Publicidade
Política em Debate

Briga

O deputado federal Boca Aberta (PROS) se envolveu no sábado em uma briga no Centro de Londrina (região Norte), com o vereador da cidade, Amauri Cardoso. A briga teria acontecido na Avenida quando Boca Aberta participava da Conferência Municipal da Saúde. O vereador teria discutido com Boca Aberta durante seu discurso, criticando um vídeo divulgado pelo deputado em que ele acorda um médico durante o plantão em um hospital em Jataizinho, cidade da região. Na saída, Boca Aberta interpelou o vereador, que desferiu um soco no deputado. O parlamentar foi socorrido e encaminhado a um hospital.

Ameaças
Mais tarde o vereador chamou a imprensa para dar sua versão do caso, e disse que se sentiu ameaçado, já que era seguido pelo deputado e seus assessores, enquanto ele estava sozinho. Também mostrou marcas no rosto, que segundo ele ocorreram durante a desavença na rua. Em outro vídeo que circula pela internet, Boca Aberta parte para cima de Amauri quando ele ia entrar em um carro.

‘Big Brother’
A Câmara Municipal de Curitiba vota, hoje, em segundo turno, a Política Municipal de Videomonitoramento de Curitiba (PMVC). Elaborada pela prefeitura, a proposta estabelece a base jurídica para a criação da Muralha Digital – sistema de câmeras em pontos-chave da cidade, ligadas a programas de reconhecimento facial e de veículos, cujos dados seriam usados pelas forças de segurança pública. A Política de Videomonitoramento prevê a gestão unificada das imagens dos espaços públicos captadas por câmeras de segurança, divididas entre aquelas operadas pelo Poder Público e as instaladas pelos cidadãos, de forma privada, para vigilância dos condomínios e do comércio, por exemplo.

Tarifa
O vereador Tico Kuzma (PROS) apresentou projeto que pretende estabelecer a obrigatoriedade da divulgação, com 30 dias de antecedência, de qualquer aumento no valor da tarifa de ônibus da Capital. Segundo Kuzma, a proposta visa garantir um prazo legal, após a divulgação do reajuste pela Prefeitura de Curitiba, para o início da cobrança de novas tarifas. “A intenção é garantir um prazo razoável ao usuário do transporte coletivo – que depende diariamente dos ônibus para o ir e vir para o trabalho, para escola – para que ele possa organizar suas finanças, se programar, antes do aumento efetivo do valor da passagem”, argumenta.

Polêmica
No último dia 22, a prefeitura anunciou aumento da tarifa do ônibus de R$ 4,25 para R$ 4,50, que entraria em vigor no dia 28. Na véspera, dia 27, a 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba determinou, o adiamento do reajuste para 25 de março, acatando ação de vereadores da oposição. O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ/PR) acatou recurso da prefeitura no último dia 1º, determinando que o aumento entrasse em vigor no dia 2. Em visita à Câmara no dia 13, o prefeito Rafael Greca (PMN) critico a oposição, afirmando ser “demagógico, cretino e muito contrário ao interesse público da cidade se insurgir contra o preço da tarifa.

Base
Até defensores da operação Lava Jato questionaram a legalidade da prisão preventiva do ex-presidente Michel Temer (MDB/SP), na semana passada. “Votei duas vezes na CCJ e no plenário da Câmara pela abertura de investigação para apurar indícios de corrupção do ex-presidente Temer. Mas sou obrigado a admitir: houve excesso na prisão dele que aconteceu. Não vejo, na legislação, base legal para sua prisão preventiva”, avaliou o deputado federal Rubens Bueno (PPS).

DESTAQUES DOS EDITORES