• 17/07/2018

    PSL namora firme com o PSD de Ratinho Junior

    PSL namora firme com o PSD de Ratinho Junior
    Fernando Francischini em Campo Mourão (Foto: Divulgação)

    O deputado federal Fernando Francischini (PSL) vem conversando com Ratinho Junior para que o PSD apoie a candidatura dele ao Senado Federal.

    Ontem, Francischini esteve em Campo Mourão, acompanhado pelo filho, o deputado estadual Felipe Francischini (PSL), para lançar a pré-candidatura.

    A receptividade foi tão grande que o prefeito Tauillo Tezelli esteve no evento acompanhado de nove dos 13 vereadores do município.

    A movimentação vem ameaçando a vaga do ex-governador Beto Richa (PSDB), por ter um candidato ganhando adesões em diversas cidades do interior, base onde ele investiu nos últimos três anos e meio.

  • 17/07/2018

    Gustavo Fruet deve disputar uma cadeira na Câmara Federal

    Gustavo Fruet deve disputar uma cadeira na Câmara Federal
    Gustavo Fruet (Foto: (Foto: Franklin de Freitas))

    O ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT) não pensa em disputar uma das duas cadeiras do Paraná no Senado Federal, mesmo com a pressão de Osmar Dias (PDT) & Cia, com a perspectiva de Roberto Requião debandar para o lado de Cida Borghetti (PP).

    Com uma eleição praticamente garantida com os votos de Curitiba para a Câmara Federal, mas sem perspectiva de ser um campeão de votos, devido a oscilante administração na prefeitura da capital paranaense, entre os anos de 2013 a 2016, ele confidenciou a amigos que não quer ficar sem mandato.

    Além do que ele foi desaconselhado a tentar novamente disputar a chave do Palácio 29 de Março pelos principais assessores, por não ter um perfil de administrador.

  • 17/07/2018

    Nome de Dr. Rosinha encontra resistência no Paraná

    Nome de Dr. Rosinha encontra resistência no Paraná
    Dr. Rosinha e militante petista em Ponta Grossa (Foto: Divulgação Facebook)

    Candidato do PT ao governo do Paraná, o ex-deputado federal Dr. Rosinha, vem encontrando dificuldades para se comunicar com o paranaense.

    Nos eventos realizados pelo interior, ele consegue atrair apenas a militância petita, cada vez menor conforme fotografias estampadas no Facebook do candidato.

    Rosinha parece estar mais preocupado em ver Lula fora da prisão do que na campanha para o Palácio Iguaçu.

    É uma pena, ele é um dos poucos petistas de carteirinha a não ter o nome manchado por acusações de corrupção, bem ao contrário do ex-presidente, atualmente preso na sede da Polícia Federal, no bairro do Santa Candida.

  • 17/07/2018

    Cida prefere reuniões chapa branca

    Cida prefere reuniões chapa branca
    Dr. Rosinha e militante petista em Ponta Grossa (Foto: Divulgação Facebook)

    Ao contrário de Ratinho Junior (PSD) e Osmar Dias (PDT), a governadora Cida Borghetti (PP) não vem investindo em formação política e buscando contato direto com mulheres.

    Até viajar para os Estados Unidos, na semana passada, Cida preferiu eventos chapa branco, onde o prefeito convoca a população para ver a cidade receber um recurso da administração atual.

    Quando reassumir, ela vai ter que mudar a tática, já que os convênios estão proibidos desde o dia sete de julho.

  • 17/07/2018

    Ratinho Junior coloca três mil mulheres em evento

    Ratinho Junior coloca três mil mulheres em evento
    Ratinho Junior (Foto: Divulgação/Instagram)

    Enquanto Osmar Dias (PDT) vem enfrentando dificuldades para mobilizar simpatizantes e patinando na corrida eleitoral, o principal opositor do pedetista, Ratinho Junior (PSD), vem empolgando os eleitores nos eventos por Curitiba, região metropolitana e no interior do Paraná.

    Um exemplo claro foi encontro com mulheres.

    No final de semana passada Dias reuniu poucas interessadas no que ele tinha para falar.

    Junior ao contrário, reuniu uma multidão em outro encontro destinado ao sexo feminino.

    O peessedista vem mostrando articulação e favoritismo na eleição, não sendo à toa está liderando a corrida pelo Palácio Iguaçu.

  • 17/07/2018

    20 anos de falta de vontade política

    Do Claudio Osti

    E já se passaram duas décadas (quase o total do contrato de pedágio nas estradas estaduais) da solicitação para asfaltar três trechos que alterariam e muito a vida dos norte paranaenses: os 17 quilômetros que separam Apucarana de Londrina, bombardeada pela empresa de pedágio Viapar (em Arapongas) e seus amigos no DER do Paraná (https://bit.ly/2utm3oK) – “O prefeito de Apucarana Carlos Scarpelini está defendendo a pavimentação asfáltica do trecho que liga o distrito de Aricanduva – próximo do parque industrial da zona norte da Cidade – ao Patrimônio Regina, em Londrina.

    O trecho de apenas 17 quilômetros, de acordo com Scarpelini, possibilitaria a ligação da BR-369 à PR-538, entre o Patrimônio Regina e o distrito de São Luiz.

    Esta via, que dá acesso ao Parque Estadual Mata do Godoy, também alcança a PR-445, próximo à Universidade Estadual de Londrina (UEL) e ao Catuaí Shopping Center. 24 de julho de 1998.” https://bit.ly/2LkENRj Outros 2 trechos que os políticos deixaram de solicitar foram o asfaltamento da PR 532 até a mesma PR – 538, entre o distrito de Correia de Freitas (Apucarana) e Guaravera (Londrina), e a continuidade da Avenida Siriema, em Arapongas, pela Estrada do Bule em dois trechos – um até a Bratislava(Cambé) onde foi anunciado o novo viaduto na BR 369, e outro até o Patrimônio Regina, na PR 538.

  • 17/07/2018

    Tempo fechando

    Tempo fechando
    Ratinho Junior (Foto: Divulgação/Instagram)

    O blogueiro Lauro Jardim, do O Globo, enviou um recado criptografado para o ex-governador e candidato ao Senado Beto Richa, de que o tempo estava fechando para ele.

    A frase alimentou os frequentadores da Boca Maldita que deram opinião do que se tratava.

    Os fofoqueiros de plantão apostaram alto e estão esperando os próximos dias para ver se a informação se concretize.

  • 16/07/2018

    Rejeição de eleitor encarece campanha nas redes sociais

    Festejada pelos políticos como uma alternativa mais em conta em tempos de escassez de recursos para campanhas eleitorais, a propaganda paga nas redes sociais tem surpreendido os marqueteiros pelo custo crescente e resultado prático cada vez mais difícil de ser alcançado. As informações são do Estado de São Paulo.

    depender do conteúdo de um post patrocinado no Facebook, se paga até R$ 2 por uma "curtida" ou novo "fã", contra R$ 0,5 até o começo do ano. Por causa do valor considerado elevado, pré-candidatos já passaram a reavaliar suas estratégias de marketing nas redes sociais.

    Segundo especialistas ouvidos pelo jornal  Estado de S. Paulo, os preços seguem dois fatores: a rejeição do eleitorado em geral diante de um anúncio político na sua própria página da rede social, o que dificulta a aceitação do conteúdo transmitido; e a falta de transparência das empresas no momento da cobrança do serviço - diferentemente de emissoras de TV e rádio, não há uma tabela de preços única para páginas nas redes.

    A ferramenta que impulsiona posts pagos no Facebook, por exemplo, funciona como num leilão. É possível impulsionar a partir de R$ 1. O anunciante determina o valor que deseja investir, o público que quer atingir (discriminando sexo, idade e cidade), o período da ação de publicidade e a meta a se alcançar, como número de curtidas ou novos seguidores, os chamados "fãs".

    De acordo com a mensagem impulsionada, esse custo-benefício tem se tornado cada vez mais caro, segundo Moriael Paiva, vice-presidente da área digital da Ideia Big Data. "Uma curtida custa agora R$ 2 e com tendência de alta ao longo da campanha. Todo mundo estava empolgado com isso, já que o impulsionamento é uma das grandes novidades dessa eleição, mas vai ser preciso muita estratégia e conhecimento para o resultado ser o esperado e o dinheiro não ir para o ralo", disse.

    O cientista político Andrei Roman, da empresa de Big Data Atlas Político, também avalia que a estratégia deve ser o ponto-chave das campanhas digitais. Para ele, o ambiente de mídias digitais está mais competitivo, o que pode ser um "balde de água fria" para quem pensava que poderia alcançar eleitores em potencial com poucos recursos. "Quem tem a melhor estratégia e mais dinheiro, tende a conseguir melhor desempenho", afirma Roman.

    A eficácia dos impulsionamentos é calculada pelas equipes de campanha a partir de uma conta: divide-se o valor empregado na campanha pelo resultado obtido em curtidas ou novos seguidores. Por exemplo, se determinado candidato investiu R$ 1 mil em um post que rendeu 500 novos fãs, cada um deles "custou" R$ 2.

    Planalto

    Entre os presidenciáveis, o uso da ferramenta é diversificado. Tem quem não use esta ferramenta, como o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ). Há quem o faça com parcimônia, como a ex-ministra Marina Silva (Rede) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), com, respectivamente, dois e um anúncios, até a sexta-feira passada. O terceiro grupo é formado por quem investe pesado nesta alternativa.

    O presidenciável do Novo, João Amoêdo, por exemplo, gasta cerca de R$ 35 mil por mês com o impulsionamento de posts. O valor é 10% maior em relação ao que estava previsto inicialmente por sua equipe.

    Na sexta-feira, Amoêdo tinha três anúncios pagos publicados. Na semana passada, eram cinco impulsionados no ar e 1,1 milhão de seguidores. Ele tem seis vezes mais "fãs" que o campeão até aqui em número de anúncios pagos publicados, Henrique Meirelles (MDB). Também na sexta, o ex-ministro tinha impulsionado seis publicações - uma semana antes, foram 18. A equipe do presidenciável não revelou os valores e usou a mesma justificativa da pré-campanha de Amoêdo: trata-se de uma "estratégia sigilosa". Este último, contudo, confirmou que está mais caro anunciar no Facebook. Os gastos das campanhas serão informados nas prestações de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Dados

    Candidato à reeleição, o deputado federal Floriano Pesaro (PSDB-SP) disse que elevou de R$ 400 para R$ 1 mil por semana o investimento em propaganda digital. "Percebo que quanto mais impulsiono, mais caro fica. Mas acho que ainda vale muito à pena, mesmo com essa alta no preço. Não dá para comparar o custo de um anúncio com uma propaganda no rádio, TV ou jornal", disse.

    A estratégia de Pesaro é abusar da ferramenta na pré-campanha, quando ainda há "espaço" na linha do tempo dos usuários. "Depois, acho que vai ter tanto post de político, que vai ser difícil alcançar um bom resultado por um custo razoável."

    A lei não obriga o Facebook a apontar anúncios durante a pré-campanha, mas a plataforma abriu esses dados há duas semanas. Neles, é possível acompanhar os anúncios do pré-candidato na sessão "Informações e anúncios". Questionado sobre preços cobrados, o Facebook não quis comentar.

    Ponto a ponto

    Início - O anunciante deve submeter o conteúdo à equipe do Facebook, que analisa a proposta em até 24 horas. O pagamento é feito por cartão de crédito ou boleto.

    Interdições - Há uma lista de anúncios proibidos, como serviços ilegais e conteúdo adulto, e restritos, como bebidas alcoólicas e propaganda política. No caso de candidatos, eles devem seguir as leis locais e as demais regras da empresa.

    Leilões - Segundo o Facebook, ocorrem inúmeros leilões diariamente, com anunciantes concorrendo por determinado público. Por exemplo: mulheres de São Paulo, de 30 a 40 anos. Não há um limite para nenhum tipo de anúncio, como de políticos.

    Vencedor - O anúncio vence o leilão com a combinação mais alta de três fatores: "anunciante", uma métrica com a estratégia de lance; "taxas de ação estimada", índice calculado pela Facebook para ver o quanto o anúncio pode ter êxito no que se propõe; e qualidade e relevância do anúncio.

  • 16/07/2018

    PT tenta todas as alternativas judiciais para fazer Lula se candidatar

    O PT prepara estratégias políticas e jurídicas para chegar ao segundo turno das eleições. O caminho, no entanto, não vai ser fácil. No campo eleitoral, a dificuldade é convencer o PSB a embarcar na campanha petista e evitar o fortalecimento de Ciro Gomes, do PDT, na esquerda. Pelo lado da Justiça, os petistas estudam brechas na legislação que possam render recurso que convença a ministra Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a conceder um habeas corpus ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A aposta da legenda em Lula continua firme e forte. Embora caciques do partido admitam que há alternativas — como Jaques Wagner, ex-governador da Bahia; e Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo —, eles não dão o braço a torcer, animados, inclusive, por resultados de pesquisas eleitorais. As informações são do Correio Braziliense.

  • 16/07/2018

    Candidatos com mandato terão prioridade na distribuição do dinheiro do fundo eleitoral

    Os cinco partidos que mais receberão recursos do fundo eleitoral neste ano informam que, na distribuição do dinheiro, pretendem priorizar os candidatos atualmente com mandato, o que, na avaliação de especialistas, mais uma vez dificultará a renovação no Congresso Nacional. O G1 consultou as estratégias de MDB, PT, PSDB, PP e PSB. Juntos, esses partidos têm 236 deputados (46% dos 513 parlamentares da Câmara). No Senado, as cinco legendas somam 48 senadores (59% dos 81 parlamentares). As informações são do G1 Brasília.

DESTAQUES DOS EDITORES