• Surfe

    Curitibano vence etapa do mundial na Califórnia

    Curitibano vence etapa do mundial na Califórnia
    Yago Dora venceu na Califórnia (Foto: Divulgação WSL)

    O curitibano radicado em Santa Catarina Yago Dora venceu uma das etapas mais icônicas do circuito mundial. A Vans US Open of Surfing, válida pela WSL Qualifying Series, era o segundo QS que valia 10 mil pontos no campeonato mundial. 

    Dora também disputa as etapas da Jeep Leaderboard do Championship Tour, a "primeira divisão" do surfe mundial. Porém, ele estava fora dos 22 atletas que garantem a classificação para o Championship Tour do ano que vem. 

    Agora, com a vitória nas ondas onde Kelly Slater e outros nomes icônicos começaram a surfar, Huntington Beach, o brasileiro pulou para a quarta colocação no Qualifying Series. Este campeonato garante 10 atletas no CT do ano que vem. 

    Ontem foram disputadas as semifinais, e Dora teve que derrotar um outro brasileiro para chegar à grande final. O paulista Alex Ribeiro vem sendo a grande revelação da temporada e Dora teve que abusar dos aéreos para vencê-lo.  

    Yago começou muito bem na bateria da semifinal, emplacando uma nota 7. Ainda conseguiu mais uma nota 7.77 e liderava com muita vantagem. Porém, nos minutos finais, Ribeiro reagiu e por muito pouco não eliminou o curitibano. Sua nota 9,33 foi a melhor do dia. Dora passou com 14.77 contra 14.16 do paulista. 

    O favorito da segunda semifinal era Griffin Colapinto, local de Huntington Beach e que disputa o Championship Tour. Contudo, o australiano Liam O'Brien derrotou-o e chegou à final contra Yago Dora. 

    A bateria final começou muito parelha, com Dora e O'Brien conseguindo boas ondas (7.43 contra 7.67). No entanto, esta foi a única onda boa do australiano, enquanto o brasileiro deslanchou ao emplacar uma nota 8.60 que lhe garantiu o titulo. 

    "É uma sensação incrível e estou muito feliz, pois esse é o melhor resultado da minha carreira", disse Yago Dora, logo após sair do mar. "Desde o início do evento, eu senti que poderia ter alguma coisa especial pra mim aqui. E vi vários sinais hoje (domingo), como aquela bateria (contra o francês Jorgann Couzinet) que virei no final. Isso me deixou mais motivado ainda e estar no topo agora, com a vitória nesse evento gigante, é incrível, quase inacreditável."

    Após a etapa da Califórina o francês Jorgann Couzinet é o novo líder, seguido pelo potiguar Jadson André e pelo paulista Alex Ribeiro. Yago Dora está na quarta colocação. Seu melhor resultado no ano havia sido um vice-campeonato no Oi Hang Loose Pro Contest, em Fernando de Noronha. 

  • Jeffrey's Bay

    Medina dá show em final brasileira na África do Sul

    Medina dá show em final brasileira na África do Sul
    Final brasileira na África do Sul (Foto: Divulgação WSL)

    Uma final histórica em Jeffrey's Bay. Os brasileiros Ítalo Ferreira e Gabriel Medina pintaram de verde e amarelo as ondas sul-africanas na manhã de hoje (19). E um detalhe chamou a atenção dos fãs. Há décadas não acontecia uma final entre dois "goofies" - base trocada - em uma onda que quebra para a esquerda. 

    Os brasileiros não deixaram nada a desejar. Ao contrário, uma final digna de ficar marcada. Tanto Ítalo Ferreira quanto Gabriel Medina deram um verdadeiro show em J-Bay. No final, após um duelo até os últimos segundos, vitória de Medina com quase toda a totalidade dos pontos possíveis.

    Ítalo Ferreira vinha embalado de uma grande semifinal contra Filipe Toledo. Então em sua primeira onda ele conseguiu uma notaça! Já na primeira batida ele foi até o lip da onda, sendo completamente vertical. Em sequência batidas e cut backs, com mais uma batida gigante na junção que lhe garantiu um 9.10.

    Depois de duas ondas desperdiçadas, Medina conseguiu uma onda gigante. Ele aproveitou de maneira diferente de Ítalo. Ao invés de forçar diversas batidas, Medina buscou os picos da onda. Com um final espetacular, misturando uma batida com uma rasgada lá no lip, impressionando todos os juízes. A nota, como não poderia ser diferente, foi um 9.73.

    Ferreira conseguiu logo a seguir uma nota 5.50, que lhe dixou novamente na liderança (total de 14.60). Gabriel trabalhava por uma nota 4.87 para vencer a etapa de J-Bay. A maré encheu um pouco, prejudicando a qualidade das ondas. Mesmo assim, ainda teve mais emoção nos 10 minutos finais. 

    Ítalo conseguiu mais uma onda muito boa. Ela apareceu muito grande, onde ele começou com uma batida. Depois de ver enchê-la, esperou o inside para que ela crescesse. Isso aconteceu e, depois de mais uma rasgada, o brasileiro conseguiu uma finalização muito boa na junção. Os juízes deram 7.67. 

    Precisando de um 7.07 para vencer, Medina mostrou porque é o atual campeão mundial. Entrou em uma onda considerada pequena com uma batida, logo após emendou um floater espetacular e mais uma rasgada, esperando que a onda chegasse no inside.

    Quando todos pensavam que ele iria buscar uma batida na junção, Medina emplacou um tubo espetacular, onde ele entrou, saiu e entrou novamente no tubo. O dez só não veio porque os juízes não quiseram. A nota foi um 9.77, somando 19,5 pontos de 20 possíveis e lhe dando o título.

    Ainda na água, para o repórter Strider, da WSL, Gabriel falou sobre esta virada nos minutos finais:

    "É muito difícil ganhar este campeoato. Realmente não estava esperando vencer aqui. Tudo isso começou com minha vitória em cima do Ryan Kelly. Este foi um campeonato de viradas. Nada é impossível, temos que acreditar até o fim. Eu acreditei e acabei vencendo."

    Semifinais insanas: 

    Nas semifinais tivemos três brasileiros e apenas um americano. Kolohe Andino era o "haole" entre os brasileiros Gabriel Medina, Ítalo Ferreira e Filipe Toledo. E ele e Gabriel foram os primeiros a entrar nas gélidas águas de Jeffrey's Bay.

    O americano começou soltando uma boa onda e atingindo a nota 6.50. Medina demorou a encontrar uma boa onda, porém, quando achou-a praticamente resolveu com um 8.07. 

    Andino surpreendeu e conseguiu mais uma boa onda, voltando a liderança (7.50). Medina precisava pelo menos de um 6. E conseguiu! Com muitas batidas e emplacado um mini-tubo no fim da onda, ele derrotou o americano por pequena diferença (14.30 contra 14.00). 

    A segunda semifinal foi espetacular. Filipe Toledo lutava pelo tricampeonato em J-Bay. Ele emplacou uma nota 9.0 depois de dar um show com muitas rasgadas. No final, um floater gigante.

    Filipinho garantiu mais uma nota cinco, que lhe deu 14 pontos no placar. Dali em diante começou o show de Ítalo Ferreira. Ele primeiro colocou uma nota oito com uma onda muito bem aproveitada. Foram diversas rasgadas muito altas, terminando com uma batida espetacular na junção. 

    Com a série muito boa, Ítalo veio novamente e com a maior onda da bateria conseguiu um 9.5. Ela foi muito parecida com a da nota 9 de Filipe, contudo, por ele surfar de base trocada nas esquerdas (sua base é goofy), os juízes o premiaram com um 9.5. Uma bateria insana.

    Classificação e próxima etapa: 

    Com a vitória, Gabriel Medina subiu na classificação do Championship Tour da WSL e está em sétimo. Kolohe Andino agora é o líder, com Filipe Toledo na segunda colocação, John John Florence (que não irá mais competir este ano devido a uma lesão no joelho) em terceiro e Ítalo Ferreira na quarta colocação. 

    Vale ressaltar que os dois brasileiros melhores colocados irão às Olimpíadas. Também é importante dizer que esta classificação tem tudo para mudar, já que ao final das onze etapas as duas piores são descartadas. Se isso acontecesse hoje, Medina estaria na quarta colocação. 

    A próxima etapa acontece do dia 21 de agosto à 1° de setembro, em Teahupo'o, no Taiti. No ano passado quem venceu esta etapa foi Gabriel Medina.

  • Surfe

    Ilha do Mel recebe Circuito Brasileiro neste fim de semana

    Ilha do Mel recebe Circuito Brasileiro neste fim de semana
    (Foto: Fotos: Site Surf Trip)

    A Ilha do Mel terá um fim de semana de muito surfe. A MB Surf Pro 2019, etapa do Circuito Brasileiro de Surf Profissional acontecerá nos dias 13 e 14 de julho, na Praia Grande.

    Com premiações em dinheiro para as categorias feminina e masculina, a etapa deve ser muito movimentada e deverá contar com bons nomes nacionais. 

    Uma ação em parceria com uma ONG fará a limpeza e reciclará todo o lixo da ilha durante este fim de semana, seguindo a linha das campanhas de despoluição dos mares feita pela World Surf League. 

    A bolsa total de premiação total em dinheiro é de R$ 40 mil. A competição também é pautada pela igualdade de gênero entre homens e mulheres na premiação. Em ambas as categorias o prêmio será o mesmo. 

    O campeonato está sendo realizado por Antonio Maninho Barbosa - MB, com apoio da ABRASP - Associação Brasileira de Surf Profissional e da Prefeitura de Paranaguá. 

  • Música

    Noite histórica de punk rock na Sociedade Abranches

    Noite histórica de punk rock na Sociedade Abranches
    Strung Out fez uma apresentação histórica (Foto: Leopoldo Scremin para o Bem Paraná)

    A tradicional Sociedade Cultural Abranches entrou para a história do punk rock curitibano na noite de ontem. Tudo porque Face to Face e Strung Out fizeram dois shows que ficarão na memória de quem foi.

    Em uma reunião que contou com três bandas curitibanas, duas delas que há mais de 13 anos foram sucesso de público em Curitiba, o salão da Sociedade Abranches lotou para ver as duas icônicas bandas que vieram da Califórnia. 

    As bandas curitibanas diviram espaço com o jogo do Brasil pela final da Copa América, que estava sendo exibida em um telão próximo ao palco. Primeiro foi o Hell 2 Play que tocou seu som autoral. 

    Depois foi a vez do Self Defense relembrar seus antigos sucessos. O No Break se apresentou após o jogo do Brasil, tocando seus hits de outrora, com destaque para "Rosas no Deserto", que levantou o público que já estava na casa. 

    Veio um intervalo de vinte minutos começaram os "shows gringos". E o Strung Out fez uma apresentação emblemática. A banda é caracterizada pela qualidade individual de seus integrantes, então um som bem equalizado era fundamental para os espectadores. 

    E isso aconteceu. Com o som praticamente perfeito (diferente das apresentações de 2006 e do ano passado), o Strung Out fez muitos marmanjos se emocionarem ao ouvirem grandes clássicos. 

    No fim, a clássica "Matchbook" encerrou um show que vai ficar na memória de quem estava presente. A banda foi ovacionada antes de deixar o palco. 

    Contudo, o melhor ainda estava por vir. Traver Keith não é mais aquele jovem de outrora, muito menos os outros integrantes da banda. Porém, quando ele soltou o primeiro acorde e viu todo a salão pulando, voltou a ser aquele menino dos anos 90. 

    E o que falar da voz dele? Exatamente igual a todos os álbuns de estúdio do Face to Face. Clássicos foram tocados, tiveram jams com Fernado Badaui (CPM 22) e Jason Cruz (Strung Out) e muita festa dos fãs. 

    O único fato a lamentar foram alguns bêbados atrapalhando o show com seus "moshs eternos". A banda foi obrigada a recuar cerca de 1,5 metro no palco para não correr o risco dos pedais das guitarras serem pisados e danificados por quem insistia em subir "10 vezes" no palco a cada música. 

    Mas nada que tenha atrapalhado a performance do Face to Face, uma das grandes bandas de hardcore melódico da história. E que fechou com "chave de ouro" o ótimo festival organizado pela Torino Entretenimento e Solid Music Entertainment. Um show bem radical.

  • Domingo

    Curitiba recebe bandas icônicas da Califórnia

    Curitiba recebe bandas icônicas da Califórnia

    Quem gosta de esportes radicais com certeza já ouviu pelo menos uma vez na vida Face to Face ou Strung Out. Bandas icônicas de hardcore melódico, ou punk rock californiano (como preferirem), elas estarão neste domingo (07) fazendo um "showzaço" em Curitiba. 

    Realizada pela Torino Entretenimento e Solid Music Entertainment, o festival contará com cinco bandas no total, três delas de Curitiba. Às 17 horas a casa abre, uma vez que a organização ainda tenta fazer a transmissão da final da Copa América. 

    Às 18 horas a "sonzeira" começa quando a banda Hell 2 Play entra no palco. Em seguida é a vez dos "velhinhos" do Self Defense, banda que marcou época em Curitiba quando o hardcore dominava os palcos da capital paranaense. 

    Outra banda antiga que faz um "remember", o No Break, entra no palco às 19h30. E por fim, às 20h15 começam as bandas "gringas", com o Strung Out adentrando o palco. Para fechar a icônica banda Face to Face, uma das mais queridas do público brasileiro no segmento. 

    Os ingressos promocionas custam R$ 100,00 e podem ser encontrados na Agacê Store (Shopping Omar), Túnel do Rock (Rua Xv de Novembro, 74), Belvedere Beer Club (Rua México, 483), Golden Mile (Rua Itupava, 1299), Zafímera Custom Guitars (Rua Profª Rosa Saporski, 1025) e online no site https://www.clubedoingresso.com/evento/facetoface-strungout-curitiba . 

    O show acontece na Sociedade Abranches (Rua Mateus Leme, 5932). É importante frisar que para uma melhor experiência do público, a organização do evento está disponibilizando dez caixas espalhados pelo evento, dois bares internos, dois carrinhos de venda de chopp que ficarão fixos em pontos distintos além do trailer da Way Beer na parte externa.

    Face to Face e seus 29 anos de punk rock:

    Desde que Trever Keith se juntou ao colega de escola Matt Riddle, muita coisa se passou. Com uma concorrência absurda do gênero no início dos anos 90 na Califórnia, a banda que se influenciou em Social Distortion começou a se destacar pela sonoridade mais harmoniosa e menos "agressiva". 

    Foi assim quando lançou seu primeiro álbum, "Don't Turn Away", que contava com músicas que até hoje são clássicos. Veio uma nova gravadora e após lançar o álbum "Big Choice" a banda explodiu no mundo inteiro. 

    E aqui no Brasil não foi diferente. A banda chegou a marcar um show em 1998, contudo, um de seus inetgrantes se adoeceu e eles tiveram que cancelar o show. Os curitibanos que gostavam da banda tiveram que esperar até 2008 para verem o Face to Face em um show antológico, no qual os fãs que lotaram o saudoso Curitiba Master Hall "não deixavam" - vídeo - com que a banda tocasse, tamanho o frisson e empolgação do público. 

    A banda já voltou mais vezes à Curitiba, sempre com sucesso de público. Citar seus hits seria até uma heresia, pois o Face to Face é daquelas bandas que todos os álbuns são bons. O último deles, "Protection", foi lançado em 2016, pela Fat Weck Chords.

    A banda ainda conta com um trabalho acústico, entretanto, os fãs devem mesmo estar esperando para ouvir "hinos" como "Blind", "Walk the Walk", "A-OK", "Pastel" e a maior de todas, "Disconnected". 

    Strung Out com álbum novo: 

    A turnê do Strung Out está sendo marcada por seu novo álbum, "Songs of Armor and Devotion", lançado este ano. A banda, também da Califórnia, desde seu início chamou a atenção pela velocidade, guitarras espetaculares e pela voz de Jason Cruz. 

    Seu álbum de estreia, "Another Day in Paradise" já impactou o cenário do hardcore, fazendo da banda famosa no mundo inteiro, acompanhando outras grandes bandas em turnês europeias. 

    "Suburban Teenage Wasteland Blues" colocou a banda em outro patamar, ao apresentar um nível de produção ímpar. Mas foi "Twisted by Design" seu grande clássico. As músicas "Too Close to See", "Mind of My Own" e a icônica "Matchbook" fizeram do Strung Out uma das bandas favoritas dos brasileiros. 

    Veio os álbuns seguintes  - a partir de "An American Paradox" - e uma evolução no som. Não era nenhum segredo que a grande inspiração dos músicos eram as bandas de metal pesado. O que foi incorporado ao seu som. 

    Na última vez que vieram a Curitiba tiveram uma baixa. Um dos guitarristas se machucou e não pode tocar no John Bull. Mesmo assim a galera presente foi ao delírio por ver os músicos tão de perto. 

    A primeira vez que eles tocaram em Curitiba, em 2006, no Curitiba Master Hall (vídeo), fizeram um show antológico. Agora é esperado que ele se repita e marque esta nova fase da banda e dos fãs. 

  • Etapa do Brasil

    Filipe Toledo é o Brasil em Saquarema

    Filipe Toledo é o Brasil em Saquarema
    (Foto: Divulgação WSL)

    Não deu para Gabriel Medina nas quartas de final. Assim, apenas Filipe Toledo está representando o Brasil no Oi Rio Pro 2019, etapa brasileira do Championship Tour da World Surf League. 

    Mas o Brasil ainda tem representante, e um "senhor" representante. Buscando o tricampeonato da etapa brasileira, Filipe Toledo não se intimidou com Kanoa Igarashi, que vinha de vencer em Margaret River e está nas semifinais. 

    O brasileiro entrou na água com muita confiança, afinal, havia derrotado Kelly Slater em uma bateria espetacular na tarde de ontem. Novamente transferida de Itaúna para a Barrinha, a bateria começou com Kanoa utilizando a mesma tática que deu a Filipe a vitória contra Slater. 

    E em sua primeira onda o japonês já conseguiu uma onda relativamente boa. Com rasgadas e batidas, Kanoa emplacou 6.0 pontos. Logo em seguida Filipe começou a onda com um tubo, terminando ela com um floater muito alto. Assim ele assumiu a liderança. 

    O mar deu uma parada e apenas Filipe conseguiu mais uma onda grande. Atingiu a pontuação de 4.17. O japones tentou buscar uma onda, mas no final deu Filipe Toledo com 11.00 contra 7.57 de Kanoa Igarashi. 

    Filipinho irá disputar a primeira semifinal contra o portugues Frederico Morais, que derrotou o australiano Julian Wilson. Julian conseguiu a melhor onda da bateria, contudo Morais foi melhor na somatória, garantindo 13.17 contra 11.83. 

    A segunda semifinal será prtagonizada por Jordy Smith e Kolohe Andino. O sul-africano nem precisou entrar na água para vencer, uma vez que seu adversário, John John Florence se lesionou ontem durante sua bateria das quartas definal. 

    Andino foi o algoz de Gabriel Medina, que dominou praticamente toda a bateria. Com duas ondas boas, Gabriel estava com 12 pontos contra apenas 2 do americano. 

    Porém, nos dez minutos finais Medina parece ter se desconcentrado. E Andino aproveitou para emplacar três ondas boas, uma com nota 7. Gabriel ainda tentou no final, entretanto nehuma onda boa o suficiente surgiu. 

    As semifinais e finais devem acontecer ainda hoje, uma vez que as ondas estão boas em Saquarema.  

     

  • Hockey

    Ginásio do Tarumã recebe finais do Brasileiro de Hockey

    Ginásio do Tarumã recebe finais do Brasileiro de Hockey
    Equipes jogando no Ginásio do Tarumã (Foto: Leopoldo Scremin para o Bem Paraná)

    Neste domingo os curitibanos tem uma atração especial a partir das 8h30 da manhã. Começa no Ginásio Almir Nelson de Almeida, o popular Ginásio do Tarumã, a fase final do Campeonato Brasileiro de Hockey Inline. 

    A competição está acontecendo em Curitiba desde a última quinta-feira, reunindo 16 equipes de todo o Brasil. O esporte é o que mais se assemelha ao hockey jogado nas Olimpíadas de Inverno e na NHL, maior liga de hockey no mundo. 

    Os atletas disputam a cada tacada como se estivessem no gelo. Tanto a emoção quanto os pucks - disco utilizado como uma espécie de "bola" - passando em uma velocidade extraordinária se assemelham muito.  

    As vestimentas e proteções também são semelhantes as utilizadas no esporte tradicionalmente jogado no gelo, assim como a trave. Outra coisa que chama a atenção são os barulhos dos atletas "batendo tacos" ou atirando uns aos outros na proteção lateral da quadra, o que é permitido pelas regras. 

    Os atletas que ficam no banco de reserva são uma atração a part. A qualquer momento o treinador pode trocá-los, acontecendo uma movimentação frenetica na lateral. Quando sai um gol eles comemoram batendo seus tacos nas placas de proteção da quadra. 

    A fase final começa as 8h30, acontecendo em seguida as semfinais e as 14h30 a grande final. Quem vencer se sagra campeão brasileiro da modalidade. 

    A competição está sendo realizada em Curitiba pela AR Eventos Esportivos em parceria com a Confederação Brasileira de Hóquei e Patins. É um esporte muito plástico - confira o vídeo - e vale muito a pena ser acompanhado. 

    A entrada custa apenas um quilo de alimento não perecível. O Ginásio do Tarumã fica na Avenida Victor Ferreira do Amaral, 1.649, próximo do Estádio do Pinheirão e do Jockey Club. 

  • Entrada gratuita

    Curitiba recebe Campeonato Brasileiro de Hóquei neste fim de semana

    Curitiba recebe Campeonato Brasileiro de Hóquei neste fim de semana
    (Foto: Divulgação CBHP.)

    Quem decidir passar o feriado em Curitiba terá um programa mais que especial. Neste fim de semana acontece no Ginásio Almir Nelson de Almeida, o popular Ginásio do Tarumã, o Campeonato Brasileiro de Hockey Inline.

    Realizado pela AR Eventos Esportivos juntamente com a Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação, a competição reunirá 16 equipes em busca do almejado título. 

    Entre os participantes alguns clubes tradicionais de futebol, como o Palmeiras e a Portuguesa. O Paraná estará representado pelo No Fear, Hold Yager, Thunder/Keviva e Mustaches Maringá. Atletas de outros países e o atleta da seeção brasileira, Gustavo Tecchio estarão participando da competição. 

    A competição começa na quinta-feira (20) ao meio-dia, quando AABB/SP e Portuguesa/SP se enfrentam pela fase de grupos. O campeonato continua durante a sexta, sábado, com as partidas decisivas sendo disputadas no domingo, a partir das 8 horas. 

    O jogo que decide quem será o campeão brasileiro de 2019 será realizada às 14h30. É esperado que muitas pessoas passem pelo Ginásio do Tarumã, assim como aconteceu no ano passado, quando mais de 2.500 pessoas prestigiaram pelo evento. 

    Serviço: 

    Campeonato Brasileiro de Hockey Inline

    Data: 20,21,22 e 23 de junho de 2019. 

    Local: Ginásio Almir Nelson de Almeida (Ginásio do Tarumã). 

    Endereço: Avenida Victor Ferreira do Amaral, 1.649, ao lado do Jockey Club do Paraná. 

    Ingresso: Entrada gratuita mediante doação de 1 kg de alimento não perecível. 

  • Skate

    Caçapava recebe o Big Pool Day este fim de semana

    Caçapava recebe o Big Pool Day este fim de semana

    Um ciclo deve ser encerrrado com "chave de ouro" este fim de semana em Caçapava, Vale do Paraíba. O Big Pool Day realizará sua última edição e contará com grandes nomes do skate nacional e internacional. 

    Tradicional campeonato de skate bowl (aquele praticado em piscinas), o Big Pool Day não acontecerá mais no Clube Recreativo Jequitibá a partir do ano que vem. O motivo será uma reforma que acabará com as transições da piscina. 

    Nomes de destaque no skate como os brasileiros Rony Gomes e Miguel Oliveira, além dos americanos Jake Wooten e Ely Williams marcarão presença. Outros nomes fortes da região, como Otávio Neto e João Pedro também prometem levantar a torcida. 

    O campeonato acontece nos dias 14, 15 e 16 de junho, próximo fim de semana. Na sexta acontece os treinos e formação das baterias. No sábado teremos as eliminatórias e no domingo a final. 

    Os ingressos custam R$ 75,00 a inteira e R$ 37,50 a meia-entrada legal. Existe a possibilidade da meia-entrada social, desde que o espectador doe um quilo de alimento. Existe um limite de entrada, então é bom se apressar. A compra online pode ser feita clicando AQUI.

  • Música

    Trilha da semana: Blind Pigs - Suor, Cerveja e Sangue

    Trilha da semana: Blind Pigs - Suor, Cerveja e Sangue
    Fabiano, guitarrista do Blind Pigs, que infelizmente faleceu em 2015 (Foto: Divulgação Blind Pigs)

    Quem disse que para ser a trilha da semana dos rolês de skate e surfe precisa ser algum álbum recente? Na "Trilha da Semana" do Bem Radical escolhemos um som que se tornou atemporal, a banda punk paulista Blind Pigs, que encerrou suas atividades em 2016. 

    O início foi como o de outras de bandas que surgiram nos anos 90. Muita fita cassete distribuída, ensaios que mais pareciam festas e bastante correria para divulgar o som. E foi assim que a demo tape "Sweet Fury" chegou às mãos de um ex-baterista do Bad Religion, banda que é um ícone mundial do punk rock.

    Jay Ziskrout, que garimpava bandas da América Latina para o seu selo "Grita", recebeu a demo tape do Blind Pigs e levou-a para os Estados Unidos com centenas de outras. Lá mostrou para o pessoal da Epitaph Records, gravadora que ele trabalhava. 

    A gravadora californiana não lançou os paulistas, mas devido a uma parcecia com a Paradoxx Music, conseguiu indicá-los. Este selo - que foi muito forte nos anos 90 - acabou lançando o álbum "São Paulo Chaos", um verdadeiro clássico.

    Depois de estourarem no meio underground, o Blind Pigs foi lançando álbuns, um melhor que o outro. "The Punks Are Alright" e "Blind Pigs" se tornaram verdadeiros sucessos do gênero, fazendo com que diversas faixas virassem hinos. 

    Ainda vieram os álbuns "Porcos Cegos - Heróis ou Rebeldes" e "Capitânea" antes do fim prematuro da banda. Mas fazemos questão de deixar este álbum ao vivo, "Suor, Cerveja e Sangue" para que todos possam sentir o que era a performance deles ao vivo. 

    Nesta gravação o Blind Pigs contava com Henrike Baliú nos vocais, Christian "Gordo" Targa nos backings e guitarra, Fabiano "Punk da Pedreira" também nos backings e guitarra, Mauro no baixo e Kleber na bateria. 

    Um som insano, que marca a vida de quem gosta de letras coerentes de protesto, guitarras agressivas, melodia muito boa e atitude, o que falta para esta nova geração. Enfim, um som mais que especial reunindo grandes clássicos da banda. 

    São 22 faixas unindo sucessos dos três primeiros álbuns do Blind Pigs. O início do show já mostra o que era a banda, em uma sequência espetacular e empolgante que conta com "Amanhã Não Vai Mudar", "Homem Sem Pátria" e "Fuzis e Refrões". 

    Ainda neste ao vivo temos os clássicos "Verão em 68", "Lost Cause", "O Idiota", "Sweet Fury", "Avenida São João" e muito mais. Vale muito a pena ouvir!

  • Surfe

    Caio Ibelli chega a Saquarema com muita força

    Caio Ibelli chega a Saquarema com muita força

    A temporada de 2018 não foi nada fácil para o brasileiro Caio Ibelli. Depois de uma sequência de lesões, o paulista está tendo que enfrentar o wild card das etapas do Championship Tour deste ano. 

    Ele chegou a reclamar de como os atleas de wild card estão sendo tratados, inclusive muitos insiders de fora do Brasil questionaram seu protagonismo e importância no CT. Pois bem, a resposta veio dentro d'água. 

    Com performances de um campeão de etapa, o brasileiro foi eliminando os melhores surfistas do circuito um a um. Depois de pegar um seeding pesado contra Kelly Slater e Adrian Buchan, ele eliminou o atual campeão mundial Gabriel Medina. 

    E não parou por aí, depois foi a vez dele eliminar o mito Kelly Slater e nas quartas de final o sul-africano Jordy Smith. Na semifinal, fez uma bateria espetacular contra o campeão da etapa, John John Florence e perdeu por apenas meio ponto. 

    De volta ao Brasil, Ibelli agora poderá mostrar todo o seu valor em Saquarema, em uma onda pesada e que lembra um pouco alguns picos de Margaret River. Se as condições do mar puxarem para as ondas perto da lage, que favorecem as batidas e aéreos, ele tem tudo para fazer uma ótima etapa. 

    A Oi Rio Pro, etapa brasileira da World Surfe League Championship Tour acontece na praia de Itaúna, Saquarema, Rio de Janeiro, dos dias 20 a 28 de junho. O Bem Radical estará contando tudo para vocês. 

  • Surfe

    John John Florence vence e dispara na liderança

    John John Florence vence e dispara na liderança
    (Foto: Divulgação WSL)

    Quem ficou acordado até tarde pode ver o motivo que faz de John John Florence um dos melhores surfistas em atividade no mundo. Com um talento indiscutível o havaiano derrotou Kolohe Andino e se sagrou campeão da etapa de Margaret River. 

    Com a vitória Florence dispara na liderança e chegará em Saquarema com a lycra amarela. Diferente de outros dias, na final as ondas escolhidas pela World Surf League foram as paredes enérgicas e volumosas do Main Break. The Box, que empolgou a todos em outros dias não estava aparecendo nesta madrugada. 

    Podemos dizer que a grande final aconteceu em uma das semis, quando Florence enfrentou o brasileiro Caio Ibelli. Ele - o brasileiro - que havia reclamado muito dos critérios de seleção para as baterias dos wild cards, mostrou para o circuito que é extremamente bom e merece mais respeito. 

    Primeiro venceu dois campeões mundiais no round 1, depois eliminou em sequência Gabriel Medina, Kelly Slater e Jordy Smith. Por apenas 0.50 pontos não eliminou Florence na semifinal. 

    Contra Andino, Florence em nenhum momento correu riscos. Dominou desde a primeira onda e terminou sua somatória com expressivos 18.50 pontos, melhor somatória de notas para o pico. Andino somou 15.10 pontos e novamente ficou com o vice-campeonato de uma etapa da championship tour. 

    Agora todo o "circo" da WSL começa a chegar ao Brasil, onde dos dias 20 a 28 de junho será disputado o Oi Rio Pro, em Saquarema, Rio de Janeiro. Nós estaremos lá, então fique ligado. 

  • Música

    Trilha da semana: O Preço

    Trilha da semana: O Preço
    Um punk rock muito bom na trilha da semana (Foto: Divulgação O Preço)

    O punk rock e os esportes sempre caminharam lado a lado. Temos diversos exemplos de banda que começaram a aparecer para os brasileiros através dos vídeos de surfe e skate. E não poderia ser diferente. 

    Tanto fora do Brasil como aqui, a galera curte praticar esportes com múscas empolgantes e que tenham letras que façam sentido, assim, o punk rock pode ser considerado "a trilha sonora" do surfe e do skate. 

    Estamos falando sobre isso para apresentar o novo projeto de um dos maiores "hit makers" do estilo no Brasil. Christian "Gordo" Targa tem uma história rica dentro do underground nacional, principalmente no meio punk. 

    Com o Blind Pigs marcou época, chegou à gerações e tem suas músicas eternizadas. Depois de um tempo com o Surf Aliens, banda de surf music muito boa e de sonoridade ímpar, no último dia 30 apresentou "O PREÇO", uma banda de punk rock dos melhores. 

    O primeiro single da banda, que em breve lançará o álbum auto-intitulado "O PREÇO" se chama "Sangue em alta combustão!". Com um uma linha muito boa de baixo, refrões com frases fortes e melodia clássica, esta música dá mostras de um punk rock para ouvir em qualquer lugar. 

    Marcos Rolando é o responsável pelo baixo e Mário Rolim pela bateria. Este power trio mostra muita sinergia na faixa já divulgada, deixando todos ansiosos pelo lançamento das outras 13 músicas, que devem ser disponibilizadas em todas as plataformas digitais além de contar com uma prensagem em vinil. 

    Em uma época que as pessoas ouvem músicas procurando sentido em suas letras, nada melhor que ouvir frases como "dias melhores no horizonte; procurando amanhecer; quero mais é destruir atrocidades vendo a escória mau-caráter apodrecer". E este foi o diferencial dos trabalhos de Christian, as letras sempre fortes e fazendo sentido com o som proposto. 

    As gravações foram feitas no Estúdio Yamamoto, em Santana de Parnaíba. O álbum é independente, contando com o apoio dos selos Detona Records, Comandante Records, Vertigem Discos e Otitis Media Records. 

    mixagem e masterização ficou por conta de Atila Ardanuy, que já trabalhava com Christian na época do Blind Pigs. Enfim, um som novo para quem estava com saudade de ter um "um bom e velho punk rock" para ouvir antes, durante e após os rolês. 

    Você pode acompanhar o trabalho nas redes sociais via Facebook CLICANDO AQUI, no Instagram CLICANDO AQUI e ouvir o som deles no YouTube CLICANDO AQUI.

  • Terceiro round

    Margaret River: Saiba os confrontos da próxima fase da World Surf League

    Margaret River: Saiba os confrontos da próxima fase da World Surf League
    Gabriel Medina estará disputando o round 3 de Margaret River (Foto: Divulgação WSL)

    Daqui a algumas horas a World Surf League faz nova chamada para o Margaret River Pro, terceira etapa do Championshi Tour. E diversos brasileiros entrarão na água. 

    Dos 16 confrontos de hoje, 10 terão brasileiros participando. Isso mostra a força do surfe brasileiro na etapa mundial da Austrália. Confira agora todos os confrontos. 

    Heat 1: Italo Ferreira - BRA vs Soli Bailey - AUS

    Heat 2: Michel Bourez - FRA vs Yago Dora - BRA

    Heat 3: John John Florence - HAI vs Jack Freestone - AUS

    Heat 4: Jeremy Flores - FRA vs Sebastian Zietz - HAI

    Heat 5: Gabriel Medina - BRA vs Caio Ibelli - BRA

    Heat 6: Willian Cardoso - BRA vs Kelly Slater - USA

    Heat 7: Jordy Smith - RSA vs Leonardo Fioravanti - ITA

    Heat 8: Conner Coffin - USA vs Jesse Mendes - BRA

    Heat 9: Filipe Toledo - BRA vs Jack Robinson - AUS

    Heat 10: Michael Rodrigues - BRA vs Seth Moniz - HAI

    Heat 11: Owen Wright - AUS vs Ezequiel Lau - HAI

    Heat 12: Kolohe Andino - USA vs Griffin Colapinto - USA

    Heat 13: Julian Wilson - AUS vs Jadson Andre - BRA

    Heat 14: Peterson Crisanto - BRA vs Joan Duru - FRA

    Heat 15: Ryan Callinan - AUS vs Deivid Silva - BRA

    Heat 16: Kanoa Igarashi - JAP vs Ricardo Christie - AUS

    A chamada acontece hoje às 20 horas. 

  • Surfe

    Paranaense vence e avança em Margaret River

    Paranaense vence e avança em Margaret River
    (Foto: Divulgação WSL)

    O primeiro dia da etapa australiana de Margaret River, que vale pelo Championship Tour da WSL - a elite do surfe mundial - foi muito boa para o paranaense Peterson Crisanto, que faz sua estreia este ano no CT. 

    Mesmo com o mar mostrando bastante instabilidade, o atleta de Matinhos, litoral paranaense, conseguiu ser muito sólido e derrotou o australiano Julian Wilson e o brasileiro Caio Ibelli no round 1 da competição. 

    O mar não estava dos melhores, mas após os atrasos da etapa de Bali a WSL decidiu fazer todo o round 1 ainda hoje (madrugada no Brasil). Mostrando muita inteligência, Crisanto aproveitou as primeiras ondas e cravou duas boas notas, um 5.33 e um 5.23. 

    Com muita velocidade e atacando as partes críticas das ondas, Crisanto já liderava a bateria no início, deixando a pressão para Wilson e Ibelli. O australiano ainda tentou buscar a liderança, surfando três ondas com notas na casa dos 4 pontos. 

    No final da bateria o australiano deu um susto no brasileiro, conseguindo um 5.50. No entanto, não conseguiu alcançar os 10.56 pontos que colocaram o paranaense direto na terceira fase. 

    Caio Ibelli não conseguiu encontrar seu melhor surfe e agora vai para a repescagem. A bateria dele é sagadíssima, uma vez que enfrentará o local Adrian Buchan e o mítico Kelly Slater. 

    Mais sete brasileiros se classificaram para o round 3: Gabriel Medina, Ítalo Ferreira, Filipe Toledo e Jesse Mendes que venceram, além de Jadson André, Deivid Silva e Michael Rodrigues que terminaram em segundo em suas baterias. 

    Outro paranaense que disputa o Championship Tour, Yago Dora, ficou em terceiro em sua bateria e vai à respescagem. Yago foi bem, porém não melhor que seus dois adversários, o vencedor da etapa de Bali, Kanoa Igarashi e o australiano Soli Bailey. 

    Bailey começou a bateria com tudo, abrindo de cara 11.8 pontos. O japonês conseguiu se recuperar e com uma das melhores notas de ontem assumiu a liderança (7.50).

    As ondas sumiram e Yago teve que contentar com seus 9.33 pontos, contra 11.80 de Bailey e 12.73 de Igarashi. Na repescagem o paranaense enfrenta o brasileiro William Cardoso e o português Frederico Morais. 

     

  • Skate

    Camp de Sandro "Mineirinho" Dias com inscrições abertas

    Camp de Sandro "Mineirinho" Dias com inscrições abertas
    (Foto: Divulgação Sandro Dias Camp)

    Se seu filho gosta mais de esportes radicais que parques temáticos, este ano você pode proporcionar férias especiais para ele. 

    Estão abertas as inscrições para o Sandro Dias Camp, um acampamento que durará do dia 07 a 12 de julho na chácara do atleta, que conta com toda infraestrutura necessária para a prática de skate e outros esportes radicais.

    O camp possui bowl, o maior vert da América Latina, mini rampa, obstáculos de street para skate, pista de BMX e Mountain Board, Boia Cross, cama elástica, sala de convenções, além de piscina, sauna e restaurante.

    Ele fica localizado em Vargem, cerca de 100 quilômetros da capital paulista. As inscrições já estão abertas e a expectativa do hexacampeão mundial de skate é que - assim como nos outros anos - as vagas se preencham rapidamente. 

    "Mais uma vez estou animado. Já começamos cedo com a divulgação do Camp. A ideia é que tenha bastante crianças porque será uma temporada diferente, com novas parcerias", contou Sandro. "É por isso que estou empolgado. Quero ver a reação da garotada ao ver essas novidades no Camp. Estou muito contente porque está dando tudo certo. A cada temporada estamos crescendo."

    A chácara conta com 14 chalés, que podem abrigar até 100 pessoas. O objetivo do camping não é apenas formar atletas, mas trabalhar a capacidade cognitiva e social dos participantes. Para conhecer mais e fazer sua inscrição é só clicar aqui

  • Skate

    Assista: Pâmela vence e brasileira de apenas 11 anos fica em terceiro no SLS London

    Assista: Pâmela vence e brasileira de apenas 11 anos fica em terceiro no SLS London
    Brasileiras brilham no pódio (Foto: Divulgação CBSk (por Julio Detefon))

    As meninas do Brasil deram um verdadeiro show na etapa de Londres da Street League Skateboarding (SLS). Pâmela Rosa venceu, Rayssa Leal ficou em terceiro e Letícia Buffoni ficou com a quarta colocação. 

    Pâmela fez um campeonato muito sólido, entrando apenas nas semifinais. Mas quem mais chamou a atenção foi Rayssa, mesmo ficando com o terceiro lugar.

    Foi sua primeira final em uma final de competição da Street League Skateboarding. Sem sentir a pressão de competir ao lado de nomes consagrados, como a australiana Hayley Wilson, a "fadinha" era ovacionada a cada manobra que acertava. 

    A final foi muito disputada e a diferença de Pâmela para Rhayssa foi de apenas 3 décimos (26,3 contra 26). Em segundo terminou Hayley Wilson (26,2), com Letícia Buffoni marcando 25,9 e a japonesa Aori Nishimura completando as cinco primeiras com 22,4 pontos. 

    "Estou muito feliz. Tivemos três brasileiras nas finais e foi muito bom", declarou Pâmela Rosa após a vitória. "Dobradinha brasileira. Só tenho a agradecer a toda a torcida brasileira e à CBSk (Confederação Brasileira de Skate), que vem dando esse suporte incrível. Estou muito feliz pela Rayssa, por ter ficado no pódio junto com a gente."

    No masculino o melhor brasileiro colocado foi Kelvin Hoefler, que terminou empatado com o australiano Shane O´Neill e nos critérios - maior nota individual - ficou em quarto. Kelvin mostrou um skate muito sólido, provando que será um dos "top contenders" a vaga para as Olimpíadas de Tóqui 2020. 

    Quem venceu foi o norte-americano Nyjah Huston, que sobrou na pista londrina. Em segundo ficou o português Gustavo Ribeiro. Os demais brasileiros ficaram nas seguintes colocações: Carlos Ribeiro (11º), Ivan Monteiro (18º), Felipe Gustavo (29º) e Tiago Lemos (30º). Nenhum deles conseguiu avançar para a final. 

     

  • #Surfe

    Brasileiros vencem QS 3000 e Pro Junior (assista)

    Brasileiros vencem QS 3000 e Pro Junior (assista)
    João Chianca" recebendo o cheque de U$ 15 mil do QS 3000 (Foto: Divulgação WSL por NicolásDiaz)

    O Brasil venceu dois dos quatro campeonatos que aconteceram no Heroes de Mayo Iquique 2019, no Chile. João "Chumbinho" Chianca e Leo Casal venceram o QS 3000 e Pro Junior, respectivamente. A espanhola Nadia Erostarbe e a havaiana Gabriela Bryan venceram o QS 1500 e o Pro Junior feminino. 

    João Chianca foi sensacional em sua última bateria, que decidia o título. Enfrentando o australiano Dean Bowen, o brasileiro que reside em Saquarema bateu todos os recordes do torneio. 

    Primeiro com a maior nota do campeonato, 9.57. Depois, com mais algumas ondas surfadas chegou aos U$ 15 mil de prêmo ao totaçizar 17.74 pontos. Com a vitória João agora é o novo líder do sul-americano da WSL South America. 

    "Foi incrível vencer aqui e não tenho nem palavras para descrever o que estou sentindo nesse momento. É a minha primeira vitória no QS, estou muito feliz e quero comemorar muito esse título", disse João Chianca. "Meu amigo já tinha me falado para não ser ansioso, que era para eu ser inteligente pra esperar as melhores ondas, porque minhas pranchas estão boas, meu surfe também e que era pra me divertir, então foi o que tentei fazer. Eu conversei com meu pai também e ele me disse pra garantir primeiro uma boa pontuação, antes de tentar fazer aéreos e eu acertei um ali muito bom, porque estava confiante pra fazer qualquer coisa."

    Com esta vitória, João "Chumbinho" Chianca deu uma subida muito importante no WSL Qualifying Series, que rende uma vaga na elite de 2020. Ele era o 149° colocado no ranking e subiu para 36°, estando a duas posições do "top 34" classificatório. 

    "Era um sonho distante liderar o ranking sul-americano”, confessou João Chianca. "A gente fica tão longe disso, com a cabeça nos eventos mais importantes do QS, no CT, com tanta coisa acontecendo, então liderar o ranking sul-americano está sendo um bônus pra mim. Estou amarradão também por entrar na briga pelas vagas do QS e quero manter essa pegada nos próximos eventos. Se Deus quiser uma classificação para o CT será fantástico, mas sei que tem muito a trabalhar ainda para isso e o melhor é manter os pés no chão, sem sonhar muito."

    Outro brasileiro que virou líder foi Léo Casal, que ao derrotar o conterrâneo Lucas Vicente assumiu a primeira colocação do ranking sul-americano Pro Junior. A final foi insana, com os dois brasileiros trocando notas e consequentemente a primeira colocação. 

    Depois de ficar por algumas vezes atrás, Casal acertou uma ondaça de direita, conseguindo 6.17, melhor nota desta bateria. Lucas ainda tentou reagir, mas nos minutos finais Casal novamente surfou uma onda de mais de 6 pontos para sacramentar a vitória. 

    "Eu cresci junto com o Lucas (Vicente) e para mim ele é um dos melhores surfistas, sempre treinei olhando para ele como um ídolo, seguindo os passos dele e só em estar com ele na final já foi um grande momento na minha carreira", disse Leo Casal. "Sair com a vitória numa bateria tão disputada assim com ele, foi muito emocionante e estou muito feliz. Um dos meus focos esse ano é conquistar uma vaga pro Mundial Pro Junior da WSL e agora é ir para as próximas etapas confiante para conseguir outros bons resultados para isso."

    O jovem de apenas 14 anos tomou a liderança do paulista Daniel Adisaka. No entanto, Casal não irá disputar a próxima etapa do Pro Junior, que acontece no Ceará. Como já está no Chile, Léo Casal decidiu disputar o QS 3000 de  El Gringo, em Arica. Os dois eventos acontecem na mesma semana. 

  • #Surfe

    WSL: Kanoa Igarashi vence em Bali (assista a bateria final)

    WSL: Kanoa Igarashi vence em Bali (assista a bateria final)
    (Foto: Divulgação WSL)

    O Corona Bali Protected se encerrou na noite de ontem (horário brasileiro) com uma surpresa. O japonês Kanoa Igarashi eliminou Kelly Slater na semifinal e na final derrotou o francês Jeremy Flores para vencer a etapa. 

    Aproveitando as boas ondas no último dia de prazo para que o campeonato se encerrasse, a orgaização da WSL correu todas as eliminatórias e finais em tempo recorde. Primeiro os homens entraram para as semifinais. 

    E o duelo mais aguardado era de Filipe Toledo e Kelly Slater. Filipinho foi bem, mas sucumbiu ao talento de Slater, que com um tubaço garantiu a vaga na semifinal. Michael Rodrigues avançou para as semifinais, no entanto, perdeu a bateria contra Flores. Foi a primeira vez que o brasileiro chegou às semifinais. 

    Kelly Slater chegou na semifinal como grande favorito. Contudo, encontrou em Kaoa Igarashi um adversário surpreendente. Ao invés de buscar os tubos como Slater, Igarashi atacou todas as ondas nas partes críticas, jogando espuma para todos os lados. 

    A agressividade do japonês gerou duas notas muito altas, forçando Slater a buscar uma onda de 8.10 para chegar à final. Ela não veio e Flores e Igarashi ficaram prontos para decidir em Bali. 

    Kanoa logo emplacou uma das melhores ondas do campeonato, fugindo do tubo e buscando as rasgadas nas esquerdas. Sua nota de 9.10 foi quase igualada por Flores, que em uma onda muito boa conseguiu tirar 8.93. 

    O mar deu uma baixada e os dois esperavam pela onda certa. Kanoa arriscou e conseguiu uma nota 6.00, mesmo com o mar mais baixo. Com isso, garantiu a vitória derrotando no final Flores por 15.10 a 14.63. Fo o primiro título de Igarashi no World Surf League Championship Tour. 

    "Foi uma honra fazer a final com o Jeremy (Flores) e essa semifinal com o Kelly (Slater) foi incrível. Eu só tentei fazer o meu melhor em todas as baterias e estou muito feliz por conseguir minha primeira vitória da carreira no CT, dessa forma como foi hoje (sábado) aqui", disse Kanoa Igarashi. "Não importa como estavam as condições do mar, eu só queria dar tudo de mim em cada onda, não importando quem estivesse enfrentando. Eu quase nem consigo encontrar palavras para descrever o que estou sentindo. Foi um dia incrível, inesquecível para mim certamente."

    Gilmore venca 30° etapa da carreira: 

    A australiana Stephanie Gilmore ganhou a final de sua compatriota Sally Fitzgibbons e assumiu a dianteira na corrida pelo título mundial. Foi a 30° etapa do CT que ela ganha na carreira. 

    Antes Gilmore implacou o único 10 do compeonato, quando pegou um tubo espetacular. Depois desta nota ficou praticamente impossível Fitzgibbons virar a bateria. Com a vitória, Gilmore é a nova dona da lycra amarela da Jeep Leaderboard. 

    "Eu nem consigo acreditar nisso. Foi incrível ganhar uma nota 10 na final para vencer o campeonato", disse Stephanie Gilmore. "Eu sabia que a Sally (Fitzgibbons) ficaria procurando os tubos, mas procurei manter o meu plano de jogo, para escolher as ondas certas e fazer o melhor possível nelas. No final, fiquei focando em tentar um high-score (nota alta) que não tinha conseguido o evento todo, então entrou aquela onda e apenas fechei meus olhos, segurei ao máximo lá dentro e saí do tubo. Foi realmente incrível ganhar um evento assim."

    Classificação:

    Com a vitória, Kanoa Igarashi ganhou oito posições no ranking, tirando o segundo lugar do potiguar Italo Ferreira no Jeep Leaderboard, que continua liderado pelo havaiano John John Florence. Campeão no Corona Bali Protected no ano passado, Italo caiu para o terceiro lugar e Filipe Toledo permaneceu na quarta colocação.

    Derrotado na terceira fase, o bicampeão mundial Gabriel Medina despencou da quinta para a décima posição, enquanto o cearense Michael Rodrigues saltou da 23.a para a 14.a, com o terceiro lugar em sua primeira semifinal em etapas do CT.

    A próxima etapa do CT acontece em Margaret River, na Austrália, com início no dia 29 deste mês. Em seguida os surfistas vêm ao Brasil para disputar do dia 20 a 28 de junho o Oi Rio Pro em Saquarema. 

  • #Música

    Trilha da semana: Crazy Bastards

    Trilha da semana: Crazy Bastards
    (Foto: Divulgação Crazy Bastards)

    Os esportes radicais estão inteiramente ligados com a música. É normal ver os atletas de surf ouvindo aquele som para se concentrar, além da galera do skate e do snowboard entrando na pista com sua própria trilha. 

    Então toda sexta-feira nós aqui do Bem Radical vamos falar sobre um som que embala a galera da redação. E para abrir este espaço nós vamos apresentar a vocês os curitibanos da Crazy Bastards

    Formada por Kiko na bateria, Ge no baixo/voz e Tiago na guitarra/voz, a banda que surgiu em 2017 tem uma pegada bem bacana para quem gosta de um som "pra cima".

    Com melodias empolgantes, a Crazy Bastards brinca com a possibilidade de tanto Tiago quanto Ge cantarem, dando uma harmonia bem legal ao som. 

    A influência deles é bem específica: hardcore/pop punk. O som lembra muito os tempos "áureos" do Blink 182 e Green Day. Mas eles também se influenciam com Face to Face, Millencolin e outras bandas de hardcore mais melódico. 

    "A ideia da Crazy foi para continuar o som que a gente fazia no Last Year", conta Tiago, que junto com Kiko tacava nesta banda. "Como a gente ficou carente de fazer um pop punk, decidimos começar algo do zero e continuar tocando pop punk."

    Tiago e Kiko já tocavam juntos, então conheceram a Ge no Facebook. Eles entraram em contato e a parti dali estava formada a banda. O resutado vocês podem acompanhar em diversos bares de Curitiba. 

    Eles já tem um álbum gravado, o "Self Entitled". Lançado em 2018, ele trás um discurso de "crítica social quanto ao uso de dispositivos móveis e os efeitos psicológicos, comportamentais  culturais qe isso vem provocando". 

    Mas se engana que esse discurso fica "chato". Muito pelo contrário, as músicas e a banda são divertidíssimas. Sendo um excelente som para aquela trip ou rolê.

    A banda está participando da seletiva para participar do Dia Mundial do Rock, que acontece no Crossroads, principal bar de rock de Curitiba. Eles já passaram na primeira audição, que aconteceu no final de abril. Agora esperam a próxima etapa. 

    Para quem gosta de dar um rolê de skate ou se preparar para cair no mar com um som divertido e empolgante, fica para vocês esta grande pedida que é o Crazy Bastards. Você pode encontrar eles no Facebook por este link (https://www.facebook.com/crazybastardsband/) ou no instagram clicando neste outro https://www.instagram.com/crazybastardsband/

    Eles também tem um canal no YouTube, que você pode conhecer e ver todos os clipes e sons deles CLICANDO AQUI. Boa diversão!

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES