Comissão Processante ouve primeiros depoimentos contra vereadora

27 outubro, 2017 às 07:00  |  por Fernando Tupan

Acusadores de Kátia Dittrich

Da Agência Câmara de Curitiba

Duas denunciantes prestaram depoimentos, nesta quinta-feira (26), na Câmara Municipal, no caso em que a vereadora Katia Dittrich (SD) é acusada de exigir parte dos salários de ex-funcionários de seu gabinete (leia mais). A Comissão Processante – formada pelos vereadores Cristiano Santos (PV), Osias Moraes (PRB) e Toninho da Farmácia (PDT) – informou que outros quatro denunciantes seriam ouvidos, mas dois foram dispensados por não estarem mais no Paraná e outros dois solicitaram o reagendamento por motivos pessoais.

Luciana Mara Chuchene, que foi chefe de gabinete de Katia, de janeiro a julho deste ano, contou que não fez vários repasses, foi “aporte único” no valor de R$ 5 mil neste ano à vereadora. “Não houve essa conversa de fazer mês a mês.” Ela contou também que os funcionários sofriam “maus tratos” por não quererem dar dinheiro. Inicialmente a intenção, conforme Luciana, seria pagar R$ 1 mil, mas Katia “falou que era muito pouco”. De acordo com a ex-assessora, a vereadora “falava que quem não colaborasse ia ser exonerado”. Segundo Luciana, no início Katia chegou a falar em auxílio dos funcionários à causa animal, “5% do salário para ração dos cachorros, mas que depois ela ia tratar sobre isso e não chegou a falar mais”.

Luciana disse também que outros funcionários precisavam repassar mensalmente valores, alguns chegavam a “de R$ 3 mil a R$ 3,4 mil”. Contou que do jornalista Diego Xavier, Katia teria exigido R$ 1,5 mil mensais, mas que ele só teria repassado R$ 1 mil inicialmente, pois sua mãe havia ficado doente e ele precisava do dinheiro. “Houve uma cobrança disso [do restante] e ele acabou sendo exonerado”. “Fui obrigada, bem quando a mãe dele estava pra falecer, a dar a notícia de que ele estava desempregado”, relatou Luciana.

A ex-chefe de gabinete disse não ter acompanhado o momento do depósito que Xavier fez, mas o advogado da parlamentar, Paulo Golambiuk, questionou a afirmação e sustentou que “há muita fragilidade no depoimento”. “Houve muitas contradições, como por exemplo, diz [na denúncia escrita] que acompanhou um dos assessores ao banco para fazer o depósito [Xavier] mas na verdade ela veio aqui e disse que não, que jamais, em nenhum momento, contradizendo o que ela mesma em tese subscreveu”.

Golambiuk defende a tese de que não era um repasse, um desconto do salário, mas sim um empréstimo. “Ela [Luciana] confirmou que o depósito realizado em maio deste ano, que se tem comprovante bancário, era um mero empréstimo e não um repasse.” Em entrevista à imprensa o advogado alegou que “se a vereadora realmente estiver devendo pra ela, deve ajuizar uma demanda na Justiça comum e não pleitear a cassação”.

“Contribuição” mensal

A jornalista Virgínia Vargas da Costa, que trabalhou para Katia de janeiro a março deste ano, disse que houve uma conversa já em dezembro do ano passado, sobre uma possível “contribuição”. “Falaram que seria uma contribuição mensal, que todos do gabinete fariam.” O valor solicitado mensalmente teria sido de R$ 1.500, mas Virgínia não teria aceitado e não contribuiu no primeiro mês. “No segundo mês não contribuí e começaram histórias no gabinete que eu precisava ser demitida, que outros contribuíam e isso eram injusto”.

Para ela, sua exoneração foi resultado de um “complô”. “Acho que a minha demissão ocorreu por um complô que foi realizado dentro do gabinete com vários funcionários que faziam esse repasse e que não estavam contentes por eu não estar fazendo.” Segundo Virgínia e Luciana, não era Katia, mas o esposo dela (que não tem cargo em comissão), quem comandava o gabinete. “Katia sempre foi muito submissa ao Marcos no gabinete, era o Marcos que usava a mesa dela, ocupava o computador dela. Foi o Marcos quem me demitiu, a Katia não estava no gabinete”, afirmou a jornalista.

Outras testemunhas

O presidente da Comissão Processante, Cristiano Santos, informou que ainda restam duas oitivas de denunciantes – Samira Tomé e Ronaldo Sérgio da Silveira Filho, que não puderam comparecer e pediram o reagendamento dos depoimentos. O jornalista Diego Xaver está na Irlanda, não deixou contatos, por isso não pôde ser notificado, e Maíra Bonfim, que está no Mato Grosso.

“Depois teremos as testemunhas da própria vereadora Katia e por fim a vereadora para que apresente as suas defesas. Estamos prezando pelo cuidado, fazendo de tudo para garantir a ampla defesa, ouvindo as pessoas que estão denunciando, estaremos também ouvindo as testemunhas de defesa da vereadora, o que a gente quer é que a Justiça prevaleça”, salientou Santos.

Ao final do processo, a Comissão poderá opinar pelo arquivamento do processo, ou pela cassação do mandato. O relatório será encaminhado aos demais vereadores e a decisão será tomada em plenário, pelos 38 parlamentares.

1 Comentários

7 ideias sobre “Comissão Processante ouve primeiros depoimentos contra vereadora

    1. Renata

      Hummmm…parece que estão desviando o assunto da corrupção e estão querendo distocer o foco. Afinal o dinheiro foi ou não pra conta da vereadora? A vereadora devolveu ou nao esse dinheiro? Existem comprovantes de depósito, isso não prova? Pelo amor de Deus, estão querendo defender o indefensável!

      Responder
  1. Juliana

    A própria mulher que era chefe de gabinete disse que foi um empréstimo, parece piada pronta mas não é, ela mesmo disse que tudo não passou de empréstimo e a outra meio doidinha só falou que 2 + 2 é 7..

    Responder
    1. Veridiana Magalhães

      Ela disse que fez um empréstimo no banco para poder dar o dinheiro à vereadora, a qual a estava pressionando para receber. E a outra disse o que aconteceu com ela, não tem nada de “doidinho” no depoimento dela. Parece que quem escreve aqui tem alguma ligação com a vereadora, pois está defendendo a corrupta. No mínimo é um fake dos comissionados vindo em defesa da bandida. kkkkkkk

      Responder
    2. AUAUAUUUU

      mas a chefe não falou de empréstimo, quem chamou de empréstimo foi o advogado. E se era empréstimo a vereadora empresta dinheiro de quem tá trabalhando, porque não pegou no banco, podia emprestar bem mais do que issok , além do mais não falou de pagar o empréstimo em momento algum

      Responder
      1. AUAUAUUUU

        dizem por aí que essa vereadora não trabalhava e nem o marido dela, senore viveu de doação para os “animais”, será que era para os animais mesmo?

        Responder
  2. Darth Vader

    Só não cassam esta vigarista se não quiserem, provas não faltam para a cassação. Será que sai ou vão deixar por isto mesmo? Será que a prática do rachide agora acaba de vez na Casa?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>