Publicidade
Copa do Brasil

Atlético reduz a dose de ousadia, perde para o Cruzeiro e aumenta jejum

Atlético reduz a dose de ousadia, perde para o Cruzeiro e aumenta jejum
Pavez, do Atlético, disputa lance com jogador do Cruzeiro (Foto: Geraldo Bubniak)

O Atlético Paranaense perdeu por 2 a 1 para o Cruzeiro, nesta quarta-feira (dia 16) à noite, na Arena da Baixada, na partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. A partida de volta será daqui a dois meses, em 16 de julho, em Belo Horizonte. O gol como visitante não é critério de desempate. 

Em relação ao desempenho, o Atlético mudou alguns detalhes do seu estilo de jogo, arriscando menos na saída de bola e apostando em passes mais seguros. A postura foi menos ofensiva, com uma quantidade menor de jogadores se lançando ao ataque. Mesmo assim, o time manteve o “estilo Diniz”, no chamado “jogo apoiado”, com triangulações, trocas de passes rápidas e pressão na saída de bola do adversário. No entanto, fez tudo isso com moderação. O Cruzeiro apresentou um futebol eficiente, mas pouco criativo. Com esse cenário, o jogo foi equilibrado e com poucas chances de gol.

O resultado ampliou sequências dos dois times. Agora o Cruzeiro não perde há seis partidas. Já o Atlético aumentou seu jejum para sete jogos sem vencer — foram quatro derrotas e três empates nesse período.

ARBITRAGEM
O Atlético reclamou de pênalti não marcado aos 39 do 1º tempo. A bola tocou no braço de Dedé, dentro da área. A imagem da TV deixa claro o toque.

TORCIDA ÚNICA
Nessa partida, a Arena não teve um setor destinado à torcida visitante. A medida é uma iniciativa do Ministério Público do Paraná, que teve a concordância do Atlético. O Cruzeiro não concordou e recorreu à Justiça, mas não conseguiu modificar a situação.

PREMIAÇÃO
O time paranaense  já acumulou R$ 7,8 milhões em cotas na Copa do Brasil 2018: R$ 1 milhão pela primeira fase, R$ 1,2 milhão pela segunda, R$ 1,4 milhão pela terceira, R$ 1,8 milhão pela quarta e R$ 2,4 milhões pelas oitavas. Se chegar às quartas, receberá mais R$ 3 milhões. 

DINIZ
Esse foi o 14º jogo do técnico Fernando Diniz no comando do Atlético, agora com 4 vitórias, 6 empates e 4 derrotas.

ESCALAÇÃO
Os desfalques no Atlético eram Guilherme, suspenso, além de Jonathan, Nikão e Paulo André, todos em recuperação. As novidades na escalação foram Bergson e Raphael Veiga. O esquema tático foi o mesmo de sempre: 3-4-3 (com a bola) e 5-4-1 (sem a bola). Bergson atuou como centroavante. Veiga (direita) e Pablo (esquerda) completavam o trio ofensivo. O Cruzeiro não tinha Thiago Neves e Edilson, em recuperação. O técnico Mano Menezes manteve o esquema 4-2-3-1. 

PRIMEIRO TEMPO
O Cruzeiro começou controlando o jogo, apresentando mais qualidade nos passes no centro do campo e contando com avanços perigosos do lateral-esquerdo Egídio. Mesmo assim, não conseguiu criar chances no início. O Atlético conseguiu equilibrar a partida a partir dos 10 minutos e passou a incomodar com boas tabelas de Pablo e Rossetto. A principal arma do Furacão foi a bola parada. Aos 39, após escanteio, Thiago Heleno cabeceou e a bola tocou no braço de Dedé, mas o árbitro não marcou pênalti. Aos 41, Carleto acertou um potente chute em cobrança de falta de longa distância. Fábio aceitou: 1 a 0 para o time paranaense. O Cruzeiro só criou uma chance. E foi aos 45, após passe errado de Pablo na defesa aproveitado por Arrascaeta. Santos defendeu.

SEGUNDO TEMPO
O jogo seguiu com o mesmo cenário na segunda etapa. O Cruzeiro tinha com mais qualidade no passe e poucas chances. O Atlético criava algumas jogadas pelas pontas. Aos 21 e aos 28, duas substituições no time paranaense. Saíram Raphael Veiga e Lucho. Entraram Matheus Anjos e Bruno Guimarães. O esquema seguiu o mesmo. O gol do time mineiro saiu aos 34, em um “acidente”. Henrique chutou de longa distância. A bola desviou na cabeça de Thiago Heleno e “matou” o goleiro Santos. O jogo seguiu equilibrado. Aos 41, troca no ataque: saiu Bergson e entrou Marcinho. O gol da vitória do Cruzeiro veio aos 47. Dedé lançou, Zé Ivaldo furou e Raniel entrou livre para chutar no canto.

ESTATÍSTICAS
Ao final dos 90 minutos, o Atlético-PR somou 45% de posse de bola, 11 finalizações (5 certas), 93% de precisão nos passes e 6 escanteios. O Cruzeiro teve 55% de posse de bola, 12 arremates (4 certos), 94% nos passes e 5 escanteios. Os dados são do Footstats.

ATLÉTICO-PR 1 x 2 CRUZEIRO
Atlético: Santos; Pavez, Zé Ivaldo e Thiago Heleno; Rossetto, Camacho, Lucho González (Bruno Guimarães) e Carleto; Raphael Veiga (Matheus Anjos), Pablo e Bergson (Marcinho). Técnico: Fernando Diniz
Cruzeiro: Fábio; Romero, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho (Mancuello), Arrascaeta (Rafael Sóbis) e Rafinha; Sassá (Raniel). Técnico: Mano Menezes
Gols: Carleto (41-1º), Henrique (34-2º) e Raniel (47-2º) 
Cartões amarelos: Egídio (Cru). Bergson, Camacho (Atl). 
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (PE)
Público: 11.455
Local: Arena da Baixada

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo

13 – Rossetto tabela com Pablo e chuta forte, de fora da área. Fábio espalma.
26 – Egídio cruza. Sassá cabeceia ao lado do gol.
28 – Carleto chuta de fora da área. Fábio segura.
29 – Egídio cruza. Na 2ª trave, Robinho chuta sobre o gol.
34 – Robinho chuta forte, de fora da área. Santos espalma.
39 – Rosseto bate escanteio. Thiago Heleno cabeceia. A bola bate no braço de Dedé. O Atlético pede pênalti.
41 – Gol do Atlético. Falta de longa distância. Carleto solta a bomba. A bola toca no chão e engana o goleiro Fábio.
45 – Pablo erra passe na defesa. Arrascaeta parte livre, invade a área e chuta. Santos salva.

Segundo tempo
2 – Carleto cruza. Pavez chuta cruzado. Fábio espalma.
3 – Rossetto cobra escanteio. Pablo cabeceia ao lado.
10 – Arrascaeta cruza. Sassá cabeceia sobre o gol.
30 – Bruno Guimarães escorrega na defesa. Chance para o Cruzeiro. Mancuello chuta. A zaga bloqueia.
34 – Gol do Cruzeiro. Henrique chuta de longe. A bola desvia na cabeça de Thiago Heleno e engana o goleiro.
47 – Gol do Cruzeiro. Dedé lança para o ataque. Zé Ivaldo fura. Raniel entra livre e chuta.

Publicidade

DESTAQUES DOS EDITORES