Publicidade
Em Curitiba

Amoêdo não descarta apoiar outro candidato no segundo turno

Amoêdo não descarta apoiar outro candidato no segundo turno
João Amoêdo em Curitiba (Foto: Geraldo Bubniak)

Em visita a Curitiba nesta terça-feira (2), o candidato à presidência da República João Amoedo (NOVO) não descartou apoiar outro candidato no segundo turno das eleições. Admitindo a baixa competitividade da candidatura, Amoedo comemorou crescimento de sua campanha. “Há três anos eu era uma pessoa totalmente desconhecida”, disse.

O candidato do NOVO, que não fez coligação na campanha majoritária e em nenhum Estado do País, não quis adiantar seu posicionamento no segundo turno, embora não descarte apoiar um dos concorrentes. “Sempre no NOVO iremos apoiar ideias, conceitos. Não gostamos de apoiar um projeto pessoal. A gente gosta de apoiar princípios e valores. Essa discussão será feita no fim do primeiro turno”, afirmou.

Em resposta a questionamento relacionado a declarações o vice do candidato Jair Bolsonaro (PSL), General Mourão (PRTB), que cogitou convocar assembleia constituinte, e do próprio presidenciável do PSL que declarou que 'não aceita outro resultado das eleições' que não seja sua vitória, Amoedo disse que não há saída para o Brasil sem “preservar as instituições”.

“O NOVO sempre acreditou em preservar as instituições. Fazer tudo dentro das instituições. Fora delas não há mudança. O grupo de pessoas do NOVO, lá em 2010, disse o seguinte: 'se a gente quer fazer mudança temos que montar um partido'. O que a gente tem que fazer é dentro das leis. Claro que as ideias são bem-vindas, as discussões estão abertas, mas tudo dentro do processo democrático”, afirmou.

Amoedo comemorou sua participação na primeira eleição. “Houve uma ascenção impressionante do meu nome. Há três anos eu era uma pessoa totalmente desconhecida. Hoje tenho viajado pelo Brasil todo, de Manaus a Jaraguá do Sul, pelo Controeste, e o novo teve um crescimento impressionante na candidatura. Basta ver que estou empatado com Marina Silva, na frente de políticos de partidos tradicionais como o MDB, gastando às vezes 10% do que eles”, disse.

Apesar da chuva, o candidato do NOVO fez uma caminhada pelo Calçadão da Rua XV de Novembro e discursou aos apoiadores na Boca Maldita. Cerca de 100 pessoas acompanharam o candidato no ato de campanha.

 

DESTAQUES DOS EDITORES