por Fernando Francischini

Um dia para nunca esquecer


Sim, sou o primeiro parlamentar cassado por emitir uma opinião desde a redemocratização do país. Foi o dia mais triste da minha vida, de muitas reflexões e revi o filme da minha história.

Antes de embarcar nessa jornada pela política, tive passagens importantes pelas Polícias Militar e Federal, onde persegui criminosos, traficantes, sequestradores de crianças e pedófilos. Sempre tive um grande prazer em lutar contra o crime enquanto vestia a farda.

Quando troquei o distintivo pelo terno, a forma de combater o mal mudou, mas a motivação sempre foi a mesma. Criei leis importantes, derrubei corruptos, lutei contra a impunidade, o abuso de poder e as ditaduras, servindo ao meu estado e ao meu país.

Nessa trajetória, como qualquer ser humano, também cometi erros. E eu acho que fazer uma autoanálise é algo essencial para seguirmos evoluindo. Entretanto, nenhum desses erros feriram a minha índole e meus princípios, como a justiça, o discernimento, a coragem, a honestidade e a verdade. E é por isso que essa decisão me abalou tanto.

A sentença do TSE tirou os meus direitos políticos porque usei minhas redes para apresentar uma grave situação durante as eleições de 2018. Uma condenação pela “propagação de fake news” sobre as urnas eletrônicas. Vale ressaltar que só expus o fato em minhas redes após diversas denúncias que recebi naquele dia.

Mas, diferentemente do que muitos esperam, não tomarei o caminho do conflito e nem quero transferir nenhuma parcela de culpa. Hoje, meu desejo é apenas de justiça.

E quando falo em justiça, não é algo que envolve apenas a minha figura política, mas sim o respeito da escolha de mais de 427 mil paranaenses que confiaram seus votos no meu trabalho na Assembleia Legislativa. A maior votação da história do Paraná.

Cassar meu mandato, conquistado de forma legítima, é uma desmedida punição para um ato que nem sequer era tipificado na nossa legislação quando ocorreu.

E por que o tal crime de opinião só vale para um lado?

Se para alguns políticos é normal passar por situações assim, processos e outras manchas em suas carreiras, pra mim nunca foi e nunca será. Me tornei deputado por acreditar que poderia fazer mais pelo país que amo e meu estado.

Seja pela segurança pública, pela inclusão social, pelo comércio e a economia, a saúde, pelos direitos individuais, em especial a liberdade de pensamento e de expressão – pilares de uma democracia. Meu propósito sempre foi lutar por uma vida mais justa e digna para o cidadão de bem. E para os criminosos, nunca tive papas na língua para encarar de frente e colocá-los onde mereciam estar.

Continuarei firme nas minhas convicções, ajudando o nosso país a superar essa fase difícil, confusa e temerária. Enquanto isso, irei recorrer sobre a decisão do TSE na busca de justiça e das respostas que eu e meus eleitores queremos saber.

Agradeço muito as milhares de mensagens de apoio que estou recebendo de todo o país. Muito obrigado! Continuamos firmes na luta e sempre juntos!

O bom soldado não foge à luta.