Críticas

Bares e restaurantes apontam 'seletividade' no projeto 'Check In Seguro' da Prefeitura de Curitiba

(Foto: Reprodução)

"Por que o projeto da Prefeitura de Curitiba 'Check In Seguro' não foi priorizado no transporte coletivo?". A dúvida é da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), apontando a seletividade do novo projeto da Prefeitura de Curitiba no enfrentamento a pandemia covid-19.

A entidade defende procedimento semelhante nos locais de circulação pública, "especialmente terminais, tubos, ônibus, praças, parques e repartições públicas", diz em post nas redes sociais. À Jovem Pan Curitiba, o presidente Fábio Aguayo diz que a Abrabar não é contrária ao controle da pandemia. "Todo projeto que vem para agregar no monitoramento e no acompanhamento para evitar a crescente de pessoas infectadas, vamos apoiar de forma aberta, incentivando as pessoas e os estabelecimentos para que façam parte desse projeto", disse.

Para Fábio Aguayo, é preciso que todos baixem os aplicativos que contribuam nesta luta contra a doença. Porém, "só isso não basta. Sabemos que temos mais soluções que temos acompanhado por todo o mundo", completou.

O "Check-in Seguro", segundo a Prefeitura, vai permitir verificar se frequentadores de bares, restaurantes, academias, canchas para atividades esportivas e casas de eventos, tenham tido contato com pessoas com covid-19. Curitiba tem cerca de 5,5 mil estabelecimentos deste tipo.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que, desde setembro de 2020, acompanha todos os usuários do transporte coletivo com o cruzamento dos dados do cartão transporte.

E, desde março de 2021, foi implantado um sistema que bloqueia cartões do transporte de pessoas com teste positivo para covid-19 e que tentam usar ônibus.
O monitoramento da SMS demonstra que 99,9% dos passageiros do transporte não têm covid-19.

Importante ressaltar que o programa Check In Seguro difere do sistema de monitoramento do transporte coletivo, uma vez que não prevê o bloqueio na entrada dos estabelecimentos comerciais de clientes com teste positivo.

Trata-se de um sistema anônimo em que o usuário fica sabendo a posterior se esteve num ambiente com alguém que venha a testar positivo. Podendo, desta forma, buscar orientação de saúde, caso seja necessário.