• Cidade Jardim

    Jobster alcança batismo na Prova Especial Giant

    Em uma prova que homenageava o craque Giant, um cavalo paranaense acabou levando a melhor e finalmente confirmando as expectativas de seu staff. 

    Estamos falando de Jobster, que após quatro carreiras nas provas mais graduadas de sua geração, conquistou sua primeira vitória na tarde desta sexta-feira (07), disputando a Prova Especial Giant, em 1.800 metros na pista de grama. 

    Com apenas quatro competidores após a retirada de Duck Dancer, o primeiro a assumir a ponta foi Grande Kiko. Logo a seguir Rock Marciano corria em segundo, seguido por Jobster e Ultimate Warrior, todos muito próximos. 

    E assim o páreo seguiu até a entrada da reta, quando pela baliza três, André Luis Silva trouxe Jobster para brigar pela ponta. Não demorou muito para o crioulo do Haras Cifra assumir a primeira colocação, seguindo com tranquilidade até o disco. 

    Na segunda colocação, 4 corpos atrás, chegou Grande Kiko. Em terceiro chegou Rock Marciano, com Ultimate Warrior completando o placar. 

    Filho de First American e Victory Now (Know Heights), Jobster é de criação do Haras Cifra e de propriedade do Stud Galope. Foi apresentado por Maurício Oliveira, pilotado por André Luis Silva e assinalou 1'50"575 para os 1.800 metros na pista de grama macia.

     

  • Gávea

    Corrida Maluca: teve de tudo na vitória de Olympic Impact no GP João Borges Filho

    (Foto: Site JCB por Sylvio Rondinelli)

    Uma dupla exata que pagou R$ 415,50 para cada real apostado dá o tom do que foi a principal prova de hoje (02) no Hipódromo da Gávea, o Grande Prêmio João Borges Filho (G2), preparatória para o Grande Prêmio Brasil (G1). 

    Para quem esperava um embate entre Pimper's Paradise, George Washington e Adu Dhabi, teve que se contentar em ver o Stud Habeas Corpus vencer sua primeira vitória clássica com Olympic Impact. E teve mais, na dupla Galaxy Runner, que estava devendo uma boa atuação há algum tempo. E os favoritos? É o que a gente conta apartir de agora. 

    Com um campo de animais fundistas, era esperado que Olympic Impact ou American Dream corressem na ponta, já que o estilo dos demais competidores era o de correr acomodado na primeira parte do percurso. Porém, como ninguém se apresentou para pontear a prova, em um ritmo extremamente lento Galaxy Runner assumiu a primeira colocação. 

    Quem o vigiava em segundo era Pimper's Paradise, que costumeiramente corre mais atrás, principalmente nos 2.400 metros. Contudo, com a grama pesada ninguém estava querendo se arriscar a florear na frente ou correr para uma atropelada longa.

    Chegando aos 1.600 metros finais, o jóquei de American Reason decidiu ir para cima do representante do Haras Sweet Carol, que hoje se apresentou de antolhos. Em terceiro muito perto corria Pimper's Paradise, com He's Gold, Olympic Impact, Abu Dhabi, George Washington e Mstraubarry. A diferença do primeiro para o último não chegava a seis corpos. 

    E se você acha que Galaxy Runner correndo de ponta é estranho, não perde por esperar o que vai acontecer. O "Derby Winner" atropelador Abu Dhabi hoje estava novamente com um jóquei diferente, já que Valdinei Gil encontra-se lesionado e Maykel Mesquita não foi muito bem na última. 

    O jovem Will Xavier, piloto dele hoje, deve ter pensado: "já que ninguém vai, vou eu tomar a ponta e ganhar o páreo aqui". Dando uma partida em Abu Dhabi na seta dos 1.300 metros finais e tirando três corpos dos rivais na primeira colocação. Essa atitude mudou o ritmo da prova e deixou os demais jóqueis meio perdidos, com Pimper's Paradise e He's Gold indo atrás do ponteiro. 

    Assim, os demais animais também adiantaram suas partidas lá para a metade da grande curva, afinal, ninguém queria deixar os favoritos "sumirem" na frente. Entraram à reta Abu Dhabi e He's Gold, com Pimper's Paradise ficando no "meio do sanduíche". Depois vinham Amercan Reason, George Washington e, os dois que estavam na ponta na primeira passagem pelo disco - Galaxy Runner e Olympic Impact, sobravam para a sexta e sétima colocações respectivamente. 

    Dali em diante começou a briga entre Pimper's Paradise, o grande favorito e Abu Dhabi, a segunda força da prova. Porém, muito bem trazido por Acedenir Gulart, Galaxy Runner encontrou passagem e veio brigar com os dois. Pelo meio de raia vinha George Washington tentando embalar, enquanto mais por fora, Olympic Impact começava uma atropelada até então improvável. 

    Nos 100 metros finais Galaxy Runner livrou cabeça de vantagem para Pimper's Paradise, o que já seria uma grande "zebra". Entretanto, o que ninguém imaginava aconteceu. Ao invés da atropelada de George Washington pelo externo de raia, quem surgiu foi Olympic Impact, que no último pulo desbancou o pensionista de Adelcio Menegolo - e também grande parte das poules deste páreo. 

    Na terceira colocação, bem próximo, finalizou Pimper's Paradise. Depois chegaram George Washington e He's Gold. O - agora - "ponteador" Abu Dhabi chegou na sexta colocação, com American Reason e Mstraubarry, este com uma reta muito esquisita, com o jóquei trazendo-o pela baliza 49, chegaram a seguir. 

    Filho de Redattore e Our Charm (Spend A Buck), Olympic Impact é de criação do Haras Regina e de propriedade do Stud Habeas Corpus. Foi pilotado pelo ótimo Henderson Fernandes e apresentado pela "máquina" Luis Esteves. O tempo foi de 2'35"82 para os 2.400 metros na pista de grama pesada. 

    Dupla brilhou também na milha: 

    Tem uma dupla brilhando intensamente no Hipódromo da Gávea. Quando os apostadores veem no programa Luis Esteves e Henderson Fernandes no mesmo cavalo, já começam a apostar sem olhar para o retrospecto. E se foi assim no Grade Prêmio João Borges Filho (G2) com Olympic Impact, o mesmo aconteceu nno Grande Prêmio Mario de Azevedo Ribeiro (G3). 

    Ultimate Warrior nem de perto era o principal nome da prova, contudo, com uma ótima atuação conseguiu assumir a ponta nos metros finais. O favorito Olympic Icecream ainda tentou levar a terceira consecutiva, porém não alcançou o representante do Haras Mabruk.

     

    Filho de Quick Road e Coupole (Tsunami Slew), deixou a seguir Vale-Brinde, Don Bizarro e Guaruman. Como dito acima, foi pilotado por Henderson Fernandes e apresentad por Luis Esteves, assinalando 1'37"92 para os 1.600 metros na pista de grama pesada. 

    ASSISTA O PROGRAMA TURFE NA CIDADE DESTE DOMINGO:

  • Turfe

    Dobrada do Miorim na Copa ABCPCC Regional 2020

    Ter "estrela" é um adjetivo vago quando falamos das corridas de cavalo. Assim como em tudo na vida, "ter sorte" é válido. Porém, quando os resultados são extremamente expressivos, a competância de uma equipe é bem maior que qualquer outro adjetivo. 

    E começamos assim a matéria da Copa ABCPCC Regional 2020 (Listed) exatamente para enaltecer a competência da equipe do proprietário Alberto Tiellet Miorim. Depois de ser  tricampeão do Grande Prêmio Bento Gonçalves (G2) com Ilustre Senador, ser Tríplice Coroado com Etê Kaluanã e vencer as duas Taças de Cristal (fêmeas e machos) deste ano, hoje seu staff colocou a "cereja no bolo". 

    Em uma prova contando com ótimos nomes, os melhores entre os potros da geração 2017 no Cristal, além de dois ótimos nomes oriundos do Paraná, Alberto Tiellet Miorim venceu de dobradinha a prova que pagou mais de R$ 80 mil e que encerrou o Festival da Copa dos Criadores. 

    Mas não foi só uma dobradinha do proprietário, afinal, o criador de Fera do Manno e Fuego Enlas Patas é o Stud Itaara. Ambos recebem o treinamento do atual campeão das estatísticas, Luciano Arias. 

    A prova: 

    Comet Winner foi o primeiro a pular na ponta, seguido de perto por Fuego Enlas Patas. Não demorou muito para a potranca assumir a ponta, entrando na reta oposta na frente. Depois vinham Campeão D'América, Quick Gold, Limoncello, Comet Winner, Fera do Manno e bem afastado Oakland Bay, que não teve uma boa largada. 

    Veio a curva e o panorama não mudava. Vale ressaltar que Limoncello ficou colocado bem próximo a cerca interna, enquanto os "gaúchos" começam a buscar o externo da pista. Comet Winner e Fera do Manno estavam emparelhados, enquando a potranca Fuego Enlas Patas entrava a reta na ponta. 

    Contudo, os que esperavam que Fuego Enlas Patas cansasse, já que supostamente estaria fazendo carreira para eu "faixa", se enganaram. A filha de Bold Start continuava dominando a prova, enquanto via Fera do Manno avançando pelo externo. 

    Por dentro, Limoncello tentava descontar a diferença, enquanto quem demonstrava uma grande ação final era Oakland Bay, que virou a reta na última colocação. Os "paranaenses" até tentaram, mas não conseguiram alcançar a parelha de Alberto Miorim. No final, Fera do Manno dominou Fuego Enlas Patas, repetindo a dobradinha do ano passado, que teve Campelanda e Mestre do Iguassu chegando nas duas primeiras colocações. 

    Fera do Manno é um filho de Alcorano e Twice So Nice (Wild Event), de criação do Stud Itaara e treinado por Luciano Arias. Fuego Enlas Patas também é de criação do Stud Itaara, conta com o mesmo treinador e é filha de Bold Start e Queen Porã (Romarin). Completaram o placar remunerado Limoncello, Oakland Bay e Quick Star.

    ASSISTA O BOLETIM DE OCORRÊNCIAS DE HOJE:

  • Copa dos Criadores

    Conheça os participantes da Copa ABCPCC Regional

    (Foto: Divulgação Jockey Club do Rio Grande do Sul por Hermes Martins)

    Já que vivemos um ano atípico, teremos nesta sexta-feira a conclusão da Copa dos Criadores 2020, promovida pela Associação Brasileira dos Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida - ABCPCC. Normalmente acontecendo antes do grande Festival da Copa dos Criadores, este ano - com a antecipação do festival - a carreira em 1.600 metros na areia encerra a festividade. 

    E para se unir aos grandes vencedores do festival, Pimper's Paradise, Nantucket, In Society e Dashing Court, sete animais entrarão na pista de areia do Jockey Club do Rio Grande do Sul. E os concorrentes já têm uma ótima trajetória nas pistas. 

    Então a partir de agora falaremos um pouco sobre cada competidor. 

    FUEGO ENLAS PATAS: 

    De criação do Stud Itaara e de propriedade de Alberto Tiellet Miorim, esta filha de Bold Star e Queen Porã (Romarin) desde o início da campanha é levada em alta conta. Já estreou em clássico e, depois de perder uma incrível na turma dos "sem vitórias", venceu na terceira em 1.000 metros na areia macia. 

    Voltou na segunda prova da Tríplice Coroa Juvenil, perdendo para It's Alive, que neste fim de semana corre a Prova Especial Emerald Hill (Listed) em Cidade Jardim. Na última, conseguiu seu batismo clássico ao vencer a Taça de Cristal - Versão Fêmeas (Listed), grande criterium do Hipódromo do Cristal para as potrancas da geração 2017. Conta com o treinamento do campeão Luciano Arias e será pilotada por A.Rodrigues. 

    FERA DO MANNO: 

    O filho de Alcorano em Twice So Nice (Wild Event), também venceu a Taça de Cristal (Listed), só que na versão dos machos. É interessante saber que ele é um irmão materno da Tríplice Coroada Gaúcha Etê Kaluanã. Também pertence ao Alberto Tiellet Miorim e conta com a criação do Stud Itaara. 

    Perdeu a segunda prova da Tríplice Coroa Juvenil para Billion Lover por pescoço, em uma carreira que o castanho vinha com uma ação estupenda no fim, descontando quase cinquenta metros do ponteiro nos cento e cinquenta metros finais. Detalhe: ele era estreante. 

    Na segunda atuação foi o favorito, tendo sua pior apresentação (2° em páreo de "sem vitória" por 3 1/4 corpos). Na última, sua terceira atuação na campanha, venceu a Taça de Cristal - Versão Machos (Listed) com extrema facilidade, livrando mais de 10 corpos para o segundo colocado. É treinado por Luciano Arias e será pilotado por Cladinei Farias.

    LIMONCELLO: 

    Um dos representantes paranaenses, este filho de Kodiak Kowboy é a grande esperança do Haras Springfield para esta temporada. Potro que fisicamente lembra Kopenhagen (vencedor clássico no Tarumã e em Cidade Jardim), o neto de Bernardini vai com muita força para esta prova. 

    Nas duas primeiras não animou muito, porém na última parece ter acertado a distância e o estilo de correr. Ao invés de ser corrido no fundo do lote, está correndo próximo ao ponteiro. Está sendo levado em muita conta, mesmo ainda não tendo vitória clássica (venceu uma em Cidade Jardim em três atuações). 

    Estava inscrito no Clássico ABCPCC (Listed), que aconteceu no Tarumã na última quinta-feira. É treinado por Antenor Menegolo Neto e será pilotado por Michel Platini, jóquei radicado no turfe paulista. 

    COMET WINNER: 

    Este é um dos animais mais interessantes da prova. Desde a estreia sempre correndo em provas clássicas, o representante do Stud D.P.Gudolle se encontrou na última, vencendo com tempo um segundo melhor que em um Clássico que ele fez quinto. 

    De criação do Agro Pastoril Haras São Luiz Ltda, o filho de Salto e Manalou (Gilded Time) vem de duas atuações muito interessantes. Na penúltima seu jóquei perdeu os estribos e veio "na manta" desde a partida, fazendo a curva pela "baliza 20". Mesmo assim, Comet Winner fez quarto a apenas 2 1/2 corpos. 

    Na última foi trazido de barbada, correndo sempre na ponta e colocando uma diferença de 16 corpos para o segundo colocado. Está em excelente estado e tem muita chance nesta prova. É treinado por S.Rodrigues e será pilotado por A.Santana. 

    QUICK GOLD: 

    Esta potranca sempre esteve entre as líderes de geração no Hipódromo do Cristal. Venceu na estreia correndo no fundo do lote e atropelando forte para cima de Fuego Enlas Patas. Filha de Agnes Gold e Preciosidad (Crimson Tide), a crioula do Haras Capela do Santana chegou no placê para It's Alive na segunda etapa da Tríplice Coroa Juvenil. Nesta correu bem perto da ponteira. 

    Na última, também correndo no bloco da frente, fez terceiro para Fuego Enlas Patas na Taça de Cristal (Listed). Lembrando que, antes da última atuação, ela sempre havia chego na frente da potranca de Alberto Tiellet Miorim. É treinada por H.P.Machado, pertence ao Stud Casablanca e será pilotada por L.Costa. 

    CAMPEÃO D'AMÉRICA: 

    Desde a estreia sempre foi muito cotado, porém disputou apenas uma prova clássica em suas seis saídas, logo na estreia, quando chegou na oitava colocação. Depois vieram provas na turma, com a última delas sendo sua melhor atuação. 

    Um placê para Youth Humor na areia encharcada, terreno que este crioulo do Stud Duplo Ouro parece preferir. Se trata de um filho de Tokay e Piu Grande Star (Amigoni), treinado por A.C.Silveira e contando com a pilotage de Bernando Pinheiro, que recentemente voltou de Dubai e está montando na Gávea. 

    OAKLAND BAY: 

    Animal lindo e que é levado em alta conta por seu staff. Filho de Wild Event e Hyannis (Setembro Chove), tem uma das melhores linhas do Stud Chesapeake, sendo criado pelo Stud Stanford. É irmão materno de Natucket, vencedor da Copa ABCPCC Velocidade - Mario Belmonte Moglia (G3). 

    Inclusive, pertence ao mesmo proprietário, o Stud Mikael. Conta com o treinamento do campeoníssimo Julio Cesar de Moura Rosa e será pilotado por seu irmão, o também muito vencedor Zeferino de Moura Rosa. 

    A reunião desta sexta-feira no Hipódromo do Cristal começa às 13 horas, com a Copa ABCPCC Regional sendo corridas às 14 horas. 

    ASSISTA O PROGRAMA QUARTA DE MILHA: 

  • Gávea

    Octane e Neusely derrubam R$45 mil em poules de placê

    (Foto: Site JCB por Sylvio Rondinelli)

    Quando temos um animal que é muito favorito, sem praticamente nenhuma chance de perder, é normal que vejamos grandes montantes sendo apostados no placê deste animal. 

    O "fenômeno" nada mais é que alguns donos de agências de apostas colocando seu dinheiro nas apostas para conseguir lucrar com as comissões da mesma. Claro que muitas vezes o efeito é que outros apostadores façam o mesmo, mas na maioria das vezes, quando você ver algum animal com montantes altos no placê, a possibilidade disto ter acontecido - a aposta por parte dos agentes - é grande. 

    Neste domingo de carreiras na Gávea isso aconteceu. A Prova Especial Tirolesa trazia uma parelha fortíssima frente à éguas que não pareciam fazer frente a elas. Idle Ways e a argentina Tatuada Soy eram as "barbadas" da carreira. 

    Uma havia impressionado na estreia, já a segunda havia feito boa carreira em Cidade Jardim, onde chegou a 4 1/2 corpos em Grupo 1. A parelha número "06" fechou as apostas com R$ 45 mil m apostas de placê. Porém, hoje quem ganhou foi a banca. 

    Na largada a parelha do Haras Santa Maria de Araras pulou muito mal, sobrando para as últimas colocações. E ideia de uma delas correr ditando o ritmo na ponta não aconteceu e quem assumiu a primeira coolocação foi Octane, seguida por Brenda Light. 

    Em 1.500 metros, os pilotos da citada parelha começaram a acelerar suas montadas ainda na reta oposta, sempre pelo lado de fora. Na entrada da grande curva elas já estavam na quarta em quinta posições, respectivamente. Com uma partida curta na curva, ambas viraram a reta muito próximas as ponteiras Brenda Light e Octane, que mantinha a baliza 1. 

    E parece que tudo estava dando certo para os apostadores, que viam Idle Ways e Tatuada Soy com muita ação na entrada da reta, parecendo que venceriam e até daria a dobrada. Contudo, alguns detalhes favoreceram a vitória de Octane. 

    Primeiro temos que ressaltar o talento de Wesley Cardoso e da égua, que mostrou ser de carreira. Na ponta e com cerca móvel de 8 metros, ela tinha a vantagem de não sofrer tanto com a atropelada. Brenda light vindo a seu lado, fazendo com que as adversárias fizessem a curva pelo externo também fez a defensora do Team Valor Internacional ganhar importante terreno frente às fêmeas do Araras. 

    E por fim, o esforço que Idle Ways fez na curva para se recuperar, tirou muito de seu sprint final. Diferente de Neusely, que corrida sempre com calma por Waldomiro Blandi, veio aos poucos atropelando para no final conquistar o placê. Vitória de Octane e segunda colocação para Neusely. E R$ 45 mil em poules na parelha "06" ficando para a "casa". 

    Na terceira colocação chegou Idle Ways, com Tamirez e Tatuada Soy completando o placar. Filha de Put It Back e Brincalhona (Lode), Octane é de criação e propriedade do Team Valor Internacional. Foi apresentada por Venâncio Nahid e assinalou 1'31"13 para os 1.000 metros na grama macia.

  • Turfe

    Tarumã: Najar do Iguassu leva primeiro Listed da temporada

    (Foto: Divulgação Jockey Club do Paraná por Felipe Neves)

    Na tarde desta quinta-feira (23) foi realizada a primeira reunião da temporada 2020/2021 no Jockey Club do Paraná. E em um final emocionante, Najar do Iguassu levou o Clássico ABCPCC (Listed), grande atração do dia. 

    A reunião que estava previamente programada para o dia 09 de julho, sofreu alteração de data após o decreto Estadual/Municipal que levara Curitiba ao grau de periculosidade "Bandeira Laranja", medida para tentar conter os casos de Covid-19. Realizada hoje, contou com nove provas, se iniciando às 13h15 e sem a presença de público. 

    Homenageando a Associação Brasileira dos Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida do Paraná - ABCPCC, principal entidade turfística nacional, a principal prova contou com cinco competidores, uma vez que Limoncello fez forfait. 

    Logo na largada, Najar do Iguassu e Onore tentaram a primeira colocação pelo externo da pista. Em sua primeira atuação, Trivento acabou largando com atraso e ficanndo fora da carreira. A seguir vinham Barry More Court e Lady Gui Gui, única fêmea da prova. 

    Forçando pelo interno da pista, na entrada da curva Barry More Court assumiu a ponta, deixando Onore e Lady Gui Gui brigando pela segunda colocação. Um corpo atrás, Najar do Iguassu já mirava os adversários, se preparando para a reta final. 

    E ela veio, com Barry More Court e Onore buscando o externo da pista. Tranquilo, o tetracampeão consecutivo das estatísticas Valmir Rocha esperava para dar a partida em Najar do Iguassu. Pelo meio de raia, já sem muito ímpeto, Lady Gui Gui vinha na quarta colocação. 

    Até os 150 metros finais, Barry More Court parecia o vencedor da carreira. Porém, em uma tocada energética e empolgante de Valmir Rocha, o representante do Haras Rio Iguassu embalou pelo extremo externo e foi bucar o adversário " em cima do disco", livrando pescoço para o representante do Haras Cima. 

    Na terceira colocação terminou Onore, em ótima atuação. Depois chegaram Lady Gui Gui e Trivento, que não pode ter esta carreira levada em conta pelo grande atraso na partida. 

    Filho de Kodiak Kowboy e Magnificent Lady (Cherokee Run), Najar do Iguassu é de criação e propriedade do Haras Rio Iguassu. Foi pilotado por Valmir Rocha e apresentado por Ademar de Barros Pereira, assinalando 1'28"20 para os 1.400 metros na areia leve. 

  • Gávea

    Penelope Charming "se vinga" e vence Grande Prêmio Sandpit

    Quem acompanhou a última atuação da égua Penélope Charming, não acreditou na carreira incrível que a representante do Haras do Morro perdeu para Nordstorm. 

    Claro que temos que valorizar a direção de Bruno Queiroz no animal do Haras Nacional naquele dia, porém hoje, em uma turma mais reforçada, a crioula da família Araújo "se vingou" e venceu o Grande Prêmio Sandpit (G3), principal carreira do fim de semana no Hipódromo da Gávea. 

    Largando da seta dos 1.000 metros, o primeiro a aparecer foi Demagogo, que fez questão da ponta. Fogo Supremo também buscava a ponta, juntamente com o potro João da Jandinha e a favorita Nice Lady, ainda invicta na pista de grama. 

    Veio o fim da variante e João da Jandinha dominou a prova, trazendo consigo Nice Lady. Se por um lado o potro levava vantagem na descarga de peso, de outro a égua do Stud Happy Again sofria com a grama pesada. 

    Contudo, alheia a esta briga, Penélope Charming avançava pelo externo da raia. Se na última Carlos Lavor ficou encerrado por dentro, desta feita buscou o lado "limpo" desde a entrada da reta. 

    Depois de travar grande duelo com João da Jandinha, Nice Lady teve que se defender de Penélope Charming. Tarefa muito difícil e que acabou não sendo cumprida. Com muita ação e em direção perfeita de Carlos Lavor, a representante do Haras do Morro saiu da pista com a vitória. Em terceiro chegou Super Bold, com João da Jandinha e New Emperor completando o placar remunerado. 

    Filha de Pioneering e Royal Cause (Giant's Causeway), a alazã é de criação e propriedade do Haras do Morro. Foi apresentada por Luis Esteves e assinalou 57"08 para os 1.000metros na pista de grama pesada. Esta foi a sétima vitória - terceira na esfera clássica - de Penélope Charming em 17 atuações. 

    ASSISTA O PROGRAMA TURFE NA CIDADE DESTE DOMINGO: 

  • Copa dos Criadores

    Oito nomes interessantíssimos na Copa ABCPCC Regional 2020

    Foi divulgada na tarde de hoje a lista de pré-inscritos para a Copa ABCPCC Regional (Listed). Com oito animais, está - a princípio - confirmada a bolsa de R$ 70 mil, sendo R$ 30 mil ao primeiro colocado. 

    Nomes conhecidos estão na lista. Os campeões da Taça de Cristal deste ano, Fera do Manno e Fuego Enlas Patas estão inscritos. Ambos são de criação do Stud Itaara e de propriedade de Alberto Tiellet Miorim.

    Outro nome forte é Comet Winner, do Dr. Deuclides Gudolle (Stud D.P.Gudolle). Na última, depois de fazer um quarto a 2 1/2 corpos correndo a prova inteira destribado, venceu "aos esbarrões" e é muito cotado para vencer. 

    O Stud Duplo Ouro contará com uma parelha. Estão pré-inscritos Campeão D'América e Tomo I Obligo. O irmão materno de Nantucket, vencedor da Copa ABCPCC Velocidade (G3), também está inscrito. Ele se chama Oakland Bay e defenderá as cores do Stud Mikael. 

    Limoncello, do Haras Springfield, correrá uma prova homônima antes de embarcar para o Rio Grande do Sul, o Clássico ABCPCC (Listed), na próxima quinta-feira (23), no Hipódromo do Tarumã. Completa o campo da prova Quick Gold, que defende as sedas grená e branco do Stud Casablanca. 

    A segunda parcela do ADDED será aveia até a próxima sexta-feira, dia 24. A prova acontece no dia 31 de julho, no Hipódromo do Cristal.

  • Turfe

    Copa ABCPCC Regional pode pagar R$ 70 mil de bolsa

    (Foto: Site JCSP por Porfirio Menezes)

    Encerrando o Festival da Copa dos Criadores, no próximo da 31 de julho teremos a Copa ABCPCC Regional (Listed). Ela será realizada no Jockey Club do Rio Grande do Sul. Se confirmadas seis inscrições, a bolsa deve chegar a R$ 70 mil, sendo R$ 36 mil ao primeiro colocado. 

    Disputada em 1.600 metros na areia, a prova vem sendo realizada desde 2010 em regime itinerante no Hipódromo do Cristal e Hipódromo do Tarumã. Neste formato, diversos bons animais já despontaram para o turfe nacional após esta prova. 

    Três exemplos são Campelanda, Mestre do Iguassu e Átila The King, que no ano passado disputaram a prova no Tarumã. O vencedor, Campelanda, recentemente venceu o Grande Prêmiio Presidente José Cerquinho de Assunção (G3). 

    O segundo colocado na prova que aconteceu no início de julho do ano passado, Mestre do Iguassu, foi o grande candidato à Tríplice Coroa Paulista em 2019, vencendo o Grande Prêmio Ipiranga (G1) e o Grande Prêmio Jockey Club de São Paulo (G1). Fez forfait no Grande Prêmio Derby Paulista (G1).

    E por falar em Derby Paulista, tivemos um vencedor desta tradicional prova também ganhando a Copa ABCPCC Regional (Listed) em 2017, o castanho Galope Americano. Que após dar um show no Grande Prêmio 14 de Março foi exportado. Depois de correr nos Estados Unidos e na França, hoje ele cumpre campanha clássica na Rússia. 

    Por fim, outro animal de destaque e que correu a Copa ABCPCC Regional (Listed) no ano passado, foi Átila The King, vencedor do Grande Prêmio Governador do Estado (G2) e da Copa dos Campeões (G2). Vale lembrar que o alazão perdeu o Grande Prêmio Ipiranga (G1) por diferença mínima. 

    Enfim, se você quer ver seu animal brilhando também no futuro, inscreva-o para esta prova até a sexta-feira (17), quando vencerá a primeira parcela do ADDED. O valor total é de R$ 2.200,00, sendo que a primeira parcela é de R$ 660,00. O pagamento deve ser feito na conta da ABCPCC e o comprovante enviado. Para mais informações entre em contato com o Kelvin no kelvin@studbook.com.br

    ASSISTA O RESUMO APOSTA TURFE DO FIM DE SEMANA:

  • Turfe

    Grama verde e em abundância

    Dentre tantas notícias ruins a respeito desta pandemia que, além de seifar mais 60 mil vidas só no Brasil, ainda está paralizando o comércio e levando todos a bancarrota. Parece até fútil em um momento tão complicado "comemorar" algo tão abstrato. Porém, o tempo é de propagar boas novas. 

    E uma delas é a pista de grama do Hipódromo do Tarumã, localizado na Avenida Victor Ferreira do Amaral, em fente ao antigo Estádio do Pinheirão. Lendo uma primeira vez sobre o assunto, os mais leigos com certeza não irão entender o tamanho da conquista. Entretanto, ela é enorme. 

    O dinheiro da obra deve chegar até o fim do ano, quando forem substituídas as cercas e a iluminação for modelada, em um milhão de reais. E esse dinheiro não veio das apostas ou de algum financiador, muito menos do Governo do Estado do Paraná ou Prefeitura de Curitiba. 

    Mesmo o Jockey Club do Paraná se aproximando dos 150 anos, dinheiro público não faz parte da pauta do governo ou cidade. Muito pelo contrário, a cada ano o IPTU vem maior e a dificuldade para negociá-lo é enorme. 

    O dinheiro veio de apaixonados pelo turfe e, principalmente, pelo Jockey Club do Paraná. Foram feitos leilões beneficentes de coberturas por dois anos. Também foi feita uma rifa de um carro zero quilômetro, além de um leilão de potros no ano passado, em que dez criadores doaram seus animais. 

    É óbvio que também tivemos doações, a maior delas da Associação dos Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida do Paraná. Tudo para realizar o impossível: viabilizar em uma capital que tem o clima mais frio do país, uma pista de grama plantada sob a areia que lá antes existia. 

    Enfim, algo surreal que hoje está se transformando em palpável. De uma vista panorâmica, é emocionante ver a relva verde na totalidade da pista interna, que antes servia para trabalhos e agora promoverá provas que nunca aconteceram, desde o antigo Prado Jacome. Provas em pista de grama no Jockey Club do Paraná. 

    Entenda o projeto: 

    Devido ao clima curitibano, a grama quicuio foi a escolhida por engenheiros agronônomos contratados para estudar a viabilidade. Porém, antes mesmo de começarem as obras na raia interna, utilizada para treinos de potros e onde se encontrará a pista de grama, teve que ser construída uma pista para substituí-la. 

    E assim foi feito. Hoje o Tarumã conta com uma raia de 1.200 metros, com a uma variante que aumenta a distância para trabalhos, semelhante ao que existe nos centros de treinamento da serra carioca. A cerca é feita de PVC, grande aliada dos profissionais em caso de acidentes. 

    Depois desta etapa ser concluída, começou em janeiro deste ano o plantio das primeiras mudas, na reta de chegada. Era até engraçado ver no começo algumas mudas lutando contra o sol escaldante do verão, cercadas por vastos espaços de terra. Porém, nenhuma planta cresce sem ser regada. E foi instalado um moderno sistema de irrigação para que a relva turfística crescesse. 

    Hoje, após muito trabalho e união de muitos, a grama está visível e grande em boa parte da pista. A tendência é que a mesma cresça e sofra uma poda, até que seja inaugurada em dezembro, quando acontecerão as festividades do Grande Prêmio Paraná. 

    Ainda faltam algumas adequações, como a substituição da cerca, que hoje é ainda a mesma de décadas, feita de madeira e que oferece risco mortal aos animais e aos jóqueis em caso de colisão. A iluminação também terá que ser adequada, uma vez que quando o hipódromo voltar a receber público, as corridas que agora estão sendo realizadas a tarde voltarão a ser noturnas. 

    Enfim, é "o sonho dos sonhos" se realizando. Como dito acima, parece algo fútil para os leigos. Contudo, para quem ama o turfe, chega a "arrepiar" ver o velho e amado Hipódromo do Tarumã com uma pista de grama. Sonho de muitos e hoje uma palpável realidade. 

  • Tarumã

    Corridas são adiadas devido a novo decreto municipal/estadual

    (Foto: Site JCPR por Felipe Neves)

    Parece que o comportamento da população da cidade de Curitiba novamente irá atrapalhar o turfe paranaense. Depois de realizar duas reuniões turfísticas após a primeira paralisação das corridas, agora o Jockey Club do Paraná teve que adiar as carreiras que aconteceriam no dia 09 de julho. 

    A alteração da data se deve ao novo decreto de fechamento de estabelecimentos e clubes, no qual apenas as empresas consideradas de "serviço essencial" poderão exercer suas funções. No caso, clubes esportivos e de lazer voltam a ter suas atividades proibidas. 

    Neste caso, mesmo sem causar aglomerações, uma vez que as corridas vêm sendo realizadas de portões fechados, o Jockey terá que aguardar os 14 dias da nova medida impetrada primeiramente pelo Governo do Estado do Paraná, e que foi prontamente atendida pela Prefeitura Municipal de Curitiba, que divulgou novo decreto semelhante na noite de ontem.

    Curitiba é uma das poucas cidades das sete regiões em que o decreto se aplica, que concordou 100% com os termos dos mesmos. Nas regiões de Cornélio Procópio, Londrina, Cascavel e Foz do Iguaçu, os prefeitos já acenaram pela possibilidade de flexibilizar estas medidas. 

    Sendo assim, corridas no Tarumã agora só no dia 22 de julho. A nova data foi escolhida devido ao próprio governador Carlos "Ratinho Jr" Massa, ter dito em entrevista coletiva que os 14 dias podem ser estendidos para 21 dias. 

    Incredulidade e irresponsabilidade da sociedade:

    Os alertas sobre a pandemia que assola o mundo e que já matou centena de milhares de pessoas vêm sendo feitos pela Organização Mundial de Saúde desde fevereiro. Porém, parece que o povo brasileiro ainda não acredita do poder letal que o Covid-19 possui, mesmo com o país chegando às 60 mil mortes e 1,4 milhões de casos. 

    Curitiba e região começaram bem, obedecendo a quarentena imposta em março. Contudo, devido ao isolamento social e a utilização de máscaras em locais públicos, os números baixos de contágios e principalmente de mortes deram uma certa sensação de incredulidade nas pessoas. 

    Achando que o Covid-19 era uma "invenção da impresna", assim como muitas pessoas de péssima índole começaram a divulgar "criminosamente", muitos se deixaram levar e começaram a retomar suas atividads sociais. Um complexo gastronômico chamado Marcado Sal, chegou a realizar um show de pagode, reunindo centenas de pessoas sem máscaras e se aglomerando. 

    Além disso, o "afrouxamento" dos cuidados com o novo coronavírus por parte da sociedade curitibana passa muito pela ignorância, independente da classe social. Já tivemos um empresário da região metropolitana sendo réu por co-autoria em um homicídio de uma funcionária de um supermercado, única e exclusivamente porque entrou em confronto armado com um segurança que não lhe permitia adentrar o estabelecimento sem máscara. 

    Na cidade de Curitiba, onde fica o Jockey Club do Paraná, a discrepância de pessoas circulando com e sem máscaras de proteção é mínima. Ainda existem as pessoas que usam a máscara de forma errada, desprotegendo o nariz e por vezes a boca, não tendo utilidade nenhuma. Vale lembrar que aglomerações no entorno de parques e as "festas candestinas" continuam acontecendo na capital paranaense. 

    Devido a todos estes fatos, o levantamento da prefeitura aponta para uma lotação de UTIs destinadas a pacientes do Covid-19 em quatro hospitais da capital. Cruz Vermelha, Erasto Gaertner, Santa Casa e Evangélico Mackenzie, que ficam em Curitiba, estão com 100% dos leitos exclusivos de UTI reservados para Covid-19 ocupados, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa).

    Com isso, veio a restrição estadual compartilhada pela Prefeitura Municipal. Todo esse "combo" de irresponsabilidade agora chega no mercado do turfe, uma vez que novamente os profissionais, os proprietários e o clube (os shoppings voltaram a fechar) serão prejudicados com este adiamento. 

    Caso Curitiba não saia desta situação, chamada de "Bandeira Laranja" até a segunda metade do mês de julho, provavelmente a reunião do dia 22 também não acontecerá. Resta agora a população - e a comunidade do turfe - fazer sua parte para que as paralisações em outras praças também não voltem a acontecer. 

  • Copa ABCPCC Clássica

    Pimper's Paradise dá um show na Copa ABCPCC Clássica

    Uma carreira marcante. É isso que podemos dizer do Grande Prêmio Copa ABCPCC Clássica - Mathias Machline (G1) desse ano. Mesmo sem público, o festival encantou a todos e a principal carreira do dia teve fatos marcantes.

    O primeiro deles é que, com a vitória do castanho Pimper's Paradise, o Haras Doce Vale repete o êxito do ano passado. O mesmo acontece com o jóquei Wesley Cardoso e com o treinador Venâncio Nahid. 

    Outro marco importante foi a facilidade da vitória, mesmo com Pimper's Paradise reaparecendo após 3 meses e de uma corrida na Argentina. Realmente impressionou como o castanho foi superior aos demais. 

    Na partida Head Office foi para a ponta, acompanhado por Bavaro Beach. Campelanda vinha na terceira colocação, com Eron do Jaguarete por dentro em quarto e os demais a seguir. 

    Veio a curva e Bavaro Beach forçou para assumir a primeira colocação, porém o cavalo embrabeceu e não fez a mesma muito bem, abrindo. Head Office ainda tentava manter a ponta, porém com muita facilidade Pimper's Paradise já assumia as primeiras colocações.

    E foi questão de tempo até que ele dominasse todos os adversários e viesse fácil para mais uma vitória, demonstrando incrível supremacia perante os adversários. Na segunda colocação a 5 3/4 corpos chegou Mstraubarry, com Olympic Impact, Noblesse You e Head Office a seguir. 

    Filho de Put It Back e Bye Bye Caroline (Royal Academy), Pimper's Paradise é de criação e propriedade do Haras Doce Vale. Foi apresentado por Venâncio Nahid e assinalou 2'01"596 para os 2.000 metros. Pela maneira que conquistou a vitória, já é o favorito para o Grande Prêmio Brasil (G1), que acontece em setembro. 

  • Cidade Jardim

    Nantucket voa por fora e vence a Copa ABCPCC Velocidade

    Em uma prova de velocidade no nível do Grande Prêmio Copa ABCPCC Velocidade - Mario Belmonte Moglia (G3), qualquer centésimo ajuda. Então uma boa largada pode significar a vitória ou derrota de um animal. 

    Porém existem exceções, estas que ficam marcadas com um "sabor especial" de superação. Hoje foi um dia desses. Após largar mal e sobrar para último nos primeiros metros, Nantucket venceu um páreo de cinema, vindo buscar Gata Y Flor nos últimos metros. 

    A largada não foi ruim apenas para Nantucket. Takashi e Jack Up se chocaram logo após o larga, assim como se atrasou também Icelandic. Sem ter nada a ver com isso, a única fêmea do páreo pôs o pé na estrada e assumiu a primeira colocação. 

    Desde então vários animais tentaam alcançá-la. O primeiro foi Tácio, que depis foi seguido por Ulrich Ralph e também por Jack Up. Zeferino Moura Rosa tirou Nantucket pelo externo da pista, bem colado a cerca e começou a avançar para uma atropelada sensacional. 

    E isso aconteceu nos cem metros finais, quando o alazão começou a avançar até dominar Gata Y Flor nos derradeiros metros, e uma vitória simplesmente espetacular. Na terceira colocação chegou Jack Up, com No Way José e Ulrich Ralph completando o placar. 

    Filho de Tiger Heart e Hyannis (Setembro Chove), Nantucket é de criação do Stud Standford e de propriedade do Stud Mikael. Ele foi apresentado por Julio Cesar de Moura Rosa e assinalou 55"368 para os 1.000 metros na pista de grama pesada. 

  • Cidade Jardim

    Dashing Court vence a Taça de Prata com extrema facilidade

    Quem corre contra Dashing Court tem apenas a oportunidade de ver sua dianteira até a hora da largada. Após isso, apenas o lombo, cada vez mais distante. 

    No Grande Prêmio João Adhemar de Almeida Prado - Taça de Prata (G1), não foi diferente de suas quatro atuações. Largou, tomou a ponta sem esforços e na reta final "brincou" de correr contra os adversários. Adversários não, "demais concorrentes". Afinal, o filho de Courtier ainda não teve adversários no Brasil. 

    Ele largou e assumiu a ponta, livrando dois corpos para Novo Sol e Zabar's. Assim veio, sempre com Vicente Paiva "em pé" no dorso do craque. Nada mudou até a entrada da reta, inclusive a postura de seu jóquei. 

    Até 300 finais, Paiva continuava "em pé" no castanho, enquanto o resto da tropa brigava para tentar descontar terreno. Ali, na seta dos 300 finais, seu jóquei deu a partida para ele novamente dividir a raia. 

    Em segundo chegou Oberyn, em ótima atropelada. Depois chegaram Novo Sol, Zabar's e Ripped Jeans. 

    Dashing Court é um craque. Venceu em 700 metros a seletiva e a final do Grande Prêmio Turfe Gaúcho. Venceu em 1.000 metros na grama, em 1.500 metros na grama leve e hoje na grama pesada. Se colocar no asfalto, com certeza vai correr para recorde. Disparado o melhor potro do Brasil.

    Filho de Courtier e Alta Floresta (Teton Forest), Dashing Court é de criação e propriedade do Haras Cima. Foi apresentado por Olívio Zélio Zantedeschi e assinalou 1'37"161 para os 1.600 metros na pista de grama pesada. 

  • Cidade Jardim

    In Society leva a Taça de Prata em chegada espetacular

    A Taça de Prata sempre fica marcada por finais de arrepiar. E a versão das fêmeas deste ano, o Grande Prêmio Margarida Polak Lara (G1), ficará marcado pela linda condução de Marcos Ribeiro. 

    Com seis competidoras, a prova contava com o favoritismo de Got Court, do Haras Cima. Contudo, a representante do Bet Gold Stud, In Society, comprovou a franca evolução e colocou seu nome na história da tradicional prova. 

    Life Is Beautiful largou e assumiu a primeira colocação, acompanhada de Allister. A potranca do Haras Springfield dominou a carreira até a segunda metade da grande curva, quando era acompanhada de muito perto por Got Court. Oasys e Allister vinham a seguir, com In Society na quinta colocação. 

    Veio a reta final e uma ótima disputa. Life Is Beautiful e Got Court brigavam na ponta, quando Allister por fora acabou dominando a carreira. E aí Marcos Ribeiro mostrou porque é um dos melhores jóqueis do país.

    Ele trouxe In Society pela baliza 1 a reta inteira, esperando a tão sonhada passagem. Com as adversárias cansando, ela veio passando uma a uma, até alcançar Allister. 

    Depois de uma disputa linda conta a alazã do Stud Eternamente Rio, In Society dominou a carreira em uma vitória memorável. Na terceira colocação chegou Life Is Beautiful, com Got Court e Che Bella Martini a seguir. 

    Filha de Put It Back e Cinderela Joy (Van Nistelrooy), In Society é de criação do Haras Santa Maria de Araras e de propriedade do Bet Gold Stud. Foi apresentada por Antenor Menegolo Neto e assinalou 1'38"989 para os 1.600 metros na pista de grama pesada. 

  • Tarumã

    Conheça os campeões das estatísticas da temporada 2019/2020

    (Foto: Site JCPR por Felipe Neves)

    Na tarde de ontem (18) se encerrou mais uma temporada turfística no Jockey Club do Paraná. Em um ano atípico, que as corridas foram paralisadas por dois meses devido a pandemia do Covid-19, a disputa teve muita emoção durante a tarde de ontem.

    A maior surpresa foi a vitória de Antenor Menegolo Neto entre os treinadores, já que ele estava três vitórias atrás de Ademar de Barros Pereira. O treinador curitibano venceu três provas, incluindo o Clássico Derby Paranaense (Listed), empatando com Ademar. Levou no primeiro critério de desempate, o número de colocações. 

    Entre os jóqueis, a disputa maior foi pela segunda colocação. Valmir Rocha alcançou o tetracampeonato ao vencer com Lionel The Best, completando 21 vitórias na temporada. André Luis Silva, que estava na segunda colocação até o início da reunião, conseguiu manter o "placê" por uma colocação a mais, já que Vicente Paiva venceu duas ontem. 

    Entre os proprietários deu Stud Ajato, do Pedro Kuchacki. Chegando com duas vitórias de vantagem para diversos Haras/Studs, viu o Haras Springfield se aproximar. Porém, no último páreo da programação uma dobradinha de Piston Negro e Inspetor Fong selou o título inédito. 

    Nas estatísticas de criadores a vitória ficou com o Haras Ponta Porã, por diferença de seis vitórias. Entre os avôs maternos a vitória ficou com Put It Back, que estava empatado com Torrential e Choctaw Ridge. 

    Por fim, entre os reprodutores o vencedor foi Midshipman, que inclusive teve um filho seu vencendo o Clássico Derby Paranaense (Listed), o cavalo Kopenhagen. Entre os animais em campanha, por uma colocação o animal El Poker se sagrou campeão, deixando Frozen no segundo posto. 

    A próxima reunião do Jockey Club do Paraná está pré-agendada para o dia 09 de julho. Vale sempre ressaltar que as corridas estão acontecendo sem público e seguindo as normas sanitárias da Prefeitura Municipal de Curitiba.

  • Derby Paranaense

    Show de Kopenhagen no Clássico Derby Paranaense

    Sem dúvidas o grande nome do turfe paranaense nesta temporada foi Kopenhagen, castanho de criação e propriedade do Haras Springfield. 

    Depois de vencer a Pegasus Brasil, prova com maior dotação do turfe paranaense e também levar a Prova Especial Ney Braga, o filho de Midshipman acaba de vencer com extrema autoridade o Clássico Derby Paranaense (Listed), principal atração de hoje. 

    Na partida quem buscou a ponta foi Itambé, que corria de parelha com Isnar. Em segundo vinha Kopenhagen, seguido de Standship, Lixivia e Isnar. Assim cruzaram a curva do Pinheirão. 

    Veio a reta oposta e Itambé juntamente com Kopenhagen tiraram cerca de dez corpos para Standship, que corrria em terceiro. Em quarto vinha Lixivia, com Isnar lhe acompanhando de perto. Na grande curva Standship melhorou bastante. 

    Na reta final Itambé cansou, com Kopenhagen assumindo definitivamente a ponta. Standship assumiu a segunda colocação, porém sem ação para assustar o ponteiro. Então eis que colado a cerca externa surgiu Lixivia, que com muita ação fez Michel Platini voltar a reacionar Kopenhagen, que já estava desarmado. 

    No fim, uma distância de dois corpos, que seria muito maior se o castanho tivesse sido exigido a fundo. Na terceira colocação chegou Standship, com Isnar e Itambé completando o placar. 

    Filho de Midshipman e Left Handed (Vettori), Kopenhagen é de criação e propriedade do Haras Springfield. Foi apresentado por Antenor Menegolo Neto e foi pilotado pelo ótimo Michel Platini. Esta foi a sexta vitória (terceira clássica, sem contar a Pegasus Brasil) em 13 saídas. 

  • Turfe

    Sem público: Jockey encerra temporada na tarde desta quinta-feira

    (Foto: Erick Cunha)

    Devido ao pequeno índice de contato entre pessoas, o turfe foi o primeiro esporte a voltar às atividades em todo o Brasil. E o Jockey Club do Paraná realiza sua segunda reunião turfística pós-coronavírus com os portões fechados na tarde de hoje (18). 

    Sem público e com todas as medidas de distanciamento e higienização pedidas pela Prefeitura Municipal de Curitiba, o centenário clube de corridas realiza oito páreos a partir das 13 horas. As apostas serão captadas pela internet e pelos telefones do TeleTurfe. 

    Em destaque o Clássico Derby Paranaense (Listed), principal prova para animais de 3 anos do Paraná. Cinco animais estão inscritos, sendo que dois deles contam com vitórias na esfera clássica e um em Prova Especial. 

    Kopenhagen, que vem de vitória no Clássico Delegações Turfísticas (Listed) em São Paulo, em uma marca que se aproximou muito do recorde, deve ser o preferido das apostas. Lixivia, que venceu recetemente uma prova de Grupo 2 em Cidade Jardim também levará muita esperança de seu staff. 

    Completam o campo da prova Standship, um dos favoritos na segunda edição da Pegasus Brasil e que recentemente foi vendido para o Stud São José dos Bastiões, e também a parelha Isnar e Itambé, sempre muito respeitados. 

    Além dessa prova, a atração fica pelo encerramento da temporada e a disputa pelas estatísticas. Entre os jóqueis destaque para Valmir Rocha, que pode alcançar o tetracampeonato consecutivo. Entre os treinadores a disputa está entre Ademar de Barros Pereira e Julio Cesar de Moura Rosa. 

    Ainda temos a disputa entre os proprietários, no qual o Stud Ajato conta com duas vitórias à frente de diversos proprietários tradicionais. Entre os criadores o Haras Ponta Porã já é campeão. 

    Medidas sanitárias: 

    Antes que a prefeitura liberasse as corridas no Jockey Club do Paraná, diversas medidas foram adotadas. Os profissionais terão - assim como foi na reunião do mês passado - sua temperatura medida antes das provas, terão de usar máscaras e ficarão distanciados uns dos outros. 

    Somente os profissionais envolvidos nas corridas, assim como os profissionais que farão a transmissão poderão adentrar o clube. Eles estarão isolados e com toda a proteção possível (máscaras, álcool em gel, medição de temperatura e distanciamento), tudo para garantir segurança aos envolvidos. Vale ressaltar que todas as grandes praças do Brasil estão realizando corridas. 

    Onde assistir e apostar: 

    Você pode assistir as corridas pelo canal 188 da Net/Claro em Curitiba, assim como também nos canais ddo YouTube da TV Turfe e do Jockey Club do Paraná. As apostas podem ser feitas por telefone mediante cadastro, ou pelo site apostas.jcb.com.br. Os telefones para cadastramento e apostas são: 41 3075-2123, 3075-2133, 3075-2111 e 3075-2112. 

    Indicações: 

    1° Páreo: n°02 - Nono do Iguassu / n°01 Briyan Dollar

    2° Páreo: n°06 - Junior School / n°07 - Indian Heart

    3° Páreo: n°02 - Parelha 02 / n°06 - Caribean Storm

    4° Páreo: n°10 - Master Chef / n°06 - Treetop

    5° Páreo: n°02 - Kopenhagen / n°03 - Parelha 03

    6° Páreo: n°06 - Negro Furioso / n°07 Well Malo

    7° Páreo: n°01 - Parelha 01 / n°04 - Parelha 04

    8° Páreo: n°10 - Parelha 10 / n°04 - Question Time

    ASSISTA O TOP 5 DO DERBY PARANAENSE:

  • Turfe

    Grande Prêmio Paraná é transferido para dezembro

    (Foto: Porfirio Menezes)

    No fim da tarde de ontem (16), foi divulgado pelo Jockey Club Brasileiro um boletim no mínimo "inusitado". O tradicional clube carioca transferia a data do Festival do Grande Prêmio Brasil da primeira semana de agosto para a última de setembro. 

    Até aí tudo bem, claro, se esta não fosse a data do Festival do Grande Prêmio Paraná, anunciada junto com o calendário clássico do Tarumã em novembro de 2019. Logo, a revolta entre os turfistas foi enorme, afinal, em um turfe combalido um conflito de datas desta magnitude se torna absurdo. 

    Porém, alguns ainda evitavam formar opinião. Talvez a direção do Jockey Club Brasileiro já tivesse alinhado algo com o Jockey Club do Paraná, faltando apenas a divulgação da nova data da festa paranaense. Contudo, foi apurado pelo jornalista Marcos Rizzon (Jornal do Turfe, Turfe na Cidade e Turfe em Alto Estilo) que o presidente Roberto Belina não sabia do ocorrido, e que ele já estava em contato com Luiz Alfredo Taunay, presidente do JCB.

    A introdução desta notícia - a alteração da data do GP Paraná 2020 - é tão grande devido a falta de organização apresentada pela entidade carioca. E o motivo é simples: ao ser questionado pelo presidente Belina, o mandatário carioca lhe pediu desculpas por "não saber que o festival paranaense aconteceria naquela data".

    Algo que chama a atenção, uma vez que o próprio JCB reserva a data e não realiza corridas no dia do Grande Prêmio Paraná. Segundo fontes, o presidente do Jockey Club Brasileiro irá apurar os responsáveis pela "desinformação" a respeito do tema que causou este "furor" no meio turfístico na noite de ontem. 

    Solução: 

    Segundo o Presidente Belina, o Presidente Taunay ofereceu a mudança de data para não atrapalhar o turfe paranaense. Entretanto, até para "flertar" com a possibilidade de público no Jockey Club do Paraná no dia do festival, o Grande Prêmio Paraná terá sua data alterada para o dia 06 de dezembro, quando será corrida também a Pegasus Brasil. A data contemplará a inauguração da pista de grama do Jockey Club do Paraná. 

    "O que aconteceu foi um equívoco", comentou o Presidente Roberto Belina a nossa reportagem. "Nós ficamos sabendo e logo após entrarmos em contato com a diretoria do Jockey Club Brasileiro, eles se mostraram profundamente chateados com o acontecido e na hora já nos garatiram que a respectiva data era do Jockey Club do Paraná, se oferecendo para buscarem outra no calendário."

    "Porém, após breve conversa com nossa diretoria, ficou estabelecido que em dezembro teríamos uma gama maior de possibilidades. É o nosso aniversário, teremos chances maiores de realizar o festival com presença de público e poderemos dar um ou dois páreos na nova pista de grama, o que provavelmente não seria possível em setembro. Então comunicamos nossa decisão a diretoria do JCB. Nossa relação de profundo respeito mútuo continua a mesma, já que sabemos que equívocos acontecem. Agora, o Festival do GP Paraná será no nosso aniversário", completou o Presidente Belina.

    Sendo assim, o Festival do Grande Prêmio Brasil acontecerá em setembro, nos dias 26, 27 e 28. A diretoria carioca espera poder contar com a presença de público nesta data, uma vez que o Prefeito do Rio de Janeiro anunciou um calendário em que eventos esportivos a partir de 1° de agosto poderão ter público. Claro, isso é algo que pode mudar a cada momento devido o crescimento ou achatamento da "curva" de infectados pelo Covid-19. 

    ASSISTA O PÁREO DA SAUDADE: GP PARANÁ 1990.

  • Gávea

    Com passagem cinematográfica Nordstorm vence principal carreira de hoje

    Hoje tivemos no Hipódromo da Gávea a realização do Clássico Jockey Club de São Paulo (Listed), em 1.000 metros na pista de grama. E a chegada foi extremamente emocionante. 

    Contando com dez animais na pista (Harrad Summer fez forfait), a quinta carreira da programação começou com Brutus se destacando, mesmo perdendo uma fração de tempo ao pular a passagem. 

    Na segunda colocação corria Demagogo, com Flocos de Amor e Hang Loose a seguir. No fim da variante Demagogo se aproximou de Brutus, começando a dar carga em busca da primeira colocação. 

    Porém, Marcelo Gonçalves ainda guardava a ação final de Brutus, enquanto o representante do Stud Eternamente Rio já vinha sendo exigido. Até os 300 metros finais o cavalo do Haras Rio Iguassu era o dono da prova. Contudo, dois animais que vieram do meio do lote decidiram o páreo. 

    Trazida por fora, Penelope Charming começava a descontar do ponteiro. No entanto, em uma passagem simplesmente espetacular rente a cerca interna, Bruno Queiroz trouxe Nordstorm para dominar Brutus. 

    Penelope Charming ainda conseguiu chegar para disputar a vitória, mas o castanho do Haras Nacional manteve cabeça de vantagem. Na terceira colocação finalizou Brutus, que corria pela primeira vez na grama. Completaram o placar Demagogo e Raquel's Story. 

    Filho de Glória de Campeão e Classic Rápida (Dodge), Nordstorm é de criação e propriedade do Haras Nacional. Foi apresentado por Marcos Aurelio e pilotado por Bruno Queiroz. O tempo foi de 55"74 para o quilômetro gramado. 

    ASSISTA O PROGRAMA TURFE NA CIDADE DE HOJE: