“Me reservo ao direito de ficar calado”

20 julho, 2017 às 16:42  |  por Ana Paula Mira

“Me reservo ao direito de ficar calado”. Essa frase foi dita por Eduardo Cunha no último dia 14, em seu depoimento na Operação Cui Bono, que investiga esquema de fraudes na Caixa Econômica Federal.

Mas qual será a forma correta? “Fulano se reserva ao direito de…”, “fulano se reserva o direito” ou “fulano reserva o direito de”?. O verbo reservar-se, nesse sentido, significa resguardar-se, preservar-se. Quando usado dessa maneira, ele é transitivo direto e indireto pronominal. Mas o que significa esse gramatiquês todo? Primeiro, se é pronominal, sempre tem que ser usado com o “SE”, “ME” e outros pronomes adequados a cada pessoa utilizada no texto. Se ele é direto e indireto, significa que vai ter dois complementos: um com preposição e outro sem. Ou seja, o correto é “Fulano se reserva o direito de ficar calado”. No exemplo, “SE” é o pronome obrigatório, “o direito” é o complemento sem preposição e “de ficar calado” é o complemento com preposição.

Então, a frase de Eduardo Cunha deveria ser: “Me reservo o direito de ficar calado”. Mas pode usar ME no início de frase? Essa é uma conversa para o próximo post. Até!

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>