As 5 mais do Capitão

Capitão Hidalgo

Publicidade
As 5 mais do Capitão

Sintetizando os clubes de futebol da capital.

Asseguro, amigos, que preocupações internas dos clubes da nossa capital, Coritiba, Paraná Clube e Atlético Paranaense, estão refletidas nos noticiários esportivos que ampliam as dificuldades  no curso dessa temporada nacional, principalmente, nos campeonatos brasileiros, Série A e B. Com o término do Mundial de Futebol/2018, na Rússia, com o retorno a partir da próxima semana é que saberemos se os dias parados, em virtude do calendário internacional, tenham sido benéficos para os paranistas e atleticanos, isto porque, o Coritiba que vem jogando a Série B, até agora nada fez de produtivo.

Para quem está fora da nossa fronteira pode parecer cedo o que estou afiançando, mas é real o panorama que se instalou em nossos clubes. Se olharem, nesse momento, a tábua de classificação verão um Atlético com 9 pontos e Paraná Clube que soma 10, antes do reinício do brasileirão. Portanto, tomando por base que já tivemos 12 rodadas, a média é insignificante, pincipalmente, pelas permanências dessas equipes à Série A do próximo ano.

Quanto ao Coritiba, que precisa a todo custo voltar a Série A, em 2019, a situação é também desesperadora, sobretudo, porque o alviverde paranaense jogou 15 partidas , onde conquistou 23 pontos, tendo a média de 51%, quando a necessidade é de no mínimo 60%. Agora, vamos ao que interessa, como um time de futebol quer chegar a pontuação maior se até agora não ganhou uma partida sequer jogando fora dos seus domínios ?  Claro, um absurdo, e mais ainda, um descontrole tecnico na equipe com jogadores sem a mínima condição tendo a comissão esportiva a necessidade de mudar constantemente o time.

Analisando esse pacote, também, verificamos uma falta de diálogo entre os dirigentes e conselheiros dos clubes, evidenciando o fato que tem faltado humildade para os atuais personagens. É sabido que no Atlético, o poderoso chefão, Petráglia, que não liga por nada o que vem externamente, toca o barco como fosse o dono do clube sua propriedade particular. Por sua intolerância, e fraquesa dos componentes diretivos que só dizem amém, deixou a equipe em campo se debatendo e não fosse alguns opositores e mesmo a imprensa, ficaria o ex- técnico ,Diniz,  que estava levando a agremiação para o buraco.

No Paraná Clube, a situação que é incômoda, não é diferente, tendo a agravante do problema financeiro que se arrasta algum tempo. Desculpe, não gostaria de preconizar, mas a situação paranista em permanecer na série principal brasileira, logo será definida com os próximos jogos. É aquela máxima da necessidade de recueprar pontos. Exemplo: tendo que chegar a média do primeiro turno para não cair,  serão necessários 23 pontos, a recuperação em 7 jogos para a virada do turno  então, terá que ganhar 13 pontos em 21 que serão disputados. Se fugir desses números agravará o segundo turno. 

Lembre-se que: O melhor da vida é sua história.

DESTAQUES DOS EDITORES