Onde ir em Barcelona ou pequeno roteiro de restaurantes e bares

2 janeiro, 2012 às 23:51  |  por Jussara Voss

Colocar em dia os assuntos tratados aqui e falar da viagem feita em novembro é a intenção. Hoje faço um resumão, organizando minha agenda, alguns endereços estavam no meu endereço eletrônico antigo. Espero que ajude quem chega na cidade para passar uns dias. Solto a lista e depois dou mais detalhes, principalmente, daqueles lugares que merecem uma visita, é claro. Jacques Trefois foi novamente meu guru e eu só posso agradecer pelas dicas certeiras. Agora quem conhece Barcelona é a jornalista e moradora da cidade Adriana Setti, visite o site dela. Quer informação? Corra para o post de dicas-de-barcelona, tem tudo ali.

A primeira dica não é gastronômica, mas cultural e foi por onde comecei quando cheguei: um espetáculo no Palau de La Música. Depois do show o jantar foi no hotel Banys Orientals, um superachado no El Borne, que tem um bom restaurante de cozinha tradicional da região: Senyor Parellada, bacalhau é uma das escolhas certas. Pode não ser unanimidade e o serviço, às vezes, meia boca, mas nas duas vezes em que estive lá a comida estava muito boa. Na primeira vez, achei o lugar, que frequenta guias da cidade, andando pelo bairro.

Tapaç 24, um dos muitos empreendimentos do famoso chef Carles Abellan, é uma ótima pedida quando o desejo é por boas tapas, as dicas da Adriana Setti se confirmaram. O “biquíni 24″ (foto), tapa com jamon, no dia servido com trufa e não foie gras, que parece uma panquequinha, e a sobremesa de chocolate com azeite de oliva e flor de sal foram fatais. Ah, as batatas bravas também não podem ser esquecidas. Lembrete importante: se não quer agito e nem ficar horas na fila é preciso fugir dos horários de almoço e jantar, o lugar fica aberto das oito da manhã até meia-noite e não aceita reservas. Aproveite para passear na região, tem uma ótima loja de design, que eu sempre esqueço o nome, dentre tantas outras, no Passeig de Gracia, ali pertinho. Calle Diputació, 269.

Já o Comerç, outra casa dele, recomendada como “melhor cozinha de autor” eu não achei tão boa assim. Pedi o menu degustação, o maior, e só fiquei feliz com os pratos de trufas, cobradas à parte, e diga se não estou certa, ovo com trufas, ou ostra, não tem erro mesmo. Tirando os pães e azeites da entrada, quase tudo soou muito artificial. Faíscas na cozinha ouvidas no salão e balcão bagunçado não ajudaram.

Alkimia: faz jus ao nome. Não consegui reserva para o jantar. Foi um dos destaques da viagem. Deu pra ver o talento do chefs Jordi Vilà e competência no salão da sócia Sonia Profitós. Bom preço, casa pequena, serviço e comida impecáveis. C/ Industria, 79

Cal Pep: acho que tive azar, tentei puxar conversa com o chef, pedi indicação e depois, quando já estava instalada no balcão, percebi que era a mesma dada para todos com cara de turistas. O lugar é badalado e o chef famoso, mas não foi nada excepcional. Volto pra ver se tenho mais sorte, vou tentar uma mesa, as recomendações eram as melhores possíveis. Esqueci que tinha tomado nota dos pimentos de padrón e jamón para provar. Experimentei o tartar de atum, que estava bom, mas implico com pratos já prontos. Era tarde quando cheguei para jantar, uma fila enorme nem foi notada com a ajuda do comentário do gerente, “depois do casal ao seu lado, você é a próxima”, estava cansadíssima e por isso também vou dar um desconto. El Xampanyet nos arredores é outra boa dica e não dá pra deixar de visitar os museus vizinhos, o do Picasso, principalmente, bem como as suas lojas.

Suquet de L’Amirall ou Sucett del Admiral
Em plena Barceloneta, dá para se sentir na praia. Ingredientes de primeira. As vieiras que eu comi eram enormes, foram grelhadas e recheadas com jamon da melhor qualidade. Uma dádiva. Turbot de legumes, sepiones… Fui na dica do Guilherme Rodrigues e pedi também o Marquês de Alella, 2009, inesquecível. O chef Quim Marquês entende do assunto, é um craque. Outra pérola da viagem. Passeig Joan de Borbó, 65. Saí com o livro dele embaixo do braço e feliz da vida.

Quimet & Quimet

Bato ponto aí, sempre que puder. A casa é destaque dos especialistas: melhor queijo com geléias, melhor tapas frias, salmão defumado com mel trufado, atum, queijo Torta del Casar e enlatados. Difícil é definir o Quimet & Quimet, meio bar, meio restaurante, meio loja, vi umas mesas no fundo, mas todo mundo estava na frente comendo em pé, fica pertinho do Tickets dos badalados irmãos Adrià, com o qual eu tenho sonhado ultimamente, porque não consegui reserva. Programa garantido. Poeta Cabanys, 25, no Poble Sec. De 2º a 6º das 12h às 16h e das 19h às 22h.

Moments

Quem toca o Moments é Raül Balam filho de Carmen Ruscalleda, a única mulher seis estrelas da Espanha, não será do mundo? Eu quero mesmo é conhecer o restaurante dela que fica pertinho de Barcelona, mas sem sair da cidade, você encontra boa comida ali no chiquérrimo Mandarim, instalado na zona nobre do Passeig de Gracia. Vale a visita ao hotel também, nem que seja para um aperitivo no bar.

Dos Cielos
Dos Cielos, entre o mar e a montanha, no 24º andar do Hotel Me, é para fazer qualquer um esquecer dos problemas, espere por horas de prazer. Merece post especial. Os irmãos Torres são geniais, sem dúvida. Entre no site e tenha uma ideia do que estou falando, também é uma opção para quem não quer menu degustação. Não esqueça de pedir os queijos e fale com o sommelier.

Chocolate

Não saia da cidade sem experimentar os chocolates do premiado Oriol Balaguer e a torta de oito texturas. Não é vendida em pedaços, você terá de comprar uma inteira, mas tem pequena e vale a pena. Coloque na mala pelo menos uma caixinha de chocolates e não se arrependerá. Tem horário especial, eu já bati com o nariz na porta, consulte o site antes de ir.

E se o assunto é chocolate experimente também: Enric Rovira e Cacao Sampaka, que tem uma cafeteria aberta das 9h às 20h.

Outros restaurantes recomendados, que eu não conheci:
Somorrostro.
Bar Velódromo e Asador Bravo 24, hotel W: para conhecer as novas casas do chef Carles Abellan.
Mariona: melhor filé com foie gras e trufas*.
La Paradeta: melhor frutos do mar*.
Kibuka: melhor japonês*.
La Xina: melhor chinês. Mais uma casa do grupo Tragalux*.
Chicoa: especializado em bacalhau e para comer miúdos**.
* Dicas da Adriana Setti
**Dicas do Guilherme Rodrigues

E mais uma dica da Constance Escobar para comprar e comer: Vila Viniteca.

E aqueles que eu conheci de outra viagem.
Los Palillos: para experiências incríveis, ótima comida, fusão de tapas com comida asiática e vanguarda e carta de saquês.Visite o site, veja o filme, saiba como funciona e fique com vontade de conhecer. É preciso reservar com antecedência.
El Glop : para comer galtes, as bochechas de porco. Evite o das Ramblas, por favor.
Moo no Hotel OMM: porque tem a consultoria dos irmãos Roca, não precisa dizer mais nada, é claro. Obrigatório e ainda é badalado. Estive lá há dois anos: sem arrependimentos.
Botafumeiro: frutos do mar com tradição. Produtos frescos.

 

2 ideias sobre “Onde ir em Barcelona ou pequeno roteiro de restaurantes e bares

  1. Pingback: Vosso blog de comida » El Celler de Can Roca e um pequeno Guia de Barcelona na revista Ideias, Restaurant Week, Edinho Engel - Bem Paraná

  2. Maria Carolina

    Estive no Tapas,24 na semana passada. Foi sem querer, estava passando, vi ma fila, achei simpático. Resolvi entrar. Amei o restaurante, clima descontraído, boa comida. Comi o bikini e o arroz negro. De sobremesa pedi o tapa de chocolate com sal e azeite de oliva. Muito bom! Vale a pena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>