Arquivos da categoria: Restaurantes em Curitiba

Marcelo Amaral: que orgulho chef!

13 janeiro, 2013 às 20:29  |  por Jussara Voss

Eu virei fã assim que conheci a nova proposta dele. Logo tratei de escrever. Conto um pouco sobre o trabalho do Marcelo Amaral, chef do Lagundri, no último número da revista Ideias. Fiquei impressionada com alguns pratos e drinques e com a energia e a vontade do chef em trabalhar com a comida caiçara, resgatar nossas origens e oferecer bons sabores. Marcelo, que garanto e espero vai dar o que falar, também está no Estadão. O chef tira da jaca o sabor doce para compor o curry com camarão. Jaca foi o tema da edição do jornal na semana passada. Como ele ficou devendo uma receita pra mim, aproveito a publicada no Estadão. A receita você tem aqui e a matéria pode ser lida aqui. Quem me alertou sobre o novo projeto do chef foi a também chef e jornalista internacional Luciana Bianchi. Merci!

Manu: um ano

7 fevereiro, 2012 às 19:21  |  por Jussara Voss

Ela chegou com jeito de quem queria acertar. Decidida. Depois que descobriu que a cozinha seria o seu lugar preferido, não parou mais. Estudo, trabalho, temporadas em restaurantes conceituados e a abertura da sua própria casa. E foi dando certo, com muita dedicação, investimento e esforço. Bonito de ver, melhor ainda de experimentar. Criativa e determinada, tem talento que transborda pelas panelas e pratos. A comida chega à mesa como esculturas e vai surpreendendo o mais desconfiado cliente. Seus fãs comemoram a abertura do Manu: um ano completado no dia 26 de janeiro e esperam mais porque foi ela quem nos acostumou assim. Mesmo passado alguns dias da data, não poderia deixar de registrar. Eu insisto que a redução das opções de menus daria fôlego e sabor às criações. Vida longuíssima, é claro, é o que desejamos, temperada com sucesso, casa cheia, premiações… Saúde!

A chef trabalhando e os pratos do almoço da Chandon Weeks, no ano passado.

 

 

 

 

 

 

Ivo Lopes, Ivan Lopes, Terra Madre, Girarrosto

6 fevereiro, 2012 às 22:04  |  por Jussara Voss

Esqueci os bons modos e a educação quando o chef Ivo Lopes chegou à mesa e perguntou  se gostaríamos de olhar o cardápio ou ficaríamos com as sugestões dele. Pode sugerir chef, disse sem hesitar, não dando tempo para as minhas amigas se manifestarem. Não se recusa uma proposta assim, jamais. Sei que elas não gostam muito de experimentações, mas não poderia perder essa oportunidade. Depois da entrega ao talento do chef e de morrer de vergonha pelo meu atrevimento, festejei as entradas dele sempre levando o prato preparado à mesa. Uma massa, um peixe, uma carne. Foi um delírio. Passado o almoço, elas entenderam a minha ansiedade em aceitar a proposta dele, a refeição valeu cada bocada e se entregar ao talento de um cozinheiro como Ivo não tem preço. O visual do restaurante com uma vista linda da cidade de São Paulo, na cobertura do shopping Cidade Jardim, também ajudou.

Tivemos sorte, essa foi uma das últimas refeições que o chef preparou ali. A sociedade de Paulo Barros com Ida Maria Frank foi desfeita naquela semana e Ivo se prepara para assumir a tratoria Girarrosto, ao lado de Massimo Barletti, onde funcionava o Pandoro, que deveria ter sido aberta em novembro. Paulo Barros e Paulo Kress estão à frente também do Italy, o último empreendimento do grupo que já faz sucesso, e do Kaá. O forno giratório será uma das atrações da casa ao lado das massas e carnes e das pizzas e sanduíches aos domingos à noite. Ida ficou com o Due Cuochi, continua com o Marais e o St. Honoré, e associou-se ao grupo do América e do Barbacoa. Para quem não sabe Ivo é irmão do Ivan Lopes, do Terra Madre, e padrinho profissional do Paulino da Costa, agora no grupo do Chico Urban. Pois tive sorte mais uma vez e provei a comida do Ivo, desta vez em companhia do seu irmão, no aniversário do Terra Madre. Seis anos comemorados em grande estilo. Tudo isso aconteceu em novembro do ano passado, mas eu não poderia deixar de tornar público esses dois encontros memoráveis, ainda lembro da polenta cremosa com frutos do mar grelhados ao molho de limão siciliano. Quando ele aparecer por aqui, não perca a oportunidade.

Almoço despedida do Ivo Lopes (foto) no Due Cuochi

Polenta cremosa com frutos do mar grelhados ao molho de limão siciliano no aniversário do Terra Madre, em Curitiba, inesquecível

 

 

Manu: hora de comemorar

26 janeiro, 2012 às 17:40  |  por Jussara Voss

Um ano depois…

Nesta quinta-feira (26) quem faz festa e recebe os parabéns é Manu Buffara. O seu restaurante Manu completa um ano com muito sucesso. A abertura da casa foi o acontecimento gastronômico na cidade no ano passado. Com esse comentário fui transportada para o almoço oferecido pela Chandon nacional para mostrar à imprensa seus produtos, foi lá. Baita casamento perfeito não comentado aqui. Já famosa e premiada, a chef mostrou porque foi revelação nacional pelo Guia Quatro Rodas, dentre outros troféus acumulados em tão pouco tempo de vida do seu ”Manu”, e fez um banquete. Quanto ao champagne da Chandon: também é de conhecimento de quase todos que os espumantes nacionais estão ganhando mercado e deixando os produtores felizes pelo retorno do investimento. O diretor de enologia da Chandon, Philippe Mével, esteve em Curitiba neste dia, no mês de setembro, era mais uma etapa da Chandon Weeks, que percorre capitais brasileiras promovendo degustações do espumante brasileiro. Foi um dia excepcional, como aqueles dias quando tudo dá certo. Experimentei verdadeiras joias da coroa. A variedade de produtos da Chandon é grande e vale a pena provar. Escolha a versão Chandon Réserve Brut, Brut Rosé, ou Excellence e fique feliz.  Tim-tim! Vida Longa!

 

 

Feriados no Madero: sempre aberto

16 janeiro, 2012 às 18:46  |  por Jussara Voss

Madero abre todos os dias. A decisão do Júnior Durski foi acabar com as dúvidas de qual casa abre em qual dia nos feriados, agora todas abrem sempre. Outra novidade foi a criação de uma central de reservas: um único número de telefone – 3014-0600 – para todos os restaurantes. A nova Central de Reservas Madero Burger & Grill funcionará de segunda a sábado das 9h às 21h e aos domingos, das 9h às 13h. Durski, além dos restaurantes na cidade, mais dois devem abrir em breve, inaugura novas casas em Londrina e Maringá, e em Manaus.

Madero’s invadindo Curitiba

18 dezembro, 2011 às 19:26  |  por Jussara Voss

Júnior Durski não para de expandir a rede de restaurantes Madero. O da praça do Relógio das Flores, ali no centro histórico, que aparece na fotos de Gerson Lima, pertinho do Madero original, apresenta como novidade a feijoada aos sábados, às vezes com direito a apresentação de chorinho. Durski  diz que é o mais bonito. Eu voto no da Praça da Espanha, também inaugurado recentemente. Fui conhecer e me apaixonei pelos espaços externos, que agradam quem fuma também, hoje, categoria totalmente discriminada. A vista das árvores da praça é uma atração especial. A comida, a bebida, servida na temperatura certa, e o serviço: tudo ok. As duas casas foram inauguradas recentemente. Sem falar sobre o Madero da Comendador Araújo, que é o lugar certo para levar as crianças. Desse Madero eu gosto da loja de vinhos e do café que serve os dois bolos mais caseiros e saborosos de Curitiba, o de amendoim e o de morango, sem falar das empadinhas, com a conhecida “massa podre”, difícil de encontrar e que só perde para a feita lá em casa. E tem mais inaugurações. Em breve, aguardem um Madero no Bigorrilho, pertinho do açougue Domakoski, e outro na Nossa Senhora da Luz, no Jardim Social, perto da Família Farinha. É bom lembrar que o Madero Prime Steakhouse, nas ruínas de São Francisco,  é diferente dos demais restaurantes da rede Madero Burguer e Grills. Como explica o site, o Prime tem “atendimento diferenciado, frutos do mar, adega e exclusivos cortes de carnes uruguaias”; já o Burguer e Grill agrada pelos preços: 40% menores. No Prime, acho que ninguém lembra de variar o pedido, eu recomendo o carpaccio quente, que pode substituir o couvert, a lagosta grelhada e a muqueca, além das carnes. E encerro o post, lembrando que o Madero de Goiânia, única casa que não está no Sul, já ganhou reconhecimento. O Burger & Grill de lá, inaugurado em 2009 e com uma das maiores adegas da cidade, já ganhou o título de melhor hambúrguer  – prêmio da revista Veja.

 

Zea Maïs

6 dezembro, 2011 às 22:50  |  por Jussara Voss

Quando recebi o convite para jantar no Zea Maïs a minha primeira reação foi pensar “opa, que legal”. Tenho uma dívida com o restaurante. Adoro o lugar. Há oito anos em Curitiba, sempre achei que era a casa mais moderna e bacana da cidade. E ainda é. Local favorito para comemorar meu aniversário, por exemplo, mas em algum momento, um desentendimento qualquer fez com que eu não frequentasse a casa com tanta assiduidade assim. Pois, vou contar, fui experimentar o prato e a sobremesa preparados para o cardápio de Natal e morri de amores, valem ser provados, são especiais. Celso Freire, um dos sócios, pediu um corte especial da carne ao fornecedor, e pronto, estava na mesa um medalhão de pato divino. Pense em um magret alto, assado na grelha, com aquela gordura rodeando a carne suculenta. Olha que não é fácil deixar essa carne saborosa. Acompanhou uma alface grelhada no ponto, perfeita. A ideia da chef Joy Perini (foto), de quem eu nunca falei e sinto vergonha disso porque é uma superprofissional, de colocar fatias de maçãs entre a carne casou muito bem. O molho estava divino e juro que quando ela falou em crosta de pistache eu não gostei, pensei naquela casquinha um pouco seca, mas que nada, era uma farofinha muito da boa. Se os clientes insistirem pode entrar para o cardápio fixo, por favor, prestigiem, nós merecemos esse prato! Gostei tanto que esqueci de falar da sobremesa. Esperava um pudim de pão, que eu aprendi a fazer recentemente, mas era diferente, igualmente muito bom. Noite agradável e de bons sonhos, só posso agradecer.

Continuar lendo

São Francisco

5 outubro, 2011 às 21:48  |  por Jussara Voss

Desconfiei do convite e do endereço suspeito: rua São Francisco, em Curitiba. Mas como a vida é feita de “som e fúria” me joguei no caminho do santo, pois tenho com ele um pacto. Não me peça explicação nenhuma, mas é ver um animal na rua para eu invocar a proteção daquele que dedicou a sua vida aos bichos, esses meus amados. Eu me compadeço do sofrimento dos pobres desprotegidos e faço por eles bem menos do que gostaria, sempre achando que o santo vai me ajudar. O post também é para aqueles que reclamam que eu só falo de coisas caras. Bobagem, eu falo é de coisas boas. Enfim, o São Francisco, o restaurante, localizado na rua de mesmo nome e mais velho do que eu!, é barato e uma opção para quem está no centro da cidade. O filé, que eu esqueci de fotografar quando chegou à mesa, estava bom, nada demais, mas já escutei comentários recomendando a rabada, a língua e outros pratos do insólito local.