e paralisação do Executivo”, afirmou.

O ex-presidente acrescentou que confia no papel da oposição e pediu ainda mais “respeito à Constituição”. Fernando Henrique criticou os 13 anos do PT no governo federal. “Nunca antes neste país se roubou tanto”, disse. “Tudo o que nós fizemos foi às limpas. Atualmente, temos um Brasil que foi quebrado pelo PT. A crise que existe hoje em dia é uma crise deles, não nossa”, destacou.

Segundo o ex-presidente, o quadro demonstra a aliança do PSDB com o povo e expõe que a sigla precisa, ainda mais, “aumentar sua escuta” das demandas da sociedade.

O senador José Serra (PSDB-SP) também destacou a crise que o país atravessa. “Cabe a nós, forças políticas responsáveis , oferecer alternativas para sair dessa crise. O estrago feito no governo federal na era petista é gigantesco”, disse.

Serra enumerou questões como o desemprego, que, segundo ele, deve chegar a 9% no final de 2015, e a queda dos investimentos.
Falou ainda da deterioração dos serviços públicos, em especial na saúde. Resultado, segundo ele, da falta de definição de prioridades no setor e de desmandos. “Só vai haver crescimento se enfrentarmos o desafio da reindustrialização do nosso país”, afirmou o tucano.

“Não aceito a pecha de traidor”, diz deputado Caíto Quintana

20 junho, 2014 às 11:33  |  por Ivan Santos

Cotado para ser o indicado do PMDB para a vice na chapa de reeleição do governador Beto Richa (PSDB), o deputado estadual Caito Quintana foi hostilizado hoje por militantes aliados do senador Roberto Requião, na convenção do partido em Curitiba. Quintana reagiu dizendo que não aceita a “pecha de traidor”. “Eu tenho a defesa do MDB, venho do MDB desde 1978, quando disputei em área de segurança nacional durante o regime democrático e não aceito a pecha de traidor. Defendo meu partido e continuarei defendendo o que é melhor pro PMDB”, afirmou.

Sobre as hostilidades aos convencionais, Caíto as classificou como “absolutamente ofensivas aos delegados”. “Delegado do PMDB não é mercadoria para ser comprada, nem vendida. E a democracia interna do partido permite que cada um pense da forma que deve pensar, eu particularmente acho que a coligação neste momento é o melhor caminho pro fortalecimento do PMDB. Não pode se entender que um partido tenha que exclusivamente seguir uma pessoa, e se pensar diferente acaba sendo taxado de vendido. O PMDB nasceu exatamente brigando contra essas questões, pela liberdade, pelo voto direto, pela escolha livre de cada um”, argumentou

“Sou a favor do PMDB, o PMDB com candidatura própria não tem nem um partido que coligue com o PMDB, temos 18 candidatos a deputado estadual, e uns 7 ou 8 candidatos do PMDB no geral ate três anos atras ninguém se preocupou em fazer reuniões no interior do PMDB, a filiar pessoas, a lançar candidatos. Esta busca incessante de espaço pra concorrer e uma coisa recente, enquanto nós estamos trabalhando todo dia no partido nas nossas bases eleitorais”, disse o parlamentar.

PMDB muda edital e convenção decide tudo dia 20

12 junho, 2014 às 14:57  |  por Ivan Santos

O PMDB voltou atrás e decidiu mudar o edital que havia publicado ontem, onde o partido deveria realizar a convenção em dois turnos. A definição não foi consenso entre as correntes do partido que pressionaram a executiva para mudar o edital, fazendo com que a convenção do dia 20 seja decisiva para definir não apenas sobre a candidatura própria ou a coligação com o PSDB, mas também os nomes que irão disputar as eleições, tanto na majoritária como nas proporcionais.

De acordo com as alterações, a reedição do edital mantém a exigência de inscrição prévia para os postulantes aos cargos majoritários (governador, vice e senador), e proporcionais (deputado estadual e federal). As inscrições devem ser feitas até às 18 horas do dia 17 de junho.

O novo edital também prorrogou o horário da convenção, que pela nova redação, será realizada das 8 às 17h30, no Clube Urca. No processo de votação os convencionais ainda vão decidir se delegarão à Comissão Executiva poderes para que o partido realize coligações com outras agremiações (na majoritária e proporcional, bem como homologar, substituir, acrescentar ou suprimir (se houver aliança), nomes à chapa de candidatos às eleições proporcionais.

PMDB do Paraná decide fazer convenção em dois turnos

11 junho, 2014 às 14:07  |  por Ivan Santos

A Executiva Estadual do PMDB resolveu fazer a convenção que vai decidir se o partido terá candidato próprio ao governo ou apoiará a reeleição do atual governador Beto Richa (PSDB) em dois turnos. No próximo dia 20, os convencionais deverão optar entre a candidatura própria e a aliança com os tucanos. No dia 29, eles voltam a se reunir. Se a candidatura própria for a tese vencedora, o segundo turno da convenção será para decidir quem serão os candidatos a governador e vice. Se a preferência for pela coligação, nesse dia o partido definirá quem vai indicar para a vice de Richa.

O senador Roberto Requião e o ex-governador Orlando Pessuti disputam a indicação de candidato peemedebista ao governo. A aliança é defendida pela maioria da bancada do partido na Assembleia Legislativa – a maior da Casa, com 13 deputados.