por Fernando Francischini

Violência contra idoso

O país que não respeita a melhor idade

Não é justo viver uma vida inteira e virar saco de pancada no final. Obviamente, ninguém merece passar por isso, mas essa é a realidade de muitos idosos no Brasil, principalmente com a chegada da pandemia.

Aquela frase que ouvíamos quando éramos crianças parece ter perdido o valor e o sentido. “Respeite os mais velhos” virou coisa do passado.

Divulgação MJSP


A pandemia de covid-19 trouxe um aumento nos casos de violência contra a população idosa. Sendo parte do grupo de risco, essa parcela da população foi forçada a mudar seus hábitos adotando uma rígida quarentena para garantir sua saúde. No entanto, essa medida de isolamento, por mais efetiva que seja para diminuir o contágio do vírus, acabou aumentando o número de casos de violência no ano de 2020.

De acordo com dados disponibilizados pelo Disque 100, de 2019 para 2020 o número de chamadas para reportar algum tipo de violência contra o idoso foi de 48,5 mil para cerca de 77 mil denúncias. Um aumento de 53%.

Hoje, a Polícia Civil do Paraná e de vários estados deu início à segunda edição da Operação Vetus, que tem como objetivo investigar crimes contra o idoso e inspecionar casas de repouso e abrigos. Serão apuradas 11,5 mil denúncias no estado, registradas entre janeiro e setembro deste ano nos canais oficiais como o Disque 100. Infelizmente, apesar do número assustador, a estatística não é correta. Esta é apenas uma pequena parte dos casos. A maioria não é denunciada.

A operação é muito bem-vinda porque vai atacar um problema muito grave e pretende garantir a plena convivência e segurança dos idosos, além de ampliar a rede de proteção desse público.

A primeira fase da Operação Vetus, realizada em 2020, resultou na prisão de mais de 570 agressores em todo o país.

De acordo com IBGE, em 2050 a população idosa no Brasil irá compor cerca de 29% da sociedade, contudo, a falta de políticas públicas para promover amparo ao idoso pode afetar a qualidade de vida dessa parcela da população. Imaginem, então, antes disso, em 2030, quando as projeções apontam que o número de idosos ultrapassará o total de crianças entre zero e 14 anos.

No Paraná, temos uma lei de minha autoria que serve como ferramenta de proteção para os idosos, crianças e mulheres, obrigando condomínios a denunciarem casos de maus-tratos.

É preciso dar um basta nessa situação de extrema violência e covardia. Com números crescentes, estamos lidando com um problema de saúde pública, tão perigoso e letal quanto a pandemia que combatemos hoje.

Faça a sua parte e não se cale. Se você conhece ou vivencia algo, denuncie! A omissão não ajuda em nada, muito pelo contrário, ela mata e faz da pessoa que se cala cúmplice desses crimes tristes e abomináveis.

Imagem: Divulgação MJSP