Publicidade
Carnaval

Beija-Flor venceu, Tuiuti em 2º; justiça seja feita na folia

Resultado do Carnaval carioca foi justo para todas as escolas
Beija-Flor venceu, Tuiuti em 2º; justiça seja feita na folia

Mas o samba faz essa dor dentro do peito ir embora, feito um arrastão de alegria e emoção o pranto rola. Essa frase do samba da Beija-Flor, a grande campeã do carnaval carioca, resume de forma certeira o que foi o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro. Crítica política e social cantada com alegria em forma de samba enredo. O resultado contemplou três escolas que levaram essa temática para Avenida Marques de Sapucaí: a campeã Beija-Flor (com o samba Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonado da pátria que os pariu), a surpreendente Paraíso do Tuiuti (com o melhor enredo deste ano: Meu Deus, Meu Deus, está extinta a escravidão?) e a simpática e querida Mangueira que ficou em quinto-lugar (e trouxe no samba Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco uma crítica direta ao prefeito do Rio Marcelo Crivela que cortou a verba do carnaval pela metade). Fecham ainda o grupo das cinco escolas que voltam a avenida Marques de Sapucaí, o Salgueiro, 3º lugar, (que homenageou a mulher negra no enredo Senhoras do Ventre do Mundo) e a campeã do ano passado Portela, que ficou em 4º (e trouxe um samba dificílimo sobre imigração: De repente de lá pra cá e dirrepente daqui pra lá). A Escola Unidos do Viradouro, campeã da série A, também vai desfilar no sábado.

O desfile de 2018 no Rio de Janeiro ficará marcado como um dos carnavais mais políticos dos últimos anos, sem necessariamente perder a alegria. Com muito bom humor as escolas satirizavam e critivam políticos famosos como o presidente Michel Temer representado como um vampiro na Paraíso do Tuiuti. O prefeito do Rio Marcelo Crivella ganhou como presente da verde e rosa um boneco de Judas (muito utilizado nas Sexta-Feira Santa para a malhação) com sua cara. E a Beija-Flor, grande campeã, não focou em um político mas, generalizou colocando eles como ratos da corrupção, sem esquecer é claro de todas as mazelas da educação ao futebol, passando pelas estatais e pelas religiões. Como ponto negativo, a Império Serrano fez um dos piores desfiles de sua história, voltando a ser rebaixada para série A junto com a Grande Rio – que mesmo com muito dinheiro encontrou muitos problemas no seu desfile e acabou na penúltima posição.

 

DESTAQUES DOS EDITORES