Contabilidade Fácil

A demonstração de fluxo de caixa e sua importância para as empresas

A Demonstração de Fluxo de Caixa, ou simplesmente DFC, é uma demonstração contábil obrigatória para as S.A. de capital aberto, para empresas de grande porte e para Pequenas e Médias Empresas. As demais pessoas jurídicas não possuem obrigatoriedade de elaboração e publicação da DFC, mas podem fazê-lo de forma facultativa.

A intenção desse artigo é demonstrar a importância dessa demonstração contábil para análise da empresa em conjunto com as demais demonstrações, como Balanço Patrimonial e Demonstração de Resultado.

Em primeiro lugar, é importante destacar que a DFC é a mais financeira das demonstrações contábeis, pois é a única demonstração contábil elaborada pelo regime de caixa, ou seja, leva em consideração apenas os recebimentos e pagamentos que aconteceram durante o período a que se refere a demonstração. No caso das demais demonstrações contábeis, todas são elaboradas tendo por base o regime de competência, ou seja, levando em consideração o fato gerador, independente de recebimento ou pagamento.

Dessa forma, na Demonstração de Resultado, a empresa pode apresentar um lucro e estar com problemas de caixa, sem dinheiro. Por exemplo, a empresa realizou uma venda de R$ 1.000,00 recebendo uma entrada de R$ 500,00 e o restante para recebimento a prazo. Nesse exemplo, se as demonstrações contábeis fossem elaboradas logo após essa transação, na Demonstração de Resultado seria reconhecida uma receita de R$ 1.000,00 (competência), já na Demonstração de Fluxo de Caixa o valor que apareceria como fluxo de caixa de recebimento de clientes seria de R$ 500,00 (apenas o valor que realmente entrou em dinheiro).

Outra informação importante é que a DFC é dividida em três grupos de atividades: o fluxo de caixa gerado pelas atividades operacionais, ou seja, o fluxo gerado pela atividade desenvolvida pela empresa; o fluxo de caixa de investimentos, ou seja, as movimentações de aquisições e vendas de investimentos diversos; e o fluxo de caixa de financiamentos, ou seja, as fontes de recursos próprios e de terceiros que financiam as atividades da empresa.

Sendo assim, o resultado do DFC é a soma dos resultados líquidos dessas atividades e representa também a diferença entre os saldos inicial e final do período em questão, ou seja, a variação total de caixa e equivalente de caixa.

A DFC pode ser elaborada por dois métodos, o direto e indireto, mas independentemente do método escolhido, ambos apresentam os mesmos resultados para análise. A DFC é uma demonstração contábil analisada cuidadosamente pelos investidores, uma vez que é a garantia de que a empresa tem bases financeiras sólidas, que geram segurança no momento do investimento.

Por isso, independentemente do porte, área de atuação e faturamento da sua empresa, a elaboração e acompanhamento da Demonstração de Fluxo de Caixa, em conjunto com as demais demonstrações contábeis como o Balanço Patrimonial e Demonstração de Resultado, são vitais para garantir um retrato fiel da empresa e um futuro para seu negócio.

Lucimara Bortoleto Candiotto

Contadora, Professora e Coordenadora do Curso de Ciências Contábeis da Estácio Curitiba

lucimara.candiotto@estacio.br