Reforma da Previdência não é a última, avaliam economistas

10 novembro, 2017 às 10:00  |  por Fernando Tupan

Antonio Temóteo/Blog do Servidor

Além de alterar as normas para concessão de benefícios do Instituto Nacional do Seguro (INSS), o governo precisa encaminhar uma série de medidas para reequilibrar as contas públicas e melhorar o ambiente de negócios. Essa é a avaliação dos economistas Marcos Lisboa, presidente da escola de negócios Insper, Samuel Pessôa, da Fundação Getulio Vargas (FGV), e Mario Mesquita, do Itaú Unibanco.

Os três palestraram no 1º Seminário Internacional da Dívida Pública, realizado pelo Tesouro Nacional, e detalharam que o reequilíbrio das contas públicas é fundamental para que o país volte a crescer de maneira sustentável e para que o investimento volte a crescer. Lisboa ressaltou que empresários, trabalhadores do setor privado e servidores públicos precisarão dar sua cota de sacrifício e os privilégios existentes precisam acabar.

Mesquita relembrou que nos últimos cinco anos a dívida pública cresceu 23 pontos percentuais e sem a reforma da Previdência o teto de gastos é respeitado, no máximo, até 2020. “A trajetória de crescimento da dívida pública é insustentável. Temos sim um problema de solvência”, alerta. Nas contas dele, sem reformas os gastos terão crescimento real de 2% e a dívida chegará a 103% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2025.

A aprovação de reformas é urgente já que o ambiente internacional favorável pode estar perto do fim, destaca Pessôa. Conforme ele, com a aceleração do ritmo de crescimento da economia dos Estados Unidos, a tendência é de que o mercado de trabalho norte-americano comece a pressionar os preços de produtos e serviços do país. Com isso, o Federal Reserve (FED), o Banco Central dos Estados Unidos, seria obrigado a aumentar os juros, o que traria efeitos negativos para a economia brasileira.

1 Comentários

Uma ideia sobre “Reforma da Previdência não é a última, avaliam economistas

  1. Uncle Joe

    Porquê não deram logo nome aos bois? E a coisa só piora, para um Governo que está cortando tudo este mesmo Governo perdoa banco comercial em bilhões de reais, só pode ser piada. Quem precisa de Reforma é o Governo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>