Publicidade

Alcolumbre afasta impacto de declarações de Bolsonaro na reforma

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afastou o impacto de declarações do presidente Jair Bolsonaro na reforma da Previdência. Nesta quarta-feira, 14, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou uma série de requerimentos para realização de audiências públicas na semana que vem.

"O Senado vai trabalhar como está trabalhando, como a Câmara trabalhou, para ajudar o Brasil. A gente não vai ficar se ligando em manifestações de uma autoridade ou de outra", disse Alcolumbre ao ser perguntado se os comentários de Bolsonaro podem atrapalhar a tramitação da proposta.

O papel de Bolsonaro, afirmou Alcolumbre, é encaminhar a proposta ao Congresso.

O cronograma definido por líderes partidários prevê a conclusão da votação no dia 2 de outubro. "Está bem caminhado. Esse negócio de colocar data é uma coisa muito complicada porque, se for antecipado, vão falar que nós apressamos e, se a gente perder a data, vão falar que nós atrasamos", declarou o presidente do Senado.

Alcolumbre reforçou que 60 dias de tramitação é um prazo "muito razoável".

Sobre a tentativa de alguns senadores de discutir a reforma tributária paralelamente à Previdência, Alcolumbre declarou que o tema será discutido e que as comissões servem para isso.

MP da Liberdade Econômica

Alcolumbre declarou que o Senado "vai tentar votar" a medida provisória da liberdade econômica após votação na Câmara. Sobre alterações no conteúdo da matéria, ele destacou que ainda conversaria com os líderes partidários.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES