Publicidade
Liga Boqueirão

A cada 14 horas, uma criança é vítima de violência sexual em Curitiba

(Foto: Agência Brasil)

A cada 14 horas e meia, uma criança ou adolescente é vítima de violência sexual em Curitiba. Segundo dados do Sistema Nacional de Atendimento Médico (Sinam), divulgados nesta terça-feira (14) pelo Ministério Público do Paraná (MPPR), ao longo de todo o ano de 2018 foram registrados, apenas na Capital, 599 casos de violência sexual. Com 76 registros, a Regional do Boqueirão figura entre as que mantém o número mais elevado de casos no município.

Tendo isso em conta, o MPPR anunciou ontem a criação da Liga Boqueirão de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolesentes. A iniciativa, um projeto piloto da instituição que objetiva oferecer suporte completo às vítimas de crimes sexuais e suas famílias, é uma das tantas medidas que órgãos públicos estão anunciando ao longo desta semana, chamada de Semana de Enfrentamento – no próximo sábado, dia 18, será celebrado o Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Inspirada no universo dos super-heróis, a Liga terá 16 ações integradas (algumas já em andamento) organizadas a partir de quatro eixos de atuação: Participação, Protagonismo, Comunicação e Mobilização; Prevenção; Atenção e Pesquisa e Responsabilização. O trabalho será conduzido em diferentes frentes, incluindo a interlocução direta com as vítimas, o suporte às famílias, a realização de ações nas comunidades e até a responsabilização dos agressores.

Na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), a prefeitura de Araucária revelou que o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) acompanha, no momento, 96 casos de crianças e adolescentes vítimas de abuso e exploração sexual. No ano passado, neste mesmo período, eram 44 casos ativos. As denúncias, que devem ser feitas ao Conselho Tutelar, ocorrem quase que diariamente no município, ainda segundo a Prefeitura.

Já em São José dos Pinhais, também na RMC, a Prefeitura promove desde segunda-feira a XIV Semana de Enfrentamento, com ações em equipamentos das secretarias de Assistência, Educação, Cultura, Saúde , Esporte e Lazer, com o objetivo sensibilizar e mobilizar a população sobre a função da família e da sociedade no fortalecimento das políticas públicas e no enfrentamento deste tipo de violência.

No dia 22 de maio, na Câmara Municipal, a Comissão de Enfrentamento, promove ainda, uma rodada de palestras durante todo o dia com temas que abordam Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, Segurança na Internet, o Projeto Ciências Forenses na Escola e o atendimento terapêutico às vítimas de violência sexual em São José dos Pinhais, bem como da proteção e atendimento especializado às famílias e o indivíduos.

No mínimo 66% das vítimas têm menos de seis anos

No ano passado, o Hospital Pequeno Príncipe, que faz parte da rede de proteção à criança e ao adolescente, recebeu 586 crianças vítimas de algum tipo de violência e, em 76% desses casos, elas foram praticadas dentro da própria casa ou na rede intrafamiliar. Além disso, os casos de violência correspondem a 56% dos casos atendidos e vitima, em sua maioria (73%), as meninas.Outro dado que chama a atenção, porém, é que 66% dos casos de violência atendidos na instituição ocorrem antes dos seis anos de vida, o que significa marcar a primeira infância com traços de crueldade que só podem ser revertidos com investimento na recuperação social e psíquica dessa vítima. Dependendo da idade, as crianças não sabem se comunicar verbalmente e, por isso, é de extrema importância que as pessoas próximas percebam mudanças de comportamento, marcas pelo corpo ou indícios de que ela está sofrendo algum tipo de agressão.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES