Dois cerimoniais e dinheiro público indo para o ralo

7 outubro, 2017 às 18:00  |  por Fernando Tupan

Quem acompanhou a recente viagem do presidente Michel Temer aos Estados Unidos, onde ele participou da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), teve certeza de que, no Brasil, dinheiro público é tratado como capim, como se brotasse a cada esquina.

Enquanto os chefes de governo dos países mais ricos do mundo estavam acompanhados de dois, no máximo três, diplomatas, a comitiva brasileira tinha mais de duas dezenas. Não sem razão: o Brasil é o único país do mundo que tem dois cerimoniais para tratar de viagens presidenciais.

Há o cerimonial do Itamaraty, chefiado pelo embaixador João Mendes Pereira, e o cerimonial da Presidência da República, comandado pelo embaixador Pompeu Andreucci Neto. Os dois cerimoniais fazem praticamente a mesma coisa quando se trata de viagem ao exterior do presidente.

Constrangimento

Em todas as viagens, as duas equipes são deslocadas para o exterior. Em Nova York, ocuparam 22 quartos de hotel. Tudo pago pelos cofres públicos. Há tanta gente nas comitivas que a bateção de cabeça é grande. No fundo, a maioria dos diplomatas é usada para carregar malas dos chefes. Um desperdício de mão de obra e de dinheiro de impostos.

O excesso de pessoas nas comitivas brasileiras sempre é alvo de chacota por parte de diplomatas de outros países, nos quais o dinheiro público é tratado com respeito. Por protocolo, por exemplo, quando um chefe de Estado está em visita oficial a outro país, o carro do cerimonial vai na frente, abrindo alas. No caso do presidente do Brasil, vão dois.

Isso resulta em constrangimentos, inclusive para autoridades brasileiras. Como o serviço de cerimonial é duplo e não se entende, recentemente, em Nova York, os ministros Moreira Franco (secretário-geral da Presidência), Torquato Jardim (Justiça) Maurício Quintela (Transportes) foram barrados na entrada do Hotel Four Season, no qual o Temer estava hospedo. Tinha tanta gente nas comitivas, mas ninguém para evitar o vexame.

1 Comentários

2 ideias sobre “Dois cerimoniais e dinheiro público indo para o ralo

  1. Eliza Santos Faganello

    Gasta feito capim tanto lá como cá. Foi apresentar-se ao dono, assinar documentos que desde os anos sessenta o Brasil se recusava assinar. Foi terminar de entregar o país e o povo como escravo, sendo bem pago pelo próprio povo. Traidor, bandido, golpista. #ForaTemerJá

    Responder
  2. Parreiras Rodrigues

    Tal qual a quem sucedeu. Os de lá de fora devem comentar: Como é que um país que gera notícias apenas de corrupção e de tiroteios em favelas pode ostentar um fausto assim?”

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>