Alimentar-se bem exige consciência plena

4 abril, 2017 às 06:00  |  por Luciana Kotaka

Nada mais prazeroso do que sentir os sabores dos alimentos que se consome

Man_Tasting_Food-2zxqt6dsblwj17mvgdm51c

Espere aí, como assim preciso estar consciente na hora de realizar minhas refeições? É isso mesmo, comer é um hábito, o primeiro que aprendemos, e esse processo se torna automático e nem prestamos a atenção na forma com que nos alimentamos e nem em outros aspectos envolvidos na hora das refeições.

Quem é que no almoço em família, em um domingo gostoso, ambiente aconchegante fica pensando se está ou não sentindo tudo o que seria importante na hora de se servir ou mesmo de comer?

Posso afirmar que são poucas as pessoas que cuidam para que esses momentos sejam aproveitados ao máximo. Não estou aqui dizendo que aproveitar é comer tudo que é possível, e sim que devemos estar atentos ao momento, sentindo-se presente.

Ainda tem muitas pessoas que nunca ouviram falar sobre Mindfulness, mas saiba que essa técnica oferece recursos simples que podem auxiliar na diminuição da ansiedade e da compulsão alimentar, além de ajudar com que se alimente com mais consciência.

Mindfulness é a prática da atenção plena, isso é, estar presente, perceber nesse segundo o que você está sentindo, pensando, sem utilizar-se da crítica.

Uma pesquisa do Centro Médico Universitário em Groningen, Países Baixos, mostrou que as melhoras na positividade e no bem-estar têm uma relação direta com o ato de estar mais consciente das atividades diárias, de observar e prestar atenção às expectativas comuns e de agir de forma menos automática. Podemos observar o quanto as mudanças favorecidas pela técnica são benéficas quando o objetivo é diminuir os gatilhos disparadores do comer excessivo.

Quando praticamos a atenção plena ficamos mais conscientes do aqui e agora, prestando mais atenção nas atividades que normalmente são automáticas, como comer. Desta forma quando ficamos mais focados no que estamos fazendo, diminui o estresse, ficamos mais calmos e com a ansiedade em baixa conseguimos comer devagar, saboreando cada garfada, sentindo o sabor, a textura, necessitando de menos para nos sentirmos satisfeitos.

Apesar de ser simples e fácil de praticar, precisamos ter disciplina para praticar, pois a regularidade garantirá que se alcance um estado de tranquilidade mental, que será benéfico não somente em relação à alimentação e compulsão, como em outros aspectos de nossa vida diária.

Abaixo algumas dicas que irão te auxiliar nesse processo de aprendizagem da atenção plena:

 - Pratique o exercício de parar alguns minutos diariamente para respirar, preste a atenção no ar entrando e vá sentindo cada parte de seu corpo, sem pressa;

- Ao se sentar para realizar uma refeição, preste a atenção nas cores dos alimentos, nos cheiros, coloque uma pequena quantidade no garfo, mastigue devagar, identificando o gosto do alimento, a crocância e o sabor;

- Permita-se sentar e ficar atento somente aos sons a sua volta, sem julgar, somente ouça;

- Ao caminhar sinta todo o seu corpo, sinta a brisa, a temperatura, observe as cores e formas ao seu redor, lembrando-se de estar presente, sem julgar.

Essas quatro dicas acima são somente exemplos simples de como poderá se beneficiar com essa técnica maravilhosa, reduzindo o estresse, a ansiedade, a depressão, além de comer muito menos por estar mais consciente das necessidades de seu corpo.

Luciana Kotaka

Salvar Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

1 Comentários

Uma ideia sobre “Alimentar-se bem exige consciência plena

  1. Janaina Schussler

    Artigo muito bom. Pena que na correria do dia-a-dia nem sempre conseguimos parar e aproveitar as refeições.
    Mas podemos fazer isso nos fim-de-semanas

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>