Política sem meias palavras

Coligação de Ratinho Júnior pede investigação de abuso do poder econômico de Cida Borghetti

Abuso do poder econômico pode complicar uma candidatura
Abuso do poder econômico pode complicar uma candidatura
Abuso do poder econômico pode complicar uma candidatura (Foto: Jornale)

Do Jornale

A coligação de Ratinho Júnior entrou com uma denúncia contra a campanha de Cida Borghetti no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR) por abuso de poder econômico.

Baseado em uma série de vídeos que registram o pagamento em dinheiro para proprietários de carros que permitiram a instalação de material de propaganda personalizado com a identificação da campanha de Cida Borghetti ao Governo do Paraná.

A representação se fundamenta nos artigos  30-A e 41-A da  Lei nº 9.504/97. O artigo 30-A trata da arrecadação e gastos ilícitos em campanha. Já o  41-A trata da compra de votos em especial. No pedido, a coligação de Ratinho Júnior pede a  negação dos registros de candidatura ou a cassação dos diplomas dos candidatos Maria Aparecida Borghetti e Sérgio Luiz Malucelli,  se já tiverem sido outorgados, com prazo de inelegibilidade fixado na forma da Súmula TSE n.º 19, cumulado com eventual aplicação de multa pecuniária.

COINCIDÊNCIA

A instalação dos adesivos e o pagamento, conforme aparece no vídeo, é realizada no pátio e no estacionamento em frente a empresa SRX Auto Peças, no bairro Tatuquara, em Curitiba.

Em uma das conversas, é oferecido o valor de R$ 50 reais.

O dinheiro é entregue com a promessa de que “se houver segundo turno”, tem uma nova ajuda.

O proprietário da empresa SRX é Nivaldo Ribas. O filho, Marcos Ribas, coincidentemente, é casado com uma prima de Cida Borghetti, Taisa Borghetti Pereira Ribas.

No vídeo, que baseou a denúncia, é Marcos Ribas quem recebe um dos proprietários do carro que será adesivado e comenta sobre o pagamento.

Após a instalação do adesivo, do tipo perfurade, no para-brisa traseiro do veículo, o dinheiro é entregue.