• 12/07/2018

    Corridas internacionais: Seattle e Vancouver (parte 2)

    Corridas internacionais: Seattle e Vancouver (parte 2)

    Como já falamos no post anterior, junho foi o mês de corrermos duas meias maratonas internacionais: a Rock’n’Roll Seattle e a ScotiaBank Vancouver. A prova de Vancouver aconteceu mais para o final das férias, dia 24 de junho (leia-se mais gordos, pesados e sem treinos regulares somado ao real início do verão norte-americano).

    A retirada do kit aconteceu no Canadá Place, um lugar lindo que fica quase no meio do mar, entre o porto e o Stanley Park. Diferente da grande expo de Seattle, em Vancouver a retirada do kit foi mais discreta: camiseta, número e uma barra proteica. Sem sacola, sem patrocinadores ou muitas pessoas (para não dizer que não tinha nada, a Asics e a marca da barra proteica estavam lá).

     

    Para essa prova chegamos com bastante antecedência, pois fomos de táxi. Não tinham muitas informações sobre como chegar ou disponibilidades de ônibus, e a estrutura também era menor que a prova americana (proporcional ao número de participantes: 18 mil em Seattle e 7 mil em Vancouver). Uma curiosidade dessa prova: os brasileiros estavam em terceiro lugar no número de inscritos, atrás somente dos canadenses e mexicanos!

    Hora da largada, nos separamos (ele lá na frente, eu lá atrás), mas dessa vez ela aconteceu simultaneamente. Mesmo assim, com as divisões de paces, não rolou estresse. Cada um no seu ritmo, bonitinho.

    O percurso de Vancouver é lindo, lindo, lindo! Belas paisagens, um céu azul bem aberto. Pouca gente na rua, mas o suficiente para animar e incentivar (com gritos, palmas ou mangueiradas). A hidratação com isotônico estava boa, a de água era preciso pegar mais de um copinho para satisfazer (beber, molhar a boca e jogar na cabeça).

    No final, o sol apertou. Após a ponte, já na parte final do percurso, o Vini, que finalizou em 1:41:45, apareceu para me buscar e dar aquele empurrãozinho maneiro. Eu estava cansada, esbaforida e, mesmo assim, deu boa: 2:36:41.

    O pós-prova de Vancouver era tão farto quanto o de Seattle: água, fruta, bagle doce e salgado, cookies, iogurte, suco. E um medalhão, que chega a pesar no pescoço!

    Já estamos montando o calendário com as próximas provas, locais, nacionais e internacionais... Tem alguma prova para indicar? Manda ae!

  • 05/07/2018

    Etapa Novozymes do Circuito de Corridas Rústicas será no dia 22 de julho

    Etapa Novozymes do Circuito de Corridas Rústicas será no dia 22 de julho

    Mais um desafio para os corredores no dia 22 de julho, seja nos 5 ou 10 quilômetros, em uma mistura de asfalto e estrada de chão, na etapa Novozymes do Circuito de Corridas Rústicas das Indústrias, que será realizada em Araucária (PR), iniciando na Rua Professor Francisco Ribeiro, 683, às 7 horas. Os kits da corrida deverão ser retirados na Loja Procorrer (Avenida Vicente Machado, 320, Centro, Curitiba) até o dia 21 de julho, das 10h às 16h.

    Podem participar corredores de todas as idades, com inscrições a partir de R$ 53,50 (classe industriária) e R$ 79,75 (comunidade). Pessoas com idade acima de 60 anos têm desconto de 50%. As inscrições podem ser feitas no site do Ticket Agora, link: https://bit.ly/2MCOmI7

    O operador Técnico da Novozymes, Leomar Gomes, é um dos atletas que participam tradicionalmente do circuito. Mais do que a paixão pela atividade, ele conta que a corrida é o seu estilo de vida. “Correr em casa é um privilégio, é tudo de bom, é saúde e qualidade de vida. É muito bom correr com mais torcida, com o pessoal podendo acompanhar o percurso, inclusive, de bike. É emocionante e desafiadora essa etapa, ainda mais esse ano, que completamos 10 anos”, comenta.

    As mulheres também marcam presença nas corridas. A técnica de laboratório, Meri Cleuzair Freitas, é uma das que encaram os 10km, ressaltando os benefícios da prática na sua vida. “A minha saúde melhorou muito, além da autoestima, controle de peso, de estresse, tenho mais bem-estar e qualidade de vida desde que comecei a correr. Essa etapa da Novozymes é sempre um desafio, não é um circuito muito fácil, porém, quanto mais desafiante é o percurso maior é a emoção, é superação! Correr em casa é sempre bom”, diz.

  • 03/07/2018

    Corridas internacionais: Seattle e Vancouver (parte 1)

    Corridas internacionais: Seattle e Vancouver (parte 1)

    No mês de junho nós saímos de férias. No roteiro, visitar a família em Seattle (oeste dos Estados Unidos) e aproveitar para conhecer Vancouver (no Canadá). Com as passagens compradas, fizemos a busca pelas corridas na região e, coincidentemente, duas meias maratonas aconteceriam no período: a Rock’n’Roll Seattle e a Scotiabank Vancouver.

    Inscrições feitas, um pouco mais de mil reais gastos e a expectativa de duas belas provas. Começamos pela de Seattle, logo no início da viagem. A retirada do kit foi no CenturyLink Field, famoso estádio do time de futebol americano Seattle Seahawks.

    Uma bela estrutura, com busca eletrônica do número de peito, estande com troca de número de camisetas e inúmeros expositores. O kit contemplava, além da sacolinha e da camiseta, algumas amostras dos parceiros, como cápsulas energéticas e para boa noite de sono. Aproveitamos também para comprar o estacionamento para o dia da prova.

    21k na Rock’n’Roll Seattle

    10 de junho, 5h e pouco da manhã, saímos de Redmond, cidade próxima de Seattle, para o local de prova. O trânsito de Seattle é meio chatinho, mas conseguimos estacionar a tempo. A largada é separada pelas baias, de acordo com o tempo de conclusão de prova. Enquanto o Vini ficou logo atrás do pelotão de elite, eu fui lá para as últimas divisões.

    Antes da largada eles sempre cantam o hino nacional - que é lindo e normalmente à capela -, e logo na sequência o pessoal começa a largada, espaçada em cerca de um minuto para cada setor. Essa é a primeira parte que chama atenção: o pessoal realmente respeita as largadas, sendo assim, você corre com pessoas do seu ritmo, sem atropelos ou lesminhas. (Na minha largada rolou uma homenagem aos combatentes americanos mortos em guerras e conflitos, bem bonito! Familiares bastante emocionados!)

    O percurso da prova não foi tão fácil quando parecia, na verdade, ele é tão complicadinho quanto o de Curitiba, com inúmeras subidas e descidas íngremes. Mas durante todo o percurso (que tinha de 21k e 42k), muitas pessoas na rua, hidratação perfeita com água e isotônico (em um ou dois pontos com carbogel), e muita animação dos músicos que ficam a cada milha (característica do circuito Rock’n’Roll, que acontece em várias cidades dos EUA e em outros países).

    Mesmo sendo uma prova cascudinha, fizemos bons tempos: o Vini RP com 1:38:57 e eu RP com 2:39:49. A medalha, bonitona, estampa alguns pontos da cidade, como o Space Needle. O pós-prova também foi lindo: água, frutas, pretzels, isotônico, achocolatado, barra proteica. E mais... Música, festa e uma cervejinha para hidratar!

    Quem aqui já fez provas internacionais? O que acharam? Em breve, a prova de Vancouver, no Canadá.

  • 13/06/2018

    Conheça alguns tipos de treino de corrida

    Conheça alguns tipos de treino de corrida

    Não pense que é só colocar os tênis e sair correndo para melhorar a sua performance e se tornar um corredor melhor

    É normal que, com o passar do tempo, o corredor resolva se arriscar mais no esporte, seja tentando reduzir os seus tempos em provas de 5 ou 10 quilômetros ou resolvendo encarar os 21 ou 42 quilômetros, assim como as ultramaratonas. Essas escolhas são individuais e geralmente estão alinhadas a uma busca de melhora de performance.

    Ao contrário do que se fala, não basta colocar o tênis no pé e simplesmente sair correndo, embora sempre seja uma opção em alguns casos. Uma planilha, que misture os diferentes tipos de treinos, costuma dar mais resultado e fazer seu corpo evoluir de uma forma mais rápida, seja para suportar mais quilômetros ou aumentar o seu ritmo.

    Além disso, ao diversificar os estímulos, o corredor passa a se conhecer ainda mais, entendendo como o seu corpo reage ao pace, à velocidade, entre outros aspectos. O treinador e sócio proprietário da V8 Assessoria Esportiva Daniel Oliveira Júnior apresenta alguns tipos de treinos e os seus objetivos.

    Longo – Dependendo do objetivo do corredor, ele visa aproximar a distância de competição com o treino. Geralmente, usa-se essa terminologia para treinos com mais de 15 quilômetros, pois são mais longos do que o normal. No entanto, para quem busca uma maratona, os longos costumam superar os 30 quilômetros.

    Fartlek – Trata-se de um treino variado, que estimule o corpo de diferentes maneiras. Estabelecem-se variações de velocidade por tempo ou por distância, assim como de terreno e de ritmos, sem necessariamente ser organizado de uma forma exata. Exemplo: Correr 1 minuto rápido e 2 minutos devagar; correr 1 quilômetro rápido e um mais lento. A ideia é justamente fazer com que o corpo não se acostume com o ritmo.

    Intervalado – Se você já viu um corredor sentado ou deitado no chão depois de passar voando por você, é bem provável que ele esteja fazendo um intervalado. O foco é fazer estímulos de velocidade separadas por um intervalo de tempo ou de distância. Por exemplo: um treino de 10 estímulos de 400 metros, com 100 metros de intervalo caminhando. Também pode-se fazer o intervalo somente de tempo, com um descanso entre cada série.

    Progressivo – Como o seu próprio nome já diz, a velocidade vai aumentando ao longo do treino. Em um treino de 6 quilômetros, pode-se aumentar o pace gradativamente: 1 km a 6’00’’, depois a 5’40’’, 5’20’’, 5’00’’, 4’40’’ e o último a 4’20’’. Essas velocidades são apenas exemplos e cada corredor deve ajustar o seu ritmo ao treino.

    Regressivo – É exatamente o contrário do progressivo. Em vez de focar no aumento de velocidade, a ideia é ir reduzindo o ritmo para terminar mais lento. Nos dois casos, é um treino que oferece o autoconhecimento e como o corpo reage a cada velocidade.

    Regenerativo – Visa apenas manter o corpo condicionado. Normalmente, é recomendado depois de provas ou de outro treino muito intenso, visto que sua intensidade deve ser bastante leve.

    Qual é o seu treino predileto?

  • 08/06/2018

    Critérios para escolher a corrida certa para você

    Critérios para escolher a corrida certa para você

    Com um calendário cada vez mais inchado, listamos alguns critérios que podem ser usados para você escolher o percurso certo

    Quando você completa alguns anos de corrida, acaba conhecendo boa parte das provas que são realizadas em sua cidade. Algumas delas viram suas prediletas, outras nem tanto, por uma série de motivos pessoais e critérios usados pelos corredores para escolher suas provas.

    Cada vez mais, até mesmo a fim de facilitar o planejamento para o ano, os corredores montam o seu calendário, pensando em provas-alvo, provas-treino e para conseguir organizar os compromissos pessoais e profissionais. Listamos alguns dos fatores usados por nós antes de fazer as inscrições.

    Local – Com quase 8 anos de experiência em corridas, temos optado por fazer mais provas fora de nosso círculo tradicional. Por esse motivo, em 2017, fizemos meias maratonas em São Paulo e Rio de Janeiro. Neste ano, fomos para Camboriú e iremos para Vancouver, Seattle, Florianópolis e São Paulo. Em suma, resolvemos fazer turismo e correr ao mesmo tempo – e é uma delícia!

    Distância – Esse talvez seja o aspecto mais analisado pelos corredores. Boa parte das provas oferece distâncias de 5 e 10 quilômetros. Há um número mais limitado de opções de provas na casa dos 15 quilômetros – ideias para aqueles que buscam a transição dos 10 para os 21. Meias maratonas e as maratonas requerem um planejamento mais longo, porque oferecem menos opções no calendário, assim como exigem um plano de treinamento com antecedência.

    Terreno – Você gosta de corrida de rua, de se aventurar em trilhas, encarar a areia da praia ou de superar obstáculos?

    Data - Você vai estar disponível e preparado para a distância escolhida neste dia? Para provas de longa distância, como meias e maratonas, recomenda-se pelo menos um período de quatro meses para acostumar o corpo à distância.

    Altimetria – Quanto mais pesada for a altimetria, mais complicada será a prova – mesmo que você seja do tipo de corredor que adora subidas e descidas. Por esse motivo, alguns corredores optam por percursos mais leves ou pesados, conforme os seus objetivos. Uma prova com grande altimetria se torna mais complexa para bater recordes pessoais, assim como exige mais cuidado e atenção no período de treinamento, a fim de simular as situações que serão vividas.

    Percurso – Pessoalmente, uma das coisas mais irritantes são os percursos de duas voltas em um mesmo lugar ou que contam com muitas idas e voltas. Por esse motivo, sempre olho o trajeto em cada um dos trechos desejados antes de fazer a escolha. Também costumo evitar provas em sequência pelos mesmos locais.

    Valor – Sabemos que a inscrição das provas está cada vez mais pesada. Por esse motivo, torna-se um critério de escolha, levando em conta uma série de atrativos e critérios para se escolher: vantagens do kit, quem é o organizador; percurso, entre outros detalhes.

    Você usa algum outro critério para escolher e montar o seu calendário ao longo do ano? Se sim, conta para a gente!

  • 01/06/2018

    A primeira vez em uma corrida de obstáculos

    A primeira vez em uma corrida de obstáculos

    Depois de encarar a trilha, foi a vez de enfrentar a lama, o lago, o parkour e muito mais na Corrida de Obstáculos, no dia 26 de maio

    Assim como já disse ao fazer minha primeira corrida em trilha, sou essencialmente um corredor de rua. Procuro sempre treinar para melhorar a postura, a cadência e o comprimento dos passos, além de melhorar os meus tempos.

    Antes da prova

    Dito isso, não sabia exatamente o que esperar da Corrida de Obstáculos, realizada pelo Grupo Uninter no dia 26 de maio. A descrição era clara: mais de 40 obstáculos em 3,5 quilômetros. A questão era: “O que vem pela frente” Por não saber ao certo o que enfrentaria, optei por fazer a inscrição no modelo “treinamento” e não na “competição”, o que significa que poderia fugir de qualquer obstáculo, se assim o desejasse.

    No dia, um sábado típico curitibano, nublado e com uma garoa extremamente fina, cheguei ao 20 BIB, no Bacacheri, e me dei conta do que seria a prova. Como estava na quarta e última bateria do treinamento, pude acompanhar as pessoas chegando, correndo ou andando, com as roupas cheias de lama e indo tomar banho em um caminhão mangueira do exército.

    Preciso fazer um intervalo aqui para dizer que gosto muito de esportes e de atividades físicas, mas tenho certa preguiça de me molhar e seguir correndo, assim como ficar com lama pela cintura. Mas, já que estava lá, bora enfrentar, não é mesmo?

    Concluindo no pós-lama!

    A largada foi às 10h15, com um grupo de aproximadamente 30 pessoas, entre homens e mulheres. Basicamente, você corre por uns 200/300 metros e logo tem a primeira poça de lama, com água até a altura dos joelhos. Não pensei duas vezes e segui o caminho, tentando correr ou andar o mais rápido possível. Ainda estava tentando não sujar as mãos, até prender o pé e ter que me apoiar para não ir de cara na lama. Batizado feito, vamos em frente.

    A prova se divide em duas fases muito claras: a primeira na floresta, e a segunda no asfalto. Na mata, além da lama, é preciso atravessar um lago (nadando ou segurando em uma corda), subir e descer morros com cordas ou escorregando, simular um tiro, rastejar na lama e etc.

    Na segunda parte, os desafios são mais urbanos: fazer barra, carregar peso, pular muros, escalar cordas, além de uma espécie de parkour, no qual é necessário encontrar a forma mais rápida de superar os obstáculos. Confesso que, apesar do que disse antes, me senti muito mais à vontade no mato do que fazendo a etapa do parkour.

    O resultado

    Na largada, perguntei a um homem, que parecia bem preparado, em quanto tempo ele estava esperando fazer: “1h15” foi a resposta. Considerei aquele tempo o meu alvo – como corredor, a gente sempre estabelece um objetivo – sem saber se aquilo seria bom ou ruim.

    Aquele banho recompensador, porém gelado

    Concluí a prova em 50 minutos, em primeiro de minha bateria, com uma sensação de bem-estar muito grande. Até o banho de mangueira foi gostoso, apesar do friozinho. Como os estímulos são variados, você não sente a fadiga clássica da corrida de rua, especialmente nos tornozelos, joelhos e quadris.

    Uma experiência que certamente será repetida no futuro, de preferência em um dia um pouco mais quente!

    Dicas

    Algumas dicas se você pretende fazer algo do tipo:

    - Use o seu tênis mais velho, porque você pode imaginar como ele vai chegar ao fim do percurso.

    - Use calça e camiseta de manga comprida, pois você vai evitar arranhões e pequenas lesões.

    - Se você é do tipo competitivo e está bem fisicamente, pode se inscrever direto na categoria “competição”.

    - Deixe de lado o nojinho e vá viver essa experiência!

  • 21/05/2018

    Calendário de Corridas de Curitiba: julho a setembro

    Calendário de Corridas de Curitiba: julho a setembro


    Confira as provas agendadas para o terceiro trimestre de 2018 na capital paranaense e proximidades

    De maratona na Serra da Graciosa a meia maratona, o calendário de provas de Curitiba promete no terceiro trimestre. Conheça, abaixo, as provas já agendadas para o período entre os meses de julho e setembro.

    As informações desse post se baseiam no calendário definido pela prefeitura de Curitiba para 2018. Se sentiu falta de alguma prova ou de algum percurso nas proximidades da capital, entre em contato para que possamos atualizar a informação. Algumas das etapas também não tiveram suas inscrições abertas até o momento.

    1 de julho
    Maratona Serra da Graciosa – 42 km (revezamento 21 km)
    Informações e inscrições: https://www.glpromo.com.br/eventos-esportivos/maratona-serra-da-graciosa/38

    08 de julho 
    Track & Field Run Series – Pátio Batel – 5/10 km
    Inscrições e informações: https://www.tfsports.com.br/eventos/tfrs-patiobatel-2018
    -
    2º Circuito Popular de Corrida – 5/10 km
    Inscrições e informações: http://www.eliteeventos.com/eventos/

    15 de julho
    Circuito das Estações – Inverno – 5/10 km
    Inscrições e informações: http://circuitodasestacoes.ativo.com/curitiba/inverno/

    22 de julho
    Circuito de Corridas Rústicas das Indústrias – Etapa Novozymes – 5/10km
    Inscrições e informações: http://www.sesipr.org.br/corridasrusticas/inscricoes-2018-1-11190-125911.shtml
    -
    6ª Corrida e Caminhada Mais Marias – 5 e 10 km
    Inscrições e informações: https://www.maismarias.org.br/corrida-mais-marias

    29 de julho
    IX Corrida de Revezamento das Nascentes do Iguaçu – 108 km
    Inscrições e informações: http://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/equipe-smelj/110 

    05 de agosto
    Meia Maratona de Curitiba Uninter – 5km/21km
    Inscrições e informações: https://www.ticketagora.com.br/e/Meia-Maratona-De-Curitiba-Uninter-5401

    12 de agosto
    22ª Prova Pedestre PMPR – Cel. Sarmento – 5/10km
    Inscrições e informações: https://www.ticketagora.com.br/e/Circuito-Pmpr-3-Etapa--22-Corrida-Da-Policia-Militar-Do-Parana--Coronel-Sarmento-5704
    -
    Circuito Sesc Caminhada e Corrida de Rua - 5/10km

    19 de agosto
    Meia Maratona de Revezamento – 5km/42km
    Inscrições e informações: http://www.thomeesantos.com.br/calendario

    23 de agosto
    Esquenta de Corridas – Etapa 4 – 5/10km

    26 de agosto
    3ª Etapa Circuito de Corridas Prefeitura – 5/10km
    Inscrições e informações: http://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/equipe-smelj/110

    02 de setembro
    Circuito e Caminhadas Viva com Saúde – 5/10km

    16 de setembro
    Circuito de Corridas Rústicas das Indústrias – Etapa Bosch – 6/13km
    Inscrições e informações: http://www.sesipr.org.br/corridasrusticas/
    -
    XV Corrida da Polícia Civil – 5/10km
    Inscrições e informações: http://www.thomeesantos.com.br/calendario

    30 de setembro
    Corrida do Fogo – 5/10km

     

  • 14/05/2018

    Inscrições do primeiro lote da Meia Maratona de Curitiba Uninter encerram dia 21

    Inscrições do primeiro lote da Meia Maratona de Curitiba Uninter encerram dia 21

    Com um percurso já conhecido pelos corredores, a Meia Maratona de Curitiba Uninter será realizada no dia 05 de agosto, com largada no Museu Oscar Niemeyer e passagens pelos bairros Centro, Centro Cívico, Rebouças, Água Verde, Batel, Cristo Rei, Jardim Botânico, Alto da Glória e Juvevê.

    Com um percurso desafiador e de altimetria elevada, especialmente na fase final, a prova reuniu, em 2017, mais de três mil corredores. As inscrições estão abertas e seguem, no lote inicial, até o dia 21. Até o dia 28 de julho, os interessados podem garantir a sua participação na prova.

    “Em 2017 já nos surpreendemos com o público, e neste ano a expectativa é que mais pessoas se animem e participem desse grande encontro esportivo, um dos mais tradicionais da cidade”, diz Fabiano Ozique, gerente de marketing e comunicação da Uninter.

    As inscrições online podem ser feitas por meio do site: www.esportepraviver.com.br. Além da modalidade 21 e 5 quilômetros, a prova conta com o percurso da meia maratona dividido em duplas e uma caminhada de 3 quilômetros. As crianças também poderão participar da modalidade kids, que vai dos 4 até os 12 anos, com separações por idade.

    Serviço
    Meia Maratona Uninter de Curitiba
    Data: 5 de agosto
    Horário: A partir das 7 horas
    Modalidades: 3 km (caminhada), 21 km (solo e dupla) e 5 km.
    Local: Museu Oscar Niemeyer
    Mais informações: www.esportepraviver.com.br

  • 09/05/2018

    Lapa comemora os 249 anos com corrida rústica

    Lapa comemora os 249 anos com corrida rústica

    Com sua origem ligada ao tropeirismo, a Lapa – distante cerca de 70 quilômetros de Curitiba – é uma das cidades mais antigas do Paraná e mantém seu Centro Histórico com as características originais. Com a economia baseada em atividades agropecuárias, o município tem investido cada vez mais em turismo, especialmente devido aos seus aspectos históricos e à gastronomia típica.

    Será em meio às ruas de paralelepípedos, as réplicas de luminárias antigas e as construções em estilo colonial português que os atletas cumprirão o percurso da Corrida de Aniversário da Lapa, realizada no dia 27 de maio (domingo), com largada prevista para as 9 horas.

    Com saída em frente ao 15° Grupo de Artilharia de Campanha Auto Propulsado Grupo General Sisson (GAC AP), a corrida rústica terá as distâncias de 5km e 10km (que consiste em 02 voltas), além de Caminhada 3k e Corrida Kids (para crianças e adolescentes entre 04 e 12 anos).

    Além da prática esportiva, a prova incentiva também o turismo local, com a possibilidade de saborear de pratos típicos da região (como o virado de feijão com torresmo, a quirera, os tijolinhos de abóbora e a coxinha de farofa) ao concluir o percurso.

    Inscrições

    Informações e inscrições online até 22/05 ou até o limite técnico de 600 participantes por meio do site:

    https://www.glpromo.com.br/eventos-esportivos/corrida-de-rua-aniversario-da-cidade-lapa/47

    Programação

    7h30 - Abertura do evento

    7h30 – 8h15 - Entrega de kit para atleta não residente em Curitiba e Região Metropolitana

    8h45 – 8h55 – Alinhamento dos atletas no funil

    9h – Largadas

    9h45 – 10h20 – Início da premiação 5 km e 10 km

    10h30 – Início Corrida Kids

    11h - Encerramento do evento

  • 03/05/2018

    Teste genético para corredores

    Teste genético para corredores

    Os treinamentos de corrida e mesmo as orientações nutricionais para os corredores são desenvolvidos conforme uma regra geral, na maioria das vezes, como se todas as pessoas tivessem os mesmos pontos fortes e fracos para melhorar o seu desempenho. Mesmo quando individualizado, por mais personalizado que seja um treino, ele pode não ser totalmente eficiente para determinado atleta, em razão da composição corporal de cada um.

    Hoje, para diferenciar cada pessoa, é possível realizar exames de genética preditiva, identificando as necessidades específicas de cada um. Por meio deles, pode-se avaliar uma série de características, desde as demandas nutricionais, passando pela propensão a lesões e até mesmo o tipo de treino mais adequado para cada pessoa evoluir no esporte.

    Informação para sempre

    “Trata-se de uma informação para ser levada para o resto da vida. É uma análise de DNA, algo que não vai se modificar com o passar do tempo”, esclarece a biomédica Thamile Reus, da Clínica EmagreSee, local onde são realizadas as coletas para diversos exames genéticos em Curitiba. A coleta é simples, com o uso de uma espécie de esponja na bochecha, e os resultados são enviados para o Pro Genomics Genética Preditiva, em Maringá, e ficam prontos em até 30 dias.

    Os testes mais completos, como os realizados na Clínica EmagreSee, dão especificações individuais do paciente, sendo possível determinar os melhores treinos e nutrição. “Toda pessoa tem um metabolismo específico. Os testes personalizam os resultados e indicam muitos caminhos para quem quer ser um atleta melhor ou mesmo melhorar a qualidade de vida”, explica a médica Tatiana Patruni.

    Qual o seu perfil?

    Será que você conta com o tipo de fibra muscular mais adequada para corridas a longa distância? Você é do tipo que aguenta treinar todos os dias ou enfrenta dificuldade na recuperação muscular? Qual a sua resistência mental para suportar exercícios mais longos, como meias maratonas e maratonas?

    Ao realizar esse teste, é possível responder a algumas dessas questões e entender melhor o funcionamento e o comportamento do corpo, dentro da individualidade de cada um. A partir dessas respostas, o planejamento do tipo de exercício e treino mais adequados fica mais fácil, sem seguir uma regra geral.

    “O principal é entender o paciente de forma individual e única, para determinar quais as melhores atividades, a melhor nutrição ou tratamentos. Assim, ele poderá evoluir no desempenho e resultados”, diz Tatiana, uma das sócias da EmagreSee.

    O que pode ser analisado

    Os testes mais completos indicam uma série de aspectos físicos:

    • Tipos de fibras musculares

    • Propensão genética à força

    • Força muscular para isometria

    • Resistência muscular

    • Resistência mental

    • Resistência à hipóxia (redução do oxigênio, como na altitude)

    • Recuperação muscular pós-exercício

    • Flexibilidade

    • Lipólise

    • Vasodilatação

    • Resposta anti-inflamatória

    • Capacidade antioxidante

    • Risco de lesões ósseas

    • Lesões ligamentares

    • Cãimbras

    Também é possível analisar aspectos nutricionais:

    • Absorção de ácido fólico, vitamina C, vitamina D, ômega 3, de grãos integrais, gorduras insaturadas

    • Risco de intolerâncias (lactose, glúten, cafeína, álcool e sal)

    • Metabolismo de carboidrato, de gorduras

    São mais de 20 protocolos possíveis de realizar e cada um possui um valor. Mais informações pelo (41) 3121-2020 ou http://www.emagresee.com.br/.

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES