Duas novas espécies de mini sapos são descobertas no Paraná

25 agosto, 2017 às 18:11  |  por Ana Maria Ferrarini
Além do tamanho, por sua cor mais escura, a espécie Brachycephalus curupira é um pouco mais difícil de ser encontrada

Além do tamanho, por sua cor mais escura, a espécie Brachycephalus curupira é um pouco mais difícil de ser encontrada

A espécie Brachycephalus coloratus foi encontrada na cidade de Piraquara

A espécie Brachycephalus coloratus foi encontrada na cidade de Piraquara

Biólogos paranaenses acabaram de descobrir duas novas espécies de sapos no topo das montanhas da Serra do Mar, no estado do Paraná, chamadas de Brachycephalus coloratus e Brachycephalus curupira. Pertencentes ao gênero Brachycephalus, que em latim significa “cabeça com braços”, os anfíbios foram localizados na região pertencente à floresta densa atlântica,   e foram identificados pelo canto (coaxado).

A pesquisa que resultou na descoberta,  realizada pela ONG Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, foi oficializada no dia 27 de julho, por meio de um artigo científico publicado na revista internacional Peerj.

Com medidas que variam de 10 a 12mm de comprimento, os mini sapos, também chamados de sapinhos das montanhas, sofreram um processo evolutivo chamado miniaturização, o que os torna parte do grupo de anfíbios considerados os menores vertebrados terrestres do mundo. Além disso, os animais passaram por outras adaptações específicas no topo das montanhas: as espécies não sabem nadar, têm resistência ao frio, têm seu desenvolvimento direto (não passam pela fase de girino) e contam com um número de dedos reduzidos, comparados a outras espécies.

De acordo com o biólogo, professor da PUCPR e pesquisador do Malter Natura envolvido nas descobertas, Luiz Fernando Ribeiro, as novas espécies de mini sapos são exclusivas da região. “Uma característica dessas espécies é o microendemismo, ou seja, um fenômeno que torna a distribuição delas extremamente reduzida, em apenas uma localidade identificada até o presente momento”, relata.

A tecnologia também vem sendo uma aliada nas descobertas. Atualmente o projeto utiliza a microtomografia, que consegue visualizar o interior dos animais, com imagens dispostas em um link interativo da espécie Brachycephalus curupira.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>