José Pedriali

José Pedriali

Publicidade
José Pedriali

E onde está a solidariedade dos petistas aos cubanos?

Artistas cubanos estão sendo presos por se rebelar contra decreto do governo que submete apresentações públicas à autorização do governo (ver detalhes abaixo).

O decreto é de julho.

E até agora Chico Buarque e Caetano Veloso não fizeram nenhum show em solidariedade aos colegas cubanos. E nem o PT emitiu qualquer nota de repúdio à censura prévia imposta pelos companheiros cubanos...

E o Boulos, a Manuela D’Ávila, por onde andam?

Só para lembrar: os petistas caíram de pau, impedindo-a de falar, e até de se movimentar livremente, quando a blogueira Yoani Sanchez veio ao Brasil, em 2013, para defender a liberdade de expressão em Cuba.

ARTISTAS CUBANOS SÃO DETIDOS

Vários artistas foram detidos em Havana ao tentarem organizar um protesto contra um novo decreto que, segundo eles, poderá restringir a criatividade e aumentar a censura da cultura em Cuba. A artista Tania Bruguera (foto), conhecida internacionalmente por suas instalações e performances públicas, foi detida por agentes ao sair de casa na manhã de segunda-feira. Segundo a mãe dela, Argelia Fernández, a detenção ocorreu antes de a filha ir ao Ministério da Cultura do país, local marcado para a manifestação.

Publicado em julho, o texto proíbe artistas, sejam eles músicos ou pintores, de "oferecer os seus serviços" em espaços públicos, incluindo casas de espetáculo privadas, sem autorização governamental. Tania, que já havia sido detida no passado por criticar publicamente o governo socialista, foi liberada na noite de segunda-feira, segundo Fernández. A artista decidiu ir direto para o ministério em protesto contra a detenção de colegas.

"Tudo o que posso fazer é mostrar solidariedade", escreveu Bruguera no Facebook ao posar para um foto com uma camisa de estampa: "Não ao Decreto 349". "Se me detiverem, entrarei em greve de fome e sede."

A artista foi detida novamente na noite do mesmo dia, segundo Iris Ruiz, atriz e coordenadora da campanha contra o decreto, um dos primeiros textos legislativos a serem assinados pelo sucessor de Raúl Castro no comando de Cuba, Miguel Díaz-Canel, que assumiu o poder em abril.

"À noite Tania publicava esta mensagem. Pouco tempo depois, era presa por policiais a poucos passos do Ministério da Cultura de Cuba. Não sabemos onde (ela) se encontra. Começam a passar reportagens na televisão nacional a 72 horas de implantar como lei o Decreto 349 e, da mesma maneira, começam os atos difamatórios contra os artistas que discutem esse decreto. Seguem sem dialogar e seguem os artistas presos", lê-se em publicação na rede social de Tania. (O Globo com agências)
 

DESTAQUES DOS EDITORES