• Palestra gratuita ajuda pais e professores de crianças com problemas na fala

    Palestra gratuita ajuda pais e professores de crianças com problemas na fala

    Crianças e adultos com ausência da fala precisam de uma alternativa para se comunicar, em prol da inclusão cada vez mais afinada a cada necessidade. Para orientar a respeito, o Centro de Excelência em Recuperação Neurológica (CERNE) promove a palestra gratuita “O que é comunicação alternativa?”, nesta quinta-feira, dia 14.

    Com cerca de uma hora de duração, o evento ocorre em dois horários: às 9h e às 15h, no CERNE Curitiba (Av. Arthur Bernardes, 1.385). O evento é aberto aos pais e responsáveis dos pacientes do CERNE e também a toda a comunidade, como professores e pedagogos, com entrada franca.

    A palestra será ministrada pela fonoaudióloga Edineia Barreto, que trará diversas formas para a introdução da comunicação alternativa, que pode envolver o uso de figuras, fichas, entre outros recursos. Edineia também é pedagoga com especialização em motricidade orofacial e disfagia, alfabetização e letramento, com atuação na reabilitação Neuroauditiva SENA, Implante Coclear, Método TEACH e ABA.  

    Serão tratadas abordagens de intervenção comprovadas cientificamente, como a Análise Aplicada do Comportamento (ABA), o Método  TEACCH: (Tratamento Educação para Autista), que também pode ser usado para crianças com déficits relacionados à comunicação. Outro sistema é o de Comunicação por Troca de Imagens (PECS) e a Comunicação alternativa apoiada e não apoiada.

    SERVIÇO
    Palestra: “O que é comunicação alternativa?”
    Data: 14 de novembro (quinta)
    Horário: às 9h e às 15h
    Local: CERNE Curitiba - Av. Arthur Bernardes, 1.385
    Entrada franca (sem necessidade de inscrição)

  • Vestibular

    Vestibulandos se preparam para o tradicional “aulão” de véspera, na Ópera de Arame

    Vestibulandos se preparam para o tradicional “aulão” de véspera, na Ópera de Arame

    A Ópera de Arame será palco do famoso “Aulão de Véspera” para estudantes que buscam uma chance na UFPR (Universidade Federal do Paraná), em 2020. Este evento acontecerá neste sábado, dia 26, das 08h às 18h, com intervalo de uma hora para almoço. São esperados 1650 vestibulandos vindos de colégios públicos e particulares de Curitiba, como também de diversas regiões do Estado para sanar as últimas dúvidas antes das provas da primeira fase do vestibular 2020.

    Para participar, basta se inscrever antecipadamente no link bit.ly/AulaodeVésperaDynâmico e, no dia, levar um quilo de alimento não perecível (opcional).

    As inscrições são limitadas
    Segundo o coordenador do curso Pré-Vestibular, Paulo Klauss, o objetivo deste encontro é para que os alunos possam descontrair com aulas divertidas, revendo os principais tópicos neste momento tão importante da trajetória acadêmica.

    Vestibular UFPR
    Na primeira etapa, que ocorrerá no dia 27 de outubro, os candidatos responderão 90 questões objetivas de Conhecimentos Gerais sobre Matemática, Física, Química, Biologia, Geografia, História, Língua Estrangeira, Português, Literatura Brasileira Filosofia e Sociologia.

    A segunda etapa acontecerá nos dias 24 e 25 de novembro, sendo que no primeiro dia será a prova de Compreensão e Produção de Texto, e no segundo, provas específicas de acordo com o curso escolhido.

    Este ano, estão sendo ofertadas 5.661 vagas no vestibular mais concorrido e cobiçado do Paraná. Os classificados na primeira fase do vestibular serão conhecidos no dia 13 de novembro.

    Serviço:
    Aulão de Véspera / Dynâmico

    Local:  Ópera de Arame
    Dia:  26/10 (sábado)
    Horário: das 08h às 18h
    Inscrições limitadas: bit.ly/AulaodeVésperaDynâmico
    Preço: um quilo de alimento (opcional)

  • Audiodescrição Curitiba

    V Encontro Nacional de Mulheres Cegas e com Baixa Visão

    V Encontro Nacional de Mulheres Cegas e com Baixa Visão

    De 24 a 27 de outubro acontecerá o V Encontro Nacional de Mulheres Cegas e com Baixa Visão (MBMC), em Curitiba. Com o tema “Trabalho e Empregabilidade”, mais de 60 mulheres com deficiência visual estarão reunidas discutindo questões importantes para a inclusão deste público. O evento será realizado na Uninter, na Rua XV de Novembro.

    A ideia do evento surgiu a partir do momento em que se percebeu a ausência da discussão de gênero. Por esse motivo um dos objetivos é o de contribuir para o empoderamento e autonomia das mulheres cegas e com baixa visão. Para este ano a discussão gira em torno da empregabilidade como acesso e direito a plena cidadania.

    O evento em Curitiba, tem a coordenação deLeila Lima/PR, Politologa pela UNINTER, profissional da área de saúde, ativista de movimento social MOHAN, Conselheira -Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Curitiba, Integrante da coordenação UBM- Pr, pesquisadora, coordenação executiva comunicação MBMC, mulher com baixa visão.

    Entre os temas abordados, a advogada Valéria Siqueira, responsável pelo Centro de Inclusão e Apoio à Pessoa com Deficiência da OAB Paraná, vai falar sobre a discriminação que existe na hora de contratar pessoas com deficiência. “Vou levar dados estatísticos sobre a participação da mulher no mercado formal de trabalho e também indicar o que pode ser feito para facilitar sua contratação, começando pelo currículo e passando pela capacitação. O centro do debate será sobre fatores que geram a exclusão das pessoas com deficiência do mercado de trabalho e sobre os recursos que podem ser empregados para derrubar essas barreiras”, afirma a advogada.

    Sobre o MBMC
    Foi em 2015 que ocorreu o I Primeiro Encontro de Mulheres Cegas e com Baixa Visão, em Terezinha/PI. Nesse encontro decidiu-se que seria um movimento nacional, mas que atendesse as necessidades e demandas regionais. Sendo assim, a ideia é que cada sua cidade crie uma identidade local, para que o movimento se interiorize sem ter a intenção de competir com associações e movimentos de cegos.

    O maior foco, portanto, é a afirmação da identidade, o autoreconhecimento, tanto da família como da sociedade, sobre o fato de que todas as mulheres cegas e com baixa visão são pessoas que têm direitos, que pode exercer sua cidadania e sua profissão independentemente da deficiência.

    Dúvidas e inscrições:
    E-mail inscricaombmc@gmail.com

    #Descriçaodaimagem #Pracegover #Paratodasetodosverem Anúncio do V Encontro, no canto superior esquerdo a logo (Flor em preto e branco com as pétalas em formato de olhos). No centro o texto: V ENCONTRO NACIONAL DE MULHERES CEGAS E COM BAIXA VISÃO – MBMC. De 24 a 27 de Outubro de 2019 Local: Uninter Campus Garcez (Praça Osório – Centro). Fonte cor preta, de fundo com pouca opacidade o Museu Oscar Niemeyer conhecido como Museu do Olho devido a semelhança arquitetonica com o formato de um olho. No canto superior direito e inferior esquerdo está disposto a logo (cor branca e fundo preto) do MBMC, como uma estampa (padrão de repetição). Fim da descrição.

    Confira a programação

    24/10
    14h
    Abertura com apresentação Cultural

    14h40 às 15h 
    Composição de mesa: representantes da Executiva Nacional do MBMC, representantes das instituições e empresas parceiras, autoridades e convidados. 

    15h às 17h
    Mesa 1: Palestra magna e debate - O Trabalho como direito das pessoas com deficiência e o acesso das mulheres cegas e com baixa visão a esse direito. Palestrante: Ivone Santana/SP.  Mediação: Gislana Monte Vale/CE

    18h às 19h
    Atividade 1: Lançamento e noite de autógrafo do livro “Muito Além da Visão - Narrativas   de pessoas com deficiência Visual”

    25/10

    8h15 às 10h20 
    Mesa 2: Conhecendo O Sistema de Cotas, a Legislação e Caminhos para o Trabalho, seguida de debate. Palestrantes: Priscila Selares/MA, Berenice Lessa e Valéria Siqueira PR. Com mediação de Rita Luz/MS 

    10h50 às 12h30
    Mesa 3 - As instituições de Formação Profissional e as atividades de preparação para o trabalho voltadas  para as pessoas com deficiência. Na sequência debate. Palestrantes: Representantes do Sistema "S". Mediação de Kelly Araújo/ MA  e Rita Guaraná/PE  

    14h às 17h30
    Atividade 2: Visita ao Grupo Boticário considerando conhecer processos relativos ao trabalho formal características e inclusão de mulheres com deficiência visual com a coordenação de  Leila Lima/PR e Josiane França/RS 

    18h
    Atividade 3: Exposição com Audiodescrição. Homenagem a Dra. Moema Espínola Araújo, médica ilustre, formada pela Universidade Federal do Paraná, mãe, poeta, ativista dos direitos das pessoas com deficiência, mulher cega, símbolo da luta das mulheres cegas e com baixa visão presentes no V Encontro nacional do MBMC.

    26/10

    8h às 9h
    Mesa 4: A Mulher com Deficiência Visual e o Trabalho: Do Capacitismo a Superação de que lugar falamos? Palestrante: Camila Alves/RJ  e mediação de Wanda Silva/RJ , Priscila Dantas/BA

    9h30 às 12h
    Mesa 5: Roda de conversa sobre as diversas formas de trabalho das mulheres com deficiência visual. Coordenação: Olivia von der Weid  

    13h40 às 17h30
    Atividade 4: City-tour pelos pontos turísticos de Curitiba com recursos de audiodescrição. Coordenação: Leila Lima/PR Equipe local/PR

    18h
    Atividade 5: Sarau de confraternização e reconhecimento da Cultura local Espaço Cine Passeio complexo Cultural com cinema e café Coordenação: Leila Lima/PR, Josiane França/RS e Denise Santos/PI.

    27/10
    8h30 às 13h

    Atividade 6: Assembleia de líderes do MBMC Local: Casa da Mulher Brasileira Coordenação: Cristina Gonçalves/BA

    13h30
    Almoço de  Encerramento

     

  • 6ª edição da Expocine apresenta acessibilidade nos cinemas

    6ª edição da Expocine apresenta acessibilidade nos cinemas

    Inicia amanhã, dia 1º de outubro e prossegue até sexta (4), a 6ª edição da Expocine, no Centro de Convenções Frei Caneca em São Paulo. Entre as novidades está o kit cinema, que permite a pessoas com deficiência visual e auditiva se divertirem em uma sessão de cinema, recebendo todas as informações para o entendimento do filme e trazendo acessibilidade às telonas. A tecnologia é desenvolvida pela Riole, empresa paranaense fundada em 1982, que também é patrocinadora do maior evento do segmento na América Latina e segundo maior no mundo.

    O kit cinema promete chamar a atenção do setor de quem passar pelo stand da Riole. Na oportunidade eles apresentarão sua mais recente inovação: o ProAccess - Sistema de Acessibilidade para Cinemas. Para as pessoas com deficiência auditiva, o equipamento tem uma tela pela qual é transmitida a tradução em LIBRAS do filme. Já para as pessoas com deficiência visual, por meio de fones de ouvido, é possível ouvir a audiodescrição do filme.

    “É muito gratificante ver a alegria dessas pessoas poderem participar de uma sessão de cinema com toda a autonomia que precisam. Muitas delas, jamais tinha ido a uma sala de cinema e queremos aumentar ainda mais esse público com a demonstração dos nossos produtos na Expocine”, explica Cristiane Moro, diretora da Riole à frente do projeto.

    Vale lembrar que o Brasil tem cerca de 3 mil salas de cinema e, até o dia 1º de janeiro de 2020, todas as de grande porte deverão estar equipadas com ferramentas de acessibilidade para pessoas com deficiência visual e auditiva, beneficiando um público-alvo estimado, segundo dados do IBGE, em torno de 10 milhões (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, sancionada em 2015).

  • Como estimular a fala do seu filho

    Como estimular a fala do seu filho

    Muita gente acha fofo falar no diminutivo com as crianças ou usar o “mamanhês”, falando até mesmo errado com os pequenos. Mas será que isso pode atrapalhar o desenvolvimento da fala?

    Os especialistas dizem que sim, e mais: é preciso prestar muita atenção aos estímulos certos que estamos dando aos nossos filhos.

    “Culturalmente, a criança é vista como um ser sem capacidade, pequeno, e isso nos leva a diminuir as palavras também”, explica a pedagoga Marianna Canova, diretora do Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil. Daí surge o “papazinho”, a “carninha”, entre outras reduções. “Mas se você diminui as coisas referentes à criança, ela acaba não se sentindo capaz de evoluir”, acrescenta.

    Para a pedagoga, acreditar no potencial da criança e transmitir isso por meio da linguagem é fundamental para estimular a autonomia e a própria fala. Isso porque as crianças repetem tudo o que está à sua volta.

    Um exemplo é o uso de um vocabulário limitado com os filhos, por acreditar que eles não estão prontos para “palavras difíceis”. A verdade é que eles nos compreendem de várias formas, desde o nascimento. Daí a necessidade de conversar com os filhos desde bebê.

    “Se você amplia o repertório dessa criança, naturalmente estimula o desejo por mais conhecimento”, conta Marianna. E não é esse o desejo de toda família?

    Para os maiores, outra dica importante é estimular o pensamento junto com a construção da linguagem. Sempre que possível, você pode responder perguntas com outras perguntas. Por exemplo: “Mãe, o que é isso?” e a resposta: “O que você acha que é?” Muitas vezes, a criança já tem a resposta, mas estava insegura e precisava da confirmação dos pais.

    Na escola, o principal instrumentos das professoras é a escuta: ouvir o que a criança tem a dizer irá estimular sua relação com a fala e dar coragem para interagir com o  grupo.

    Dificuldades de fala

    Se o seu filho apresenta dificuldade de fala aos dois ou três anos de idade, já é possível procurar a ajuda de um profissional fonoaudiólogo, que fará uma avaliação e, se necessário, sessões de terapia.

    “Os problemas mais comuns são o atraso na aquisição da linguagem, trocas de fonemas ou a apraxia da fala (dificuldade motora para formar os sons)”, explica a fonoaudióloga Mauren Sordi Munhoz, que presta assessoria ao Peixinho Dourado.

    É verdade que cada criança tem seu tempo de desenvolvimento, mas tanto a família quanto a escola precisam estar atentos caso as dificuldades na fala se mostrem muito pronunciadas.

    Existem fatores que podem desencadear esse atraso, tais como a falta de estímulo (criança que só brinca sozinha ou passa muito tempo usando equipamentos eletrônicos) ou mesmo problemas auditivos.

    Alguns sintomas são: a criança aponta muito em vez de falar? Não consegue se expressar? Quando fala, é incompreensível?

    “Não espere muito tempo para procurar ajuda, pois quando a intervenção é precoce, a evolução ocorre rapidamente”, alerta a fonoaudióloga.

    Dicas para estimular a fala:

    • Nomeie objetos, partes do corpo, alimentos e sempre descreva para que servem

    • Incentive o contato visual e brinque com seu filho

    • Faça caretas, encha bexigas e ande descalço: acredite, essas são práticas simples que auxiliam no desenvolvimento como um todo

    Fonte: Texto editado a partir da Assessoria de Imprensa da Escola Peixinho Dourado

  • Audiodescrição

    Festival do Minuto com Audiodescrição, hoje, no Cine Passeio

    Festival do Minuto com Audiodescrição, hoje, no Cine Passeio
    Dublador Léo Rabello (Foto: Inclusive Acessibilidade)

    É hoje que ocorre o Festival do Minuto com Audiodescrição, no Cine Passeio. O Festival inicia às 19h, com entrada franca. Serão 16 filmes com audiodescrição no 8.º Seminário Nacional Cinema em Perspectiva. Ao final da sessão, ocorrerá um bate-papo com o audiodescritor consultor Manoel Negraes. 

    Faz parte também da programação a apresentação do curta Catadora de Gente, de Mirela Kruel. Produção de audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal. Roteiro: Mimi Aragón. Consultoria: Manoel Negraes. Narração: Rodrigo Sacco Teixeira. Técnico de áudio: Bruno Klein (Porta da Toca Estúdio).

    A roteirista Georgea Rodrigues, da Inclusive Acessibilidade, que há três anos faz a acessibilidade do Festival do Minuto, explica que o trabalho é conceitual e denso. Este ano, a empresa resolveu ampliar a consultoria e convidou Manoel Negraes para fazer parte da equipe com o objetivo de escutar novos olhares e somar conhecimentos.

    Um dos desafios, explica ela, foi ampliar o leque de possibilidades, saindo da “neutralidade” da narração em Audiodescrição. Entraram com vontade na atmosfera dos filmes e para isso convidaram dubladores conhecidos do público em geral, escolhidos por meio de uma enquete entre pessoas com deficiência visual. Os nomes que surgiram foram os de Flávia Saddy, Fernanda Barone, Reginaldo Primo e Léo Rabello (foto). Profissionais experientes na arte da voz. Eles embarcaram com maestria e extrema dedicação para compreender o que é a Audiodescrição e como é construída.

    O evento é promovido pelo curso de Cinema e Audiovisual, pelos Cursos de Mestrado Acadêmico em Cinema e Artes do Vídeo e Mestrado Profissional em Artes e pelo Curso de Pós-Graduação em Cinema com ênfase em Produção da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), em parceria com o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu – Mestrado e Doutorado em Comunicação –, da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

    O apoio é da Vias Abertas – Comunicação, Cultura e Inclusão, da OVNI Acessibilidade Universal, da Inclusive Acessibilidade Produção Cultural, da Lança Filmes e do Festival do Minuto.

    Saiba mais:

    FESTIVAL DO MINUTO | MOSTRA ACESSIBILIDADE

    1. ROSÁRIO (Brasil) – Mirian Rolim
    2. MY BODY IS (Inglaterra) – Fenia Kotsopoulou
    3. PIANO (Brasil) – Rafael Ferrari
    4. NIGHT NIGHT (Irã) – Golnaz Moghaddam
    5. CAI CEU (Brasil) – Flávio Galvão
    6. CEP 01311-300 (Brasil) – James Salinas
    7. FOME (Brasil) – Sofia Freire
    8. DISFORIA (Brasil) – Figgy Isa
    9. CAMINHO PARA CASA (Brasil) – Gabriel Fonseca, Ana Cláudia Bettoni, Gabriella Lourenzato, Laura Braz e Thais Leister
    10. FUMAR (Brasil) – Yasmin Rocha
    11. BARRAGEM (Brasil) – Yghor Boy
    12. MERCURIO (Brasil) – Rodrigo Dallano
    13. INTERROGAÇÃO (ou Psicopata Legalizado) (Brasil) – Moisés Pantolfi
    14. 0880 (Brasil) – Gabriel Neftali
    15. Barba (Brasil) – Sabrina Valente
    16. Caixa Mágica (Brasil) – Carol Santino, Thaís Barreto e Xulia Doxangui.

    Ficha técnica:
    Produção de audiodescrição: Inclusive Acessibilidade Produção Cultural.
    Roteiro: Georgea Rodrigues e Larissa Hobi.
    Consultoria: Cida Leite e Manoel Negraes.
    Narração: Georgea Rodrigues, Daniel Machline, Fernanda Barone, Flávia Saddy, Reginaldo Primo e Léo Rabelo.

    CATADORA DE GENTE (Brasil) – Mirela Kruel

    Sinopse: Um retrato de Maria Tugira Cardoso, que há 30 anos dedica sua vida à catação de lixo, em Uruguaiana, no interior do Rio Grande do Sul. Com sua fala lúcida a respeito da vida e de suas complexidades, Tugira narra sua história e propõe ao espectador uma reflexão profunda sobre as desigualdades sociais do Brasil.

    Confira a programação da sessão com audiodescrição no link:
    https://www.cinemaemperspectiva.com/mostracinema

    Sobre o Manoel Negraes
    Audiodescritor consultor com formação em Sociologia e Política. É pós-graduado em Sociopsicologia, Antropologia Cultural e Audiodescrição.  Atua há mais de dez anos na área de inclusão social e defesa das pessoas com deficiência. No poder público trabalhou na Secretaria da Pessoa com Deficiência. Acumula ainda experiência na área de direitos humanos, com atuação na iniciativa privada e no terceiro setor. É proprietário da Vias Abertas - Comunicação, Cultura e Inclusão. Como consultor em Audiodescrição trabalhou na acessibilidade do filme “Estou me guardando para quando o Carnaval chegar”; do documentário “Fronteiras Guaíra”; atuou no Festival de Gramado com o filme "Catadora de Gente"; no espetáculo de dança-teatro "La Cena"; exposição de fotos “Observador”; na Parada de Natal da Avenida Batel; no show de Yamandu Costa e Borguetti; e na TV Evangelizar. Também desenvolve diversos projetos como o Coletivo Bengala Verde e o Movimento Encarte na Faixa.

    Serviço:
    Local: Cine Passeio (Rua Riachuelo, 410 – Centro. Sala Valêncio Xavier)
    Data: 19/09 às 19h - Entrada franca
    Endereço: Rua Riachuelo, 410 – Centro. Curitiba / PR.

     Fonte: editado com informações da Inclusive Acessibilidade Produção Cultural

  • Autismo

    CERNE promove palestra gratuita sobre como lidar com as necessidades da criança com autismo

    CERNE promove palestra gratuita sobre como lidar com as necessidades da criança com autismo
    Carolina Gomes Santos, terapeuta ocupacional

    Quem ama alguém com o transtorno do espectro autista (TEA) sabe o quanto é difícil saber o que fazer em diversas situações. Ajudar a lidar com esses momentos é o objetivo da palestra “Comportamentos inadequados – da teoria à prática”, a ser apresentado pela terapeuta ocupacional Carolina Gomes Santos, nesta sexta (dia 20), em dois horários: 9h e 15h, no CERNE Curitiba (Av. Arthur Bernardes, 1.385).

    A palestra, promovida pelo Centro de Excelência em Reabilitação Neurológica (CERNE), terá uma hora de duração. O evento é aberto aos pais e responsáveis dos pacientes do CERNE e também a toda a comunidade, com entrada franca.

    Carolina  fará uma breve explanação sobre o que a pessoa com autismo sente em situações inusitadas e depois abrirá espaço para perguntas. Para ela “a criança com autismo tem baixa resiliência e torna-se opositora quando contrariada. É importante saber discernir momentos de birra dos momentos de insegurança”. 

    A terapeuta ocupacional tem atuação em Integração Sensorial, possui experiência em reabilitação cognitiva e gestão de comportamentos inapropriados. Também é supervisora em estratégias de ensino naturalistas no modelo Denver de intervenção precoce para crianças com autismo.

    SERVIÇO:
    Palestra Como intervir nos comportamentos inadequados
    Local: CERNE Curitiba - Av. Arthur Bernardes, 1.385
    Data: 20 de setembro ( sexta-feira)
    Horários: 9h e 15h

  • Acessibilidade Cultura

    Cinema sem Barreiras promove, dia 24, sessão inclusiva gratuita do filme O Rei Leão

    Cinema sem Barreiras promove, dia 24, sessão inclusiva gratuita do filme O Rei Leão

    Até o dia 1º de janeiro de 2020 todas as salas de grande porte de cinema no Brasil deverão estar equipadas com ferramentas de acessibilidade para pessoas com deficiência visual e auditiva, beneficiando um público-alvo estimado, segundo dados do IBGE, em torno de 10 milhões. O que muitas pessoas com deficiência ainda não sabem é que já é possível ir ao cinema e ter assegurado, com igualdade de condições, o que prevê a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, sancionada em 2015.

    Isso porque a acessibilidade já vem sendo colocada em prática com a legenda descritiva na tela e o uso de equipamentos adequados: no caso das pessoas com deficiência auditiva, o equipamento possui uma tela pela qual é transmitida a tradução em LIBRAS do filme; e para as pessoas com deficiência visual, por meio de fones de ouvido é possível o usuário ouvir a audiodescrição do filme.

    Pensando em reforçar os direitos previstos em lei e divulgar a tecnologia existente em Curitiba, ocorrerá uma sessão gratuita do filme O Rei Leão (dublado em 2D), no dia 24 de agosto (sábado), no Cineplus Jardim das Américas (Av. Nossa Sra. de Lourdes, 63), a qual estão sendo esperados mais de 70 pessoas com deficiência. A ação denominada “Cinema sem Barreiras” é uma iniciativa conjunta entre a Riole, empresa fabricante da tecnologia assistiva; o Cineplus Jardim das Américas; o departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Curitiba; a gerência executiva de Educação da Fiep; a Vias Abertas Comunicação, Cultura e Inclusão; e a Tic Tag Comunicação & Educação Acessíveis.

    Para os organizadores da sessão gratuita, esta conquista merece ser comemorada e mais ainda divulgada para que o público-alvo possa ter uma manhã com entretenimento e possa conhecer a tecnologia desenvolvida especialmente para ele. Estão entre os beneficiados da ação, do dia 24, usuários de instituições especializadas, assim como alunos de instituições de ensino do sistema Fiep, na região de Curitiba, Araucária e Campo Largo.

    O Paraná é protagonista e precursor, no Brasil, no desenvolvimento da tecnologia, assim como na promoção do entretenimento ao público beneficiado. Isso porque a Riole, desenvolvedora do equipamento já disponível em várias salas de cinema do Brasil, tem a sua sede em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba, e enquanto que o Cineplus do Shopping Jardim das Américas, localizada em Curitiba, foi a primeira sala de cinema do Brasil a adotar os equipamentos de acessibilidade.

    Para a diretora da Riole, Cristiane Moro, a empresa começou a produzir o equipamento usado no cinema, de olho na legislação, assim como ao detectar a ausência de tecnologia voltada para o entretenimento cultural para esse público. “Por traz desta iniciativa, foram necessárias muitas pesquisas para o desenvolvimento dos equipamentos, que é brasileiro e totalmente projetado por nós”, disse a diretora.

    Também se orgulha em ser pioneiro a oferecer a acessibilidade nas salas de cinema, o Cineplus Jardim das Américas. Para a sócia Marina Pastre, é um orgulho fazer parte deste projeto. “É uma emoção ver as pessoas com necessidades especiais serem agora incluídas nas salas de cinema, uma vez que antes não podiam acompanhar a família neste tipo de lazer”. Ela explica, que o acesso à tecnologia é individual e deve ser solicitado pelo cliente logo na bilheteria, na compra do ingresso. 

    Serviço:
    Cinema sem Barreiras
    Exibição do filme O Rei Leão (dublado em 2D)
    Público-alvo: 
    pessoas com deficiência e acompanhantes
    Local: Cineplus Shopping Jardim das Américas (Av. Nossa Sra. de Lourdes, 63)
    Horário: 10h (recepção) 10h30 (início da sessão)
    Realização: Riole; Cineplus Shopping Jardim das Américas; Departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Curitiba; Gerência Executiva de Educação da Fiep; Vias Abertas Comunicação, Cultura e Inclusão; e Tic Tag Comunicação & Educação Acessíveis.

    #PraTodosVerem Imagem retangular do banner com fundo cinza claro e margem fina amarela. No canto superior esquerdo, em letra maiúscula e cinza escura: CINEMA SEM BARREIRAS A MAGIA DO CINEMA AO ALCANCE DE TODOS. No canto superior direito, também em letra cinza escura: 24 AGOSTO 10h CINEPLUS Shopping Jardim das Américas Curitiba. Ao centro, dois ingressos sobrepostos na cor amarela. No centro do ingresso: Cinema Sem Barreiras em letra branca e maiúscula sobre fundo preto. Abaixo a identificação do número ilegível da poltrona. Ao lado em letra branca sobre fundo amarelo: 24 de agosto de 2019. E abaixo em letra branca sobre fundo preto: 10:00 A.M. Ao lado direito em preto sobre fundo amarelo, um código de QR Code. Na extremidade direita do ingresso em letra maiúscula preta sobre fundo branco: O REI LEÃO e o código QR Code. Abaixo dos ingressos em letra cinza escura: Filme O REI LEÃO Com Libras, Audiodescrição e Legenda Descritiva. Evento Gratuito / Convites Limitados. Na base inferior Realização: com as logos da Riole e do Cineplus. Apoio: com as logos da Prefeitura de Curitiba, Sistema Fiep, Tic Tag Comunicação & Educação Acessíveis, Vias Abertas Comunicação, Cultura e Inclusão.

  • Passividade, isolamento, desmotivação: sinais de alerta para a saúde emocional da criança

    Passividade, isolamento, desmotivação: sinais de alerta para a saúde emocional da criança

    Mesmo quando a criança recebe todos os cuidados físicos de que precisa, como alimentação adequada, idas ao pediatra e temperatura ideal do ambiente, existe o risco de se negligenciar as emoções.

    “É fundamental ensinar a reconhecer os próprios sentimentos e lidar com eles”, alerta a psicóloga/psicopedagoga Márcia Canova, que acompanha e aconselha famílias há quase 40 anos.

    No ambiente escolar, é fundamental que toda a equipe observe comportamentos que sinalizam que algo não está bem, como o isolamento. “A criança braba coloca seus sentimentos para fora, e então é possível ajudá-la. Já a introspectiva requer observação, mais questionamento e estar mais próximo”, explica a psicóloga.

    Além disso, durante o período de descoberta dos primeiros anos de vida, é importante ensinar a criança a identificar seus sentimentos: quando está com raiva, feliz ou entristecida.

    No Peixinho Dourado Berçário e Educação Infantil, desde pequenos os alunos usam o “emocionômetro”, um quadro em que a criança desloca uma figura até a emoção que está sentindo. Usando esse gancho, no início das aulas a professora questiona como todos estão, aborda os sentimentos e até cansaço ou saudade em rodas de conversa.

    “A produtividade melhora muito depois, porque a emoção interfere demais no processo de aprendizagem”, explica Márcia, que é psicopedagoga do Peixinho Dourado, em Curitiba (PR).

    Vida adulta

    Outro alerta para pais e professores é a importância de se ensinar e estimular comportamentos que envolvem o autocontrole emocional, como também iniciativa, autonomia, interesse e persistência. “Esses são elementos emocionais que farão a diferença no futuro, moldando a estrutura emocional da criança para que ela consiga reagir adequadamente às exigências que a vida trará”, ensina Márcia.

    Uma criança passiva e desmotivada até cerca de 8 anos de idade terá muito mais dificuldade de mudar esse comportamento depois.

    Nessa hora, é importante ensinar a resolver problemas de relacionamento típicos da idade – mas não fazer o trabalho por ela.

    Por fim, é preciso lembrar que a vida não é feita só de momentos bons e felizes, e, portanto, é incoerente cobrar da criança uma felicidade idealizada. Nos momentos de tristeza, surge a oportunidade de conversar e ensinar a pensar sobre si.

  • Deficiência visual

    Equipe multiprofissional faz adaptações na escola de Vítor

    Equipe multiprofissional faz adaptações na escola de Vítor

    Quando Vítor Cargnelutti, 6 anos, começou a frequentar o Centro de Excelência em Recuperação Neurológica (CERNE), com o auxílio de seus terapeutas, seus professores e coordenadores aprenderam a fazer as adaptações necessárias para que o garoto acompanhasse melhor as aulas.

    “Na avaliação do Vítor, percebemos que ele tem dificuldade para seguir um objeto com os olhos e visualizar objetos no campo visual periférico”, explica a terapeuta ocupacional Thaysse Ferreira. Vítor havia sido diagnosticado pelo oftalmologista com estrabismo e ptose palpebral, o que afeta algumas funções da visão.

    Usando a terapia com tampão, plano inclinado e objetos luminosos, a resposta visual do menino tem melhorado. O manuseio de objetos é feito com anteparo para facilitar a diferenciação de cores.

    Com isso, a estimulação visual, aliada a terapias que utilizam brincadeiras e à psicopedagogia, tem trazido resultados para a vida do menino, tanto em casa como na escola.

    Adaptações na escola

    Para comunicar essa complexidade visual e aprimorar o tempo do Vítor em sala de aula, Thaysse e outras terapeutas foram à escola. Para sua surpresa, foram recebidas por um comitê com todos os seus professores, coordenadores e o núcleo de ensino, que se reuniram para entender melhor o caso e trabalhar em equipe. “Mostramos a qual distância ele enxerga e até quantos centímetros consegue fixar o objeto”, ela conta.

    Para melhorar essas condições, foi explicado que, quando a professora apresentar um livro ao Vítor, por exemplo, ele deve ter baixa complexidade visual, para depois, com o tempo, aumentar o nível de estímulos.

    A posição de Vítor em sala de aula também foi modificada: além de ficar na frente, ele precisa ficar no meio da sala, para ter o melhor aproveitamento do resíduo visual. Os estímulos visuais também foram reduzidos, e a principal adaptação foi o uso do plano inclinado para favorecer a posição da cabeça. “A resposta dele é melhor quando o objeto é elevado do que quando está sobre a mesa”, conta a terapeuta.

    Feitas essas adequações, as professoras perceberam que, agora, ele presta mais atenção nas aulas. As adaptações passaram também pelo mobiliário, uso de cores de alto contraste, tamanho e formas dos objetos apresentados. Na alimentação escolar, Vítor ganhou um prato com bordas e antiderrapante, o que facilita o manuseio com a colher.

  • Literatura

    Oficina e mediação de leitura de Sibila para a criançada

    Oficina e mediação de leitura de Sibila para a criançada

    Mediação de leitura pela autora de Sibila, Marilza Conceição, e oficina de confecção de cobra de anéis de papel em 3D com o Coletivo Criar e Brincar. Essas são as atrações que pretendem movimentar as férias da criança, no sábado, dia, 27, das 10h às 12h, no Leitura Genial(Avenida Paraná, 1758 loja 2), que também contará com sessão de autógrafos. 

    Sibila, editado pela Insight, é o mais novo livro da professora e escritora Marilza Conceição, autora de diversos livros e coletâneas infantis e até mesmo de uma novela infantojuvenil. As ilustrações são assinadas por Ingrid Osternack de Barros Neves.  

    A história de Sibila é resultado de momentos vividos em sala de aula pela autora com alunos da Educação Infantil de uma escola municipal de Curitiba. “O livro é uma combinação do faz de conta, do brincar com a leitura. A história é costurada com fios do real e do imaginário, que fazem parte do processo de aprender a ler”, diz Marilza. 

    Marilza conta que Sibila era uma cobra de pano; dessas feitas para estancar o vento que passa pelo vão das portas. Lembra a autora, que os alunos se envolveram em muitas brincadeiras, criando até amizade verdadeira com o bichinho de pano. As crianças tiveram tanto afeto pelo bichinho, que Marilza resolveu transformar essa experiência de sala de aula em um livro.

    Defensora do universo do faz de conta, Marilza acredita que, na escola, a utilização do texto poético do livro Sibila como unidade de ensino, permitirá à criança interpretar e desenvolver competências discursivas, linguísticas e estéticas. “Tais competências irão estimular a imaginação, construir visão de mundo, oportunizar o pensar em diferentes pontos de vista, em senso de cooperação e responsabilidade”, acredita Marilza.

    Contrapartida Social – O livro, realizado por meio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo do Positivo, tem como contrapartida social oficinas de desenho de personagens, a partir de audição da história.

    Sobre a autora Marilza:  Escritora de Literatura Infantojuvenil, curitibana, especialista em práticas pedagógicas para a Educação, compositora de músicas infantis e mediadora de leitura. Pela Editora Insight é autora das obras: Trem na Loja de Brinquedos (2018), O Balé da Chuva (2014), O Ovo do Bolo (2014). Escreveu a novela infantojuvenil As Primas (2013). Participou das coletâneas: Trem de Histórias (2011), Cakibooks, Rio de Janeiro - publicação da AEILIJ e Torre de Papel (2014) -  compilado por autores independentes de Curitiba. Mais informações: http://marilzaelivros.blogsp12ot.com

    Sobre a ilustradora Ingrid Osternack de Barros Neves:  Nasceu em Curitiba. Foi professora de Educação Infantil, professora de Educação Artística e hoje se dedica em tempo integral à Ilustração Infantil. Formou-se em Pintura pela Accademia di Belle Arti di Venezia, na Itália, onde morou por 6 anos. Também participou de cursos para ilustração de livros infantis na Fondazione Mostra Internazionale di Illustrazione per l'Infanzia Stepan Zavrel em Sàrmede, Itália. Mais informações: http://www.ingridosternack.com

    Sobre a Editora Insight: Publica livros que estimulam a imaginação. Atua, principalmente, nas áreas da literatura infantojuvenil, artes, livros técnicos na área do design e de cunho educacional. Acima de tudo, diferencia-se pelo cuidado na edição por meio de um design editorial profissional. Para isso, conta com a parceria da Nexo Design e ilustrações exclusivas. Além disso, trabalha em outra linha com os livros sob demanda. Isto possibilita a publicação de obras que não alcançariam a tiragem de uma editora tradicional. Oferece, também, por meio do site, serviços de divulgação e venda de livros, enquanto apoia os autores, que poderão comercializar suas obras de uma forma simplificada e eficiente. 
    Mais informações: www.editorainsight.com.br

    Serviço:
    Sibila e os filhotes na Leitura Genial
    Autora: Marilza Conceição Ilustradora: Ingrid Osternack de Barros Neves 
    Editora: Insight Ano: 2018
    Local:  Leitura Genial (Avenida Paraná, 1758 loja 2)
    Dia:  27/07 Horário: das 10h às 12h
    Páginas: 20
    Preço: R$ 26,00
    Preço promocional no dia: R$ 20,00

     

  • 24 de julho: Dia da Lei de Cotas para Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho

    24 de julho: Dia da Lei de Cotas para Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho

    Hoje, 24 de julho, é o dia da Lei de Cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. A lei é de 1991 e vem para “colocar em cheque” a importância das pessoas com deficiência terem acesso à educação de qualidade na escola comum e, como consequência, seguir com os mesmos direitos quando chega a hora de uma colocação do mercado de trabalho.

    Vale refletir, é preciso ir além: as pessoas com deficiência devem estar na escola para um dia fazer parte do mercado de trabalho também, como qualquer outra. Por isso, não adianta incluir hoje, se amanhã, quando adultas, elas não conseguem espaço digno para serem contratadas. Contratar só pra cumprir a cota exigida pela está ficando cada vez mais old fashion!

    Nesse aniversário da Lei de Cotas, o Instituto Rodrigo Mendes (IRM) faz questão de marcar seus esforços institucionais para esclarecer que as cotas são uma importante ferramenta de redução de desigualdades. Mas para que os resultados sejam realmente efetivos, é fundamental que as empresas não se limitem ao simples cumprimento da lei.

    Precisam canalizar o foco de suas ações para o desenvolvimento do potencial máximo de seus colaboradores. Na opinião do IRM, os avanços verificados com o aumento paulatino do número de pessoas com deficiência no mercado de trabalho refletem a ampliação da garantia do direito à educação para todas e todos, sem exceção.

    Essa convivência desde a escola possibilita a compreensão de que as pessoas com deficiência têm inúmeras possibilidades de exercer suas atividades laborais, desde que os ambientes de trabalho sejam organizados sem barreiras.

    Como se referir a pessoas com deficiência?

    O Instituto Rodrigo Mendes também faz um reforço junto aos jornalistas, formadores de opinião, na correta forma de se referir às pessoas com deficiência.

    Ao longo do tempo esses termos foram mudando. Isso é um bom sinal, pois cada vez mais vamos nos adequando na maneira correta de se expressar e escrever em relação a essas pessoas.

    Atualmente, a principal referência para responder a questão é a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, criada pela ONU em 2006.  O documento recomenda o uso da expressão “pessoas com deficiência”.

    Ou seja, não se deve usar mais “portadores de deficiência” e “pessoas com necessidades especiais” - duas tentativas recentes de amenizar o estigma e o olhar negativo gerado pelas palavras.

    "Pessoas com deficiência" é considerada a maneira adequada hoje porque não disfarça a existência de uma diferença e porque favorece a consciência de que, em alguns casos, é necessário um tratamento desigual para promoção da equidade.

  • Cinema

    Rei Leão acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva

    Rei Leão acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva

    Finalmente chegou nas telas de cinema o tão esperado clássico da Disney, Rei Leão, na versão live action com personagens e cenários feitos com alta tecnologia para simular a realidade. Para pessoas com deficiência, em Curitiba, uma ótima oportunidade é ir ao cinema nesta quarta, 24, em que estarão disponíveis o filme com Audiodescrição e LIBRAS, no Cineplus Shopping Jardim das Américas, sala TSX às 13h10, 15h40, 18h10 e 20h40.

    O filme tem 120 minutos, em formato Live Action e é bem fiel à história original. Simba (Donald Glover) é um jovem leão cujo destino é se tornar o rei da selva. Entretanto, uma armadilha elaborada por seu tio Scar (Chiwetel Ejiofor) faz com que Mufasa (James Earl Jones), o atual rei, morra ao tentar salvar o filhote.

    A batalha pelo reino é devastada por traição, tragédia e drama, resultando no exílio de Simba. Consumido pela culpa, Simba deixa o reino rumo a um local distante, onde encontra um par curioso de novos amigos, que o ensina mais uma vez ter prazer pela vida, descobre como crescer e recuperar o que é seu por direito.

    Para outros dias e horários, acesse o site do Cineplus: cinemacineplus.com.br/cinema/cineplus-jardim-das-americas/

  • Acessibilidade

    Audiodescrição e Libras, no Festival Internacional de Curitiba

    Audiodescrição e Libras, no Festival Internacional de Curitiba

    O Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba – começou esta semana com uma grade de programação envolvendo 131 filmes. Desses, dois contarão com os recursos de Audiodescrição e LIBRAS. O número de filmes acessíveis (vamos combinar que é baixo), no entanto, a tendência é só crescer. Segundo a organização do evento, as sessões com acessibilidade acontecem desde a 6.ª edição, em 2017.

    Este ano, serão dois documentários: “Estou me guardando para quando o Carnaval chegar”, do diretor Marcelo Gomes; e “Chão”, da diretora Camila Freitas. O primeiro será exibido dia 7 de junho, às 14h, no Espaço Itaú, sala 2, no Shopping Crystal. E o segundo, dia 12 de junho, às 21h, Cineplex Batel, sala 5, Shopping Novo Batel.

    A acessibilidade do filme “Estou me guardando para quando o Carnaval chegar” contou com o trabalho da COM Acessibilidade Comunicacional. A Audiodescrição (roteiro e narração) é de Thaís Lima, com a consultoria de Manoel Negraes e revisão de Liliana Tavares (Revisão). Já na LIBRAS, a tradução e interpretação é de Carlos Di Oliveira e Débora Pereira com a consultoria de Alessandro Vasconcelos. A Legenda para Surdos e Ensurdecidos (LSE) ficou a cargo de Flávia Oliveira com a consultoria de Marcelo Pedrosa. 

    O documentário ocorre, na cidade de Toritama, considerada um centro ativo do capitalismo local, mais de 20 milhões de jeans são produzidas anualmente em fábricas caseiras. Orgulhosos de serem os próprios chefes, os proprietários destas fábricas trabalham sem parar em todas as épocas do ano, exceto o carnaval: quando chega a semana de folga eles vendem tudo que acumularam e descansam em praias paradisíacas.

    "O documentário “Chão”, de Camila Freitas trata do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de Goiás. Em 2015, a comunidade ocupa parte do terreno de uma fábrica de cana-de-açúcar prestes a falir e exige uma redistribuição da terra. Enquanto de um lado ocorrem os protestos e movimentações para pressionar o governo a aprovar uma reforma agrária que redistribuirá o território da usina, do outro um grupo de conservadores ligados a latifundiários luta para acabar com as manifestações dos ocupantes. O filme teve estreia mundial na 69ª edição do Festival de Berlim."

    Os filmes acessíveis têm parceria do Olhar de Cinema com a Fluindo Libras e o Instituto Paranaense de Cegos - IPC. Para ingressos cortesia verificar a disponibilidade com as instituições. Ingressos à venda R$14 e R$7(meia).

     

  • Lançamento

    Céu e mar: história de superação e valorização das raízes

    Céu e mar: história de superação e valorização das raízes
    Ilustração do livro Céu e Mar (Foto: Maria Ines Piekas)

    Um livro que aborda a perda, a exclusão e a necessidade vital de superação e de reinvenção da identidade. Assim é “Céu e Mar” (Editora Insight), livro de Lindsey Rocha Lagni e ilustrações de Mari Inês Piekas, que traz um rico leque de informações sobre a religiosidade, os costumes e a música de um povo cada vez mais forte e orgulhoso de suas raízes. Direcionado ao público infanto-juvenil com muita poeticidade e sem dogmatismo, “Céu e Mar” terá lançamento dia 26 de maio, domingo, às 11h, com sessão de autógrafos e apresentação de capoeiristas, no Bazar Leite Quente (Casa da Cultura Polônia Brasil - Rua Ébano Pereira, 502).

    O livro traz a história de superação e de valorização das raízes do menino Lucas, que vivia com a família em Salvador, Bahia. Um acidente grave deixa-os muito abalados emocionalmente, o que os faz mudar para o sul do país. O novo lugar de Lucas levará o leitor a refletir sobre a questão da perda, da exclusão e da necessidade vital de superação e de reinvenção da identidade.

    O livro tem como pano de fundo a Umbanda, religião genuinamente brasileira, e a capoeira. Para Lindsey, falar sobre esse tema é de grande importância, já que todos algum dia já sofreram algum tipo de preconceito e também amaram/amam e perderam alguém. “São temáticas universais – e a literatura é uma maneira de dialogar com tudo isso”, diz.  A narrativa é enriquecida com figuras como mestre Pastinha e presenteia o leitor com um ponto de Ogum criado por Paulo Leminski.

    A ideia do livro veio de lembranças da Lindsey, especialmente de sua época de professora, em que conviveu com alunos que sofreram preconceito em relação à cor e à crença religiosa. Conta a autora que os alunos tinham medo de dizer que eram da Umbanda ou do Candomblé, sendo que muitos até diziam que eram espíritas ou que não tinham religião para evitar ser motivos de chacota. “Sempre senti que precisavam, de alguma forma, compartilhar o que realmente eram, foi aí que percebi a necessidade dos alunos de falar sobre suas vidas, suas perdas, dores, acertos, erros, vitórias e dúvidas”, disse.

    Contrapartida social – Céu e Mar foi viabilizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba, com incentivo do Positivo. Como contrapartida social haverá rodas de leitura sobre a temática do livro, assim como aulas de Capoeira Angola em escolas municipais escolhidas pela Fundação Cultural de Curitiba.

    Sobre Lindsey Rocha Lagni:  Lindsey lecionou Língua Portuguesa e Literatura durante dez anos na rede particular de ensino. Formada em Letras pela UFPR, é autora dos livros: "Nervuras do Silêncio" e "Amuletos de prosa e verso"; organizadora do livro "Ofícios do tempo (Poesia de Donizete Galvão) e editora,  juntamente, com Marcelo Del Anhol, de vários livros infanto-juvenis - dentre eles,  “Visita à  Baleia”, de Paulo Venturelli (II lugar do Prêmio Jabuti).

    Sobre a ilustradora Mari Inês Piekas: é doutora em Artes Visuais, atuando na área de ensino e pesquisa em desenho infantil e deficiência visual. Bacharel em Design e licenciada em Artes Visuais, atua como ilustradora, artista plástica e professora de desenho e pintura, desde 2003.

    Serviço:
    Lançamento e sessão de autógrafos livro Céu e Mar 
    Autora: Lindsey Rocha Ilustradora: Mari Inês Piekas
    Editora: Insight Ano: 2018
    Local:  Casa da Cultura Polônia Brasil (Rua Ébano Pereira, 502)
    Dia:  26 de maio (domingo)
    Horário: 11h, com apresentação de capoeiristas

  • Acessibilidade

    Acessibilidade Atitudinal é tema de nova campanha da Prefeitura

    Acessibilidade Atitudinal é tema de nova campanha da Prefeitura

    A Prefeitura lança amanhã (23/5), às 11h, no Salão Brasil, a campanha de comunicação de Acessibilidade Atitudinal - atitudes do cotidiano que incluem pessoas com deficiência em atividades rotineiras e que garantem a promoção de seus direitos.

    O evento terá a presença da secretária Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Priscilla Gaspar, que vem a Curitiba conhecer o trabalho da gestão municipal na área da Pessoa com Deficiência.

    Priscilla também fará uma visita à sede da Assessoria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, no Cristo Rei, das 9h às 10h30. Irá conhecer dois dos serviços prestados à comunidade pela Prefeitura: a Central de Libras e o Ônibus Acesso.

    A campanha terá divulgação nas redes sociais da Prefeitura, mídia embarcada nos ônibus e terminais da cidade. Vídeos com personagens reais que têm algum tipo de deficiência ensinam à população os conceitos da acessibilidade atitudinal.

    Fonte: Assessoria de Imprensa Prefeitura

  • Acessibilidade

    Audiodescrição no espetáculo Disney on Ice, neste sábado

    Audiodescrição no espetáculo Disney on Ice, neste sábado

    Disney on Ice está chegando em Curitiba,  no Ginásio Tarumã, com sessões nesta quarta, 22, até domingo, 26. A de sábado contará com o recurso de Audiodescrição para que pessoas com deficiência visual tenham o completo entendimento do espetáculo. O roteiro da Audiodescrição é da Mais Diferenças e narração de Raquel Carissimi, da Mil Palavras. No sábado a sessão com Audiodescrição será às 11h, lembrando que é preciso chegar com mais de uma hora de antecedência para seja possível acomodar todos nos lugares reservados para pessoas com deficiência e ouvir as notas introdutórias. Não será permitida a entrada após o início do espetáculo.

    Os ingressos estão disponíveis para a compra no quiosque do Shopping Christal (segunda a sábado, das 12h às 20h, e domingos e feriados, das 14h às 20h.). Pessoas com deficiência visual e acompanhante terão meia entrada. No dia do evento haverá uma banca para a retirada dos equipamentos ao lado da bilheteria. Também é possível fazer reserva e compra pelo e mail grupo.is@opuspromocoes.com.br ou pelo telefone 51-3235-4579

    Sobre o espetáculo

    Neste ano, a peça leva o título “Em Busca dos Sonhos” e mistura a patinação artística no gelo com a magia dos contos da Disney.Serão oito coreografias: Aladdin, A Bela e A Fera, Enrolados, Moana, A Bela Adormecida, A Pequena Sereia, Cinderela e Frozen. Os espetáculos terão duração média de 70 minutos, com intervalo de 15 minutos.

    O público brasileiro viajará com Moana durante Disney On Ice Em Busca dos Sonhos. Esta produção totalmente nova, produzida pela Feld Entertainment e com a realização brasileira da Opus Promoções, Campo da Produção e Ministério da Cidadania, Governo Federal, reúne uma coleção de histórias inspiradoras composta por um elenco de personagens com o desejo de explorar as profundezas, elevações e horizontes de seus sonhos. Miguel, da animação Viva – A Vida é Uma Festa, se unirá a Moana e Maui, Frozen, A Bela e A Fera, Aladdin, Enrolados, A Bela Adormecida, A Pequena Sereia e Cinderella e juntos completam a seleção de histórias inspiradoras de coragem e de emoção.

    A coragem guia o caminho das heroínas da Disney, neste novíssimo espetáculo de patinação nogelo. Viaje pelo reino de Arendelle com Anna, Elsa e Olaf em uma dramática do amor fraterno que salvou um reino. Faça parte das incríveis aventuras de Aladdin enquanto ele aproveita sua chance de enganar seus adversários no mercado de Agrabah. Descubra mundos desconhecidos com Rapunzel e Jasmine. Lute contra o vilão maléfico em forma de dragão que cospe fogo ao lado do Príncipe Phillip, em um espetáculo flamejante. Mergulhe no mar com Ariel, enquanto ela anseia por explorar a vida acima das ondas e está disposta a arriscar tudo pela curiosidade e a emoção da aventura. Encontre a força interior, gentileza e determinação de Belle, Aurora e Cinderella.

    “Disney On Ice Em Busca dos Sonhos foi criado com a intenção de inspirar a todos a explorar seu mundo, destacando os momentos decisivos de personagens que se tornaram seus próprios heróis”, declara a Vice-Presidente Executiva e Produtora Nicole Feld. “Tendo uma filha e um filho em casa, eu sabia que era importante apresentar uma variedade de histórias da Disney, além de mostrar a conexão entre essas histórias e ilustrar como uma jornada pode se desdobrar de várias maneiras”, reforça Nicole.

    "Nosso maior desejo para nossos convidados é que eles sejam inspirados por esses contos de bravura e ver que tudo é possível se você seguir seus sonhos", argumenta o Vice-Presidente Regional da Feld Entertainment, Steven Armstrong. “Muitas das histórias que estamos apresentando – como Cinderella e A Pequena Sereia – existem há gerações e resistem ao tempo. Outros, como Moana e Frozen, inspiram uma nova geração de garotas jovens por meio da autoconfiança e da crença em si mesmas ”, analisa Armstrong.

    Em Busca dos Sonhos captura toda a magia e a aventura dos contos imortais da Disney por meio da patinação artística, figurinos e cenários impressionantes. Por meio da iluminação inovadora e efeitos especiais, o público é transportado para um mundo de imaginação, em que heróis de todos os tipos procuram realizar seus sonhos. Saltos altos, patinação de tirar o fôlego e os adoráveis amigos da Disney fazem de Disney On Ice Em Busca dos Sonhos, uma experiência que as famílias nunca esquecerão.

    Serviço:
    Disney on Ice
    Local: Ginásio Tarumã
    Datas:
    22/05, quarta-feira – 19h30
    23/05, quinta-feira – 19h30
    24/05, sexta-feira – 19h30
    25/05, sábado – 11h (contará com o recurso de audiodescrição) e 15h
    26/05, domingo – 10h e 18h

    CANAIS DE VENDAS OFICIAIS:
    Site: www.uhuu.com
    Atendimento: falecom@uhuu.com
    Quiosque no Shopping Crystal: Rua Comendador Araújo, 731 - Batel, Curitiba. Horário de atendimento: de segunda a sábado, das 12h às 20h, e domingos e feriados, das 14h às 20h. Formas de pagamento: Internet : Visa, Master, Diners, Hiper, Elo, American. Bilheteria: Visa, Master, Diners, Hiper, Elo, American e Banricompras.

    Mais informações
    https://youtu.be/6T7xEmUT1Js
    https://www.disneyonice.com/br/pt-br/em-busca-dos-sonhos
    www.feldmediaguides.com

    Facebook: www.facebook.com/DisneyOnIce
    Twitter: @DisneyOnIce #DisneyOnIce #DreamBig #disneyonicebrasil #embuscadossonhos
    YouTube: www.youtube.com/DisneyOnIce
    Instagram: @DisneyOnIce

    Fonte: editado a partir de informações das assessorias Opus Promoções (Porto Alegre) e V3 Com (Curitiba)

  • Colégio Amplação finaliza ação social com entrega de 500 livros a influenciador digital

    Auro Ottoni, influenciador que participou de ação social do Colégio Amplação, localizado no bairro Neoville, em Curitiba, realizada no Dia Mundial do Livro, recebeu 500 exemplares de obra do escritor Augusto Cury, criador da Escola da Inteligência. A entrega foi pela diretora da instituição Gisele Mantovani.

    O desafio proposto pelo Colégio Amplação reuniu, na Livraria da Vila, 10 influenciadores digitais de diversas áreas na cidade. Eles gravaram um vídeo comentando qual o livro que na infância os inspirou a se tornar o adulto no qual se transformaram. A ideia da ação social foi estimular a leitura.

    O influenciador que obtivesse o maior número de curtidas e compartilhamentos receberia a doação dos 500 livros para entregar às instituições de sua preferência.

    Acesse o link de Auro Ottoni: https://vimeo.com/331992989

    Prática inovadora

    A diretora da escola ressalta que a ação desenvolvida com os influenciadores digitais vem ao encontro da proposta de educação transformadora adotada pelo Colégio Amplação, que promove práticas pedagógicas inovadoras. Exemplo é o ambiente Detox Digital. Este projeto iniciou em 2017 com a intenção de instigar o mundo da leitura de uma forma diferente, e já registrou a participação de 2.600 alunos.

    “O Detox Digital é um espaço físico aconchegante, com tomadas e carregadores de celulares e tablets. Enquanto o aluno espera seus aparelhos carregarem eles são convidados a lerem um livro. O acervo foi formatado levando em conta a idade e o interesse do estudante. A experiência também é comentada em sala de aula. O resultado tem sido gratificante”, acentua a diretora pedagógica.

  • Audiodescrição na exposição Observador

    Audiodescrição na exposição Observador
    (Foto: Lucas Georg)

    Hoje (10 de maio) é o último dia para assistir a exposição "Observador", no Espaço Cultural BRDE - Palacete dos Leões. Originada, a partir do livro homônimo, reúne imagens do cotidiano do Hospital Pequeno Príncipe. São registros do dia a dia do maior hospital pediátrico do país.

    Estão à disposição dez equipamentos de audiodescrição para acessibilidade do público com deficiência visual com a reprodução do respectivo audioguia. Nestes 15 dias de exposição mais de 40 pessoas com deficiência visual e idosos tiveram acesso à exposição. Eles vieram de várias insituição como o Instituto Paranaense de CegosCraid - Centro Regional de Atendimento Integrado ao DeficienteCAEE NAtalie Barraga, Associação dos Deficientes Visuais do Paraná - ADEVIPACentro de Artes Guido Viaroentre outros. 

    O roteiro da audiodescrição é de Mimi Aragón. Consultoria: Manoel Negraes. Narração: Diana Manenti. Locução: Fábio Rangel e Técnico de áudio: Bruno Klein - Estúdio Porta da Toca. O planejamento e produção: Vias Abertas Comunicação, Cultura e Inclusão & OVNI Acessibilidade Universal.

    O livro se constitui a partir de uma imersão dos fotógrafos Tetê Silva, Gustavo Minas, Isabella Lanave e Ricardo Perini no hospital, revelando diversas facetas do cuidado com a saúde infantil. A publicação será vendida a preço promocional (R$10).  Pelas lentes de fotógrafos convidados e com participação das crianças e adolescentes da instituição, a publicação encanta e surpreende. 

    O projeto, viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, promoveu também oficinas de fotografia para os pequenos pacientes do hospital. Nesses encontros, mediados por Ana Paula Lobo, as crianças e adolescentes aprenderam técnicas de fotografia e puderam experimentar o aprendizado da melhor forma: fotografando! Parte dos resultados das oficinas compõe a publicação, ao lado das imagens dos fotógrafos convidados. 

    Para mais informações: www.projetoobservador.com.br

    Serviço:
    Espaço Cultural BRDE - Palacete dos Leões
    Endereço: Avenida João Gualberto, 570.
    Das 13h30 às 18h30.
    Entrada gratuita e aberta ao público.

    Fonte: Informações pelo site do projeto www.projetoobservador.com.br 

  • Educação

    Prefeito Rafael Greca inaugura Mini Prefeitura no Colégio Amplação

    Prefeito Rafael Greca inaugura Mini Prefeitura no Colégio Amplação
    (Foto: Luz Costa/SMCS e Miguel Verzignassi)

    O prefeito de Curitiba inaugurou, na sexta-feira, 3 de maio, a Mini Prefeitura instalada na Minicidade, construída no Colégio Amplação, no bairro Neoville. Recebido com festa pelos alunos, Rafael Greca ensinou um segredo a eles: “uma cidade somente é boa e organizada, quando a colocamos  em nosso coração”. Além disso, convidou os “curitibinhas” a ajudá-lo a manter a capital entre as melhores do Brasil. “Quando vocês observarem algo errado escrevam para mim... quem não souber escrever pode desenhar”. Após cantar com os estudantes em coro o Hino de Curitiba, Greca conheceu a Minicidade e se encantou com a iniciativa.

    João Vitor Rosa Ribeiro, aluno do terceiro ano do Ensino Fundamental, Luisa Bialli e Santiago Olmedo, da turma da Educação Infantil, representaram o Colégio Amplação na recepção do prefeito com a mensagem “Abraço solene”, e no momento do corte da fita de inauguração da “Mini Prefeitura”. “Nossa linda Curitiba, conhecida Brasil afora como cidade de primeiro mundo, só é assim, porque tem alguém que cuida muito bem dela e de cada um de seus cidadãos”, diz um trecho. Mais adiante destaca que “recebemos vossa excelência de braços abertos para conhecer aquela que é para nós uma escola de primeiro mundo”.  Os alunos enfatizaram que é nesta escola onde “aprendemos desde cedo a consciência política, a importância das relações interpessoais”. E finalizaram, agradecendo a Rafael Greca “por cuidar tão bem de nossa querida Curitiba”.

    A diretora da escola, Gisele Mantovani, detalhou ao prefeito o projeto da Minicidade. “É um espaço lúdico explorado pelas crianças em várias atividades: empreendedorismo, civismo, educação financeira e responsabilidade social”. A iniciativa integra um projeto mais amplo, construído com os conceitos de identidade e autonomia, bases fundamentais para a compreensão de mundo de cada indivíduo. A minicidade nasceu do projeto Viva Curitiba, elaborado pelas turmas da educação infantil, em comemoração ao aniversário da cidade.

    Gisele Mantovani explicou ao prefeito Greca que o Colégio Amplação é pautado pela pedagogia da escuta, onde as habilidades e conhecimentos dos alunos são despertados e incentivados por meio de ambientes preparados e espaços de aprendizagem, que desenvolvem diariamente o protagonismo dos alunos. “Somos uma escola onde, além do currículo de base, trabalha entre outras inovações, as questões sociais, como as relações interpessoais e com a cidade, seus estabelecimentos e serviços”.

    O Colégio Amplação foi buscar na educação da Finlândia, uma das mais modernas e inovadoras do mundo, a base para construir a escola, observa a diretora. “Temos um compromisso com a educação mais humana, colaborativa, instigante e participativa, que promove o conhecimento por meio de práticas tecnológicas inovadoras e experiências educacionais diferenciadas, sem abrir mão do acolhimento e da afetividade”, destaca Gisele Mantovani.

     

    Crédito das fotos: Luz Costa/SMCS e Miguel Verzignassi

Quem faz o blog

DESTAQUES DOS EDITORES