Publicidade
2 a 0

Atlético vence o Coritiba e levanta pela primeira vez a taça na Nova Arena

David levanta a  ta\u00e7a de  Campe\u00e3o Paranaense 2018
David levanta a ta\u00e7a de Campe\u00e3o Paranaense 2018 (Foto: Franklin de Freitas)

A torcida atleticana foi quem riu por último na final do Campeonato Paranaense. Jogando na Arena da Baixada na tarde deste domingo (08 de abril), a jovem equipe rubro-negra fez jus ao fato de ter a melhor campanha da competição e não tomou conhecimento do Coritiba, alcançando a vitória por 2 a 0, gols marcados por Bruno Guimarães e Ederson – um em cada tempo.

Com o triunfo, a equipe atleticana supera a derrota por 1 a 0 no jogo de ida e consagra-se campeão estadual de 2018, fazendo a festa na primeira final que a Nova Arena recebe desde que passou por uma forma visando a Copa do Mundo de 2014 – nos dois últimos anos a equipe disputou os títulos estaduais fora de casa, ambos com a partida derradeira no Couto Pereira.

Ao longo da competição, o Furacão somou 10 vitórias, cinco empates e apenas uma derrota. O Coxa, por sua vez, teve seis vitórias, três empates e seis derrotas.

Histórico

Este foi o Atletiba de número 340. No histórico, ampla vantagem coxa-branca, com 133 vitórias do alviverde contra 108 do rubro-negro (além de 99 empates). O Coritiba marcou 494 gols, enquanto o Atlético balançou as redes 443 vezes.

Escalações

No Coritiba, a principal novidade foi o retorno de Kleber “Gladiador”. Recuperado de lesão, o experiente atacante assumiu a titularidade no lugar de Evandro, que ficou como opção no banco de reservas.

Do lado atleticano, também uma única mudança em relação à escalação do último Atletiba, com o volante Deivid, que estava suspenso no jogo de ida, substituindo o experiente Pierre. Zé Ivaldo, Renan Lodi, Bruno Guimarães, Éderson e Marcinho, que reforçaram o time principal na vitória por 2 a 1 contra o São Paulo, quarta-feira, pela Copa do Brasil, também voltam a ficar à disposição de Tiago Nunes.

PRIMEIRO TEMPO

Embora as escalações fossem parecidas a da partida de ida, a postura das duas equipes em campo foi diferente. No Atlético, Renan Lodi apareceu frequentemente como ponta-esquerda, com Léo Pereira fazendo a lateral-esquerda e Deivid recuando para proteger a zaga quando a equipe tinha a bola. Já no Coxa, Julio Rusch foi postado mais atrás, no lado do campo, enquanto Thiago Lopes (e depois Kady) ficavam mais próximos de Kleber, atacante mais centralizado.

Para tentar segurar a vantagem mínima, o Coxa marcava forte a partir do meio de campo, pressionando muito a saída de bola atleticana e recuando os pontas para defender. O time rubro-negro, por sua vez, jogava muito pelos lados do campo, principalmente pela direita. Foram em jogadas por ali que os donos da casa obrigaram Wilson a operar um milagre, aos 13 minutos, e Marcos Moser a tirar uma bola de cima da linha, aos 36.

Na terceira tentativa por ali, já nos acréscimos, a pressão atleticana finalmente surtiu efeito e Bruno Guimarães, numa linda jogada individual, abriu o placar, igualando o confronto decisivo para o segundo tempo.

SEGUNDO TEMPO

Se foi pela direita que o Atlético encontrou o caminho para o primeiro gol, para alcançar a vantagem nos dois confrontos o time teve de utilizar o outro lado do campo. Aos 11 minutos, Thalisson Kelven saiu jogando errado. Com paciência, o Furacão construiu a jogada que terminou com o cruzamento de Renan Lodi para Ederson, livre na pequena área, só empurrar para o fundo das redes: 2 a 0 e artilharia isolada para o atacante atleticano, autor de nove gols na competição.

Sandro Forner precisava fazer algo para mudar sua equipe, que não tinha organização alguma na hora de criar as jogadas – Kleber, a essa altura, já havia sido engolido pelos marcadores. As substituições, contudo, demoraram a vir – e quem fez a primeira, aos 22, foi o Atlético, com Yago no lugar de Matheus Anjos (Tiago Nunes ainda promoveria as entradas de Alex e Emerson Silva nos lugares de Ederson e João Pedro).

A segunda mudança no Coritiba (a primeira, ainda na etapa inicial, foi Kady no lugar do lesionado Thiago Lopes) só veio aos 27 minutos, quando Iago Dias entrou na vaga de Pablo. O ponta-direita, porém, se lesionou cinco minutos depois, deixando o campo para a entrada de Alecsandro.

O domínio da partida, contudo, foi até o fim do Atlético, que não teve dificuldades para segurar a vantagem - antes do apito final, inclusive, o torcedor atleticano fez a festa, gritando olé a cada passe trocado pelos jogadores do rubro-negro.

 

RÁPIDA: Redenção

Desde que voltou ao Atlético no ano passado, o atacante Ederson conviveu com a irregularidade. Foram apenas nove jogos como titular e três gols em 2017, mas agora o jogador, que já soma 42 gols m 111 jogos com a camisa rubro-negra, confirma a volta por cima. Em 16 jogos no estadual foram nove gols, com a artilharia isolada da competição. Com contrato até o final de junho, depende de uma negociação com o Kashiwa Reysol, do Japão, para permanecer – algo que ele mesmo já indicou querer, inclusive topando uma redução salarial.

 

ATLÉTICO 1 x 0 CORITIBA

Atlético
: Caio; Diego Ferreira, Zé Ivaldo, Léo Pereira e Renan Lodi; Deivid, Bruno Guimarães e Matheus Anjos (Yago); João Pedro (Emerson), Marcinho e Ederson (Alex Apolinário). Técnico: Tiago Nunes
Coritiba: Wilson; Marcos Moser, Romércio, Thalisson Kelven e Léo Andrade; João Paulo, Matheus Galdezani e Julio Rusch; Thiago Lopes (Kady), Pablo (Iago Dias) (Alecsandro) e Kleber. Técnico: Sandro Forner
Gols: Bruno Guimarães (47-1º), Ederson (11-2º)
Cartões amarelos: Matheus Galdezani, João Paulo (C); Bruno Guimarães, Renan Lodi, Deivid (A)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR)
Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR), domingo (08/04) às 16 horas

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo

11 – Coritiba erra na saída de bola, Léo Pereira avança pela esquerda e cruza para Diego, livre na 2ª trave, cabecear. Thalisson Kelven afasta o perigo.
13 – Diego cruza na medida para Ederson na 2ª trave. O atacante ajeita com a cabeça para o meio da área e Deivid aparece livre para chutar, mas Wilson sai da meta e opera o primeiro milagre do confronto.
36 – Diego cruza rasteiro, a bola bate, rebate e sobra para João Pedro, perto da pequena área, chutar. Marcos Moser tira em cima da linha e salva o Coxa.

47 – Gol do Atlético-PR! Bruno Guimarçães recebe na entrada da área, corta dois marcadores com dois toques e bate de trivela, no cantinho, sem chance para Wilson.

Segundo tempo
11 – Gol do Atlético-PR!
Marcinho aciona Renan Lodi. Perto da linha de fundo, lateral cruzou a meia altura para Ederson, que antecipa a zaga, chega batendo e marca 2 a 0.
20 – Cobrança de falta ensaiada. Julio Rusch rola para João Paulo, que chuta ao lado do gol.
21 – Sobra de bola limpa para Pablo bater de primeira de dentro da grande área, com força e por cima do gol.
30 - Contra-ataque rápido do Atlético. Yago recebe livre na direita, corta para a perna esquerda e bate. A bola vai por cima do gol.
42 – Yago vence o marcador pela direita e cruza. Marcinho mergulha e manda para fora.

Clique aqui e  acesse a  galeria de fotos

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES