Meio ambiente

Biólogos da UFPR registram nascimento de filhotes de tartaruga-cabeçuda pela primeira vez no litoral paranaense

Esp\u00e9cie rara que costuma se reproduzir apenas em regi\u00f5es de temperaturas elevadas
Esp\u00e9cie rara que costuma se reproduzir apenas em regi\u00f5es de temperaturas elevadas (Foto: CEM UFPR)

Pela primeira vez, o litoral paranaense constatou o nascimento de filhotes de tartaruga-cabeçuda (Caretta Caretta), espécie rara que costuma se reproduzir apenas em regiões de temperaturas elevadas. A desova foi registrada no dia 29 de janeiro pelo Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e, no dia 31 de março, a equipe que monitorava o ninho verificou características de nascimento e vestígios da eclosão dos ovos. Em seguida, foi possível acompanhar a caminhada das tartarugas até o mar.

Os 131 ovos que foram encontrados no balneário Carmery, em Pontal do Paraná, em janeiro, foram realocados por biólogos do CEM para o balneário de Pontal do Sul, local sem alagamentos e com menos raízes, onde foi possível realizar o monitoramento da desova durante os 63 dias de desenvolvimento dos filhotes.

“Tivemos areia com temperatura suficiente para que os ovos se desenvolvessem e eclodissem. O nascimento das tartaruguinhas mostra a importância do nosso litoral na conservação da fauna e flora”, afirma Camila Domit, bióloga e integrante do Laboratório de Ecologia e Conservação de Mamiferos e Répteis Marinhos (LEC) do CEM. Dos 131 ovos encontrados, cinco animais nasceram e chegaram ao mar.