Contas

Alta no custo de vida pode deixar paranaense mais endividado

A pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada nesta semana apontou que 90,6% das famílias paranaenses estão endividadas. As dívidas estão distribuídas entre cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado e carnê.

Para complicar ainda mais a vida de quem já está endividado, aumentos foram anunciados nesta semana: a Petrobras aumentou os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha nas refinarias. Também a conta de luz vai ter alta, com o aumento na tarifação da bandeira vermelha. Além disso, Curitiba apresentou a maior variação de preço da Cesta Básica de Alimentos do País no ano de 2021: 12,68%.

“70% é um índice muito alto e preocupante”, ressalta a professora e coordenadora dos cursos de Economia e de Negócios Internacionais da FAE Centro Universitário, Solídia Santos. “É um conjunto de fatores que levam ao grande índice de endividamento, que tende a aumentar, pois quem está endividado acaba recorrendo a empréstimos e a consumir apenas o essencial, o que também prejudica a economia”, observa a professora.