por Fernando Francischini

Segurança Pública

Precisamos cuidar de quem cuida de nós


A vida do profissional que trabalha pela segurança pública na linha de frente não é nada fácil. Saem de casa todos os dias sem aquela certeza de que voltarão no fim dos turnos para os braços da própria família.

O que acontece é que, para alguns, o risco de vida faz parte da profissão e conclui-se que não existe nada que possa ser feito para oferecer mais segurança para esses profissionais, e é aí que mora o perigo.

Foto Toni Henrique

Para início de conversa, apesar do uso de arma de fogo ser feito em casos mais extremos, a falta do porte se torna algo ineficaz, uma vez que sabemos o fácil acesso de criminosos a armamentos que vão desde faças até pistolas e fuzis.

Essa semana, conquistei junto ao Tribunal de Justiça do Paraná a revogação judicial de uma Recomendação Administrativa da Defensoria Pública do Estado que estaria impedindo a Guarda Municipal de Curitiba de portar armas de fogo, fazer rondas ostensivas e empregar o GOE. Em nossa concepção, o Estado não pode fazer um desmonte no aparato da segurança e os Direitos Humanos não devem prescindir a legítima repressão da criminalidade.

Se temos várias frentes de atuação pela segurança da população, precisamos usufruir de todas elas da forma mais eficiente possível, seja pela Policia Militar, Civil, Federal, Penitenciária ou a Guarda Municipal.

Dessa forma, estaremos com ainda mais olhos que zelam pela vida e com ferramentas que promovam realmente essa proteção, inclusive intimidando criminosos ao encarar qualquer força de segurança.

Outro ponto necessário é o projeto importado pela PM do Paraná na utilização de câmeras nos uniformes dos policiais.

As câmeras corporais gravam automaticamente todas as atividades policiais, transmitindo as imagens em tempo real para centrais permitindo o acompanhamento simultâneo das ações oficiais. Todas as abordagens, fiscalizações, buscas, varreduras, acidentes e demais interações com o público são registradas, transmitidas por live streaming e armazenadas na nuvem para acesso remoto das autoridades de segurança e judiciais sempre que necessário for.

Segundo o comandante da PM, Coronel Hudson Leôncio Teixeira, a medida está em estágio avançado para ser implantada e já estão “avaliando as boas práticas para o serviço policial em outros estados” e como farão a aquisição dos equipamentos.

O investimento é importante e necessário, especialmente para proteção do próprio policial. A instalação dessas câmeras ajudará as autoridades na investigação e contestação de casos, no monitoramento dos policiais e para oferecer reforço quando for necessário. “É uma tendência nacional”, diz o comandante da PM.

É hora de proteger quem nos protege.

(Foto Toni Henrique)