Publicidade
Exterior

Alemanha estreia trem movido a célula de hidrogênio

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Entraram em operação na última segunda-feira (17) na Baixa Saxônia (Alemanha) os primeiros dois trens do mundo equipados com células de combustível que convertem hidrogênio e oxigênio em eletricidade. E como isso funciona?

Com velocidade de até 140 quilômetros por hora, os trens de baixo ruído têm emissão zero de poluentes relacionadas à propulsão devido à conversão dos elementos químicos, de acordo com sua fabricante, a Alstom.

Esses trens são abastecidos em uma estação móvel de hidrogênio, que substituirão os movidos a diesel. O hidrogênio é bombeado em estado gasoso para dentro dos trens a partir de um contêiner de aço, que fica próximo aos trilhos de uma das estações e produz energia elétrica para a tração da locomotiva.

Além de emitirem baixos níveis de ruído, os trens têm conversão de energia limpa, a armazenam em baterias de íons de lítio e possuem um sistema de gerenciamento inteligente dessa energia.

Conforme a fabricante, com apenas um tanque os trens podem percorrer toda a linha férrea de quase 100 quilômetros durante um dia. A autonomia total é de 1.000 quilômetros.

A região, que engloba cidades como Hanover e Hamburgo, é a primeira a receber o Coradia iLint, construído pela Alstom na própria Alemanha.

CEO da empresa, Henri Poupart-Lafarge disse que o trem é uma revolução para o futuro da mobilidade e que o modelo está pronto para ser produzido em série.

Os trens serão operados numa rota da empresa EVB, que atende cerca de dois milhões de passageiros ferroviários por ano.

A utilização comercial do trem já havia sido aprovada em julho na Alemanha para o transporte de passageiros no país.

O projeto do trem Coradia iLint teve financiamento de R$ 36,72 milhões do governo alemão, como parte de um programa de inovação para tecnologia de hidrogênio e células de combustível.

No fim do ano passado, a Alstom assinou contrato para a entrega de 14 trens de célula de combustível de hidrogênio ­e 30 anos de manutenção e fornecimento de energia­ com o setor de transportes da Baixa Saxônia.

Após a produção em série, os trens deverão transportar passageiros a partir de dezembro de 2021.

DESTAQUES DOS EDITORES