Arquivos da categoria: Florianópolis

Murakami, na Ponta dos Ganchos

1 junho, 2011 às 22:25  |  por Jussara Voss

Olhe por onde andei. Veja o que eu comi. É impossível dizer o que eu senti. Eu juro. Três dias com Tsuyoshi Murakami, na Ponta dos Ganchos, em Governador Celso Ramos, Santa Catarina, e muita coisa para contar. Desde afiar faca, cortar o peixe, degustar sakê, até aprender receitas e a meditar com o suribachi, o pilão japonês. Escrevo no próximo número da revista Ideias e quem sabe aqui, mas não agora. Estou degustando, ainda. Aprendi um pouco da culinária Shôjin Ryori, a prática do budismo que ensina a extrair o máximo dos alimentos sem agredir nenhum ser vivo, num hotel Relais & Chateaux, que exprime um pouco o que é o paraíso na terra. Tempo de comemorações. Não fomos fieis ao Shôjin Ryori, mas foi um bom começo. Isso foi. Namastê.

O nosso mestre Murakami: um amigo.

Amanhã tem mais.

Florianópolis

12 janeiro, 2011 às 00:00  |  por Jussara Voss

Amy Whinehouse era só um pretexto, disse minha companheira de viagens gastronômicas, justificando a rápida estada em Florianópolis. O show, bem o show aconteceu e parece que isso já é motivo para comemorar. A síndrome de mau comportamento da cantora rondou o tempo todo, como se a performance da artista se repetisse na arquibancada chamada de camarote. Sei… Faltou espaço, civilidade e educação e nada do vozeirão dar as caras. Eu gosto é de delicadeza. Por uma Amy insegura juro que eu não esperava. Enfim, se o negócio é passar bem e como gosto de coisas que emocionem, fico com a lagosta grelhada no ponto e com sabor da Toca da Garoupa, mesmo na filial do centro e olha que foi só a cauda da lagosta. Descobri tardiamente que a sociedade que deu origem ao tradicional restaurante foi desfeita, parece que a charmosa casa inaugurada no Jurerê em 1986, morei lá um ano antes, não existe mais, enfim, a história está no site e a comida é bem feita, apesar de repetir uma fórmula antiga. A lula e o camarão na chapa também podem ser indicados. Sábado de sol e alta temporada, melhor não tentar se locomover pela ilha, bem que queríamos a Ponta das Caranhas, na Barra da Lagoa, só que uma fila de 10km e a fome, deixou o lugar, que já testamos e gostamos, na lista dos “precisamos voltar”.

Uma passadinha para uma pinga boa no Armazém Vieira e depois o novo Bianco Lounge , que é mesmo bonito e bem montado num casarão do começo do século XX, completaram o programa. A proposta do Bianco é boa, mas a comida poderia ganhar mais atenção, afinal, não deve ser essa a grande atração de um restaurante? Acho que passar lá para um drinque é uma boa opção. E como eu fui esquecer os Destemperados? Nem me pergunte. Não tem desculpa. Eles já vasculharam Floripa e entendem do assunto. Dicas certeiras.