Por dentro da Lava jato

Por dentro da Lava jato

Publicidade
Por dentro da Lava jato

Para aprovar medida favorável à Odebrecht, Gleisi recebeu R$ 5 milhões em 2014

A senadora Gleisi Hoffmann e o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo foram citados por diretores da Odebrecht em delação premiada. Gleisi tem prerrogativa de foro, e por isso, o caso fica no Supremo Tribunal Federal. Paulo Bernardo também será investigado no STF, pois os indícios contra ele estão ligados à senadora. Segundo delatores da Odebrecht, o ex-ministro teria pedido recursos ilícitos para as três últimas campanhas de Gleisi: à Prefeitura de Curitiba em 2008, ao Senado em 2010 e ao Governo do Paraná em 2014. A senadora também foi acusada de receber R$ 5 milhões, em 2014, para aprovar uma medida econômica que beneficiaria a Odebrecht. Por meio da assessoria, Gleisi disse que deve se pronunciar ainda nesta terça-feira. Já Paulo Bernardo informou que nunca fez qualquer pedido ilícito ou teve conversas com executivos da Odebrecht.

DESTAQUES DOS EDITORES