Publicidade
Comporte-se

Cada Pessoa Um Pudim - Parte 1

Cada Pessoa Um Pudim - Parte 1
(Foto: Arte: Tita Blister)

Cada Pessoa Um Pudim - Parte 1
Você chegaria a conclusão de que cada um pode ser um pudim? Destrinchar esse raciocínio a partir de uma conversa entre um homem e uma mulher sobre relacionamentos afetivos, respeitando a perspectiva particular de um mesmo ponto é um exercício interessante e divertido.

O primeiro ingrediente partiu de uma observação sobre a possibilidade de querer voltar a amar, com a justificativa do cansaço da autossuficiência, enquanto o contraponto ressaltou uma suposta desistência desta empreitada e ainda, em razão da distante juventude, lembrar que “estamos no segundo tempo da partida”.

E o ponto em comum é que a partir dos 40 anos, especialmente depois de pelo menos uma experiência de casamento, os critérios de enlace ficam cada vez mais severos, estreitos e filtrados. Ficamos pacientes com plantas, mas jogamos a toalha no primeiro deslize de um preterido par, segundo nossa avaliação baseada em repertório passado.

Enquanto um não suporta pessoas que “arrastam correntes”, trazendo as experiências insatisfatórias e não resolvidas para o presente, a outra parte alega não criar as famosas expectativas, cujo precedente é a frustração.

Contudo, no meio dessa salada mista de conjecturas amorosas, há o reconhecimento de que é necessário maturar certas coisas e quem sabe, entender o download de cada um. Sim, a conversa teve o clímax da filosofia, mas com boas pitadas de realidade: lidar com as cartas que se tem na mão, viver o presente em plenitude, ter consciência que mulher inteligente ainda assusta e que ninguém completa alguém.

De repente, a pergunta: por que você gosta de pudim? Porque ele remete a uma série de sensações. E pode ser assim quando gostamos de alguém, ou será que gostamos do sentimento por alguém? A teoria não é nova, mas pode responder o porquê ficamos sempre no limiar amor e ódio. A pessoa provoca em nós as sensações das quais gostamos e quando ela não corresponde, se torna a pior da piores, porque não traz a satisfação. Como quem gosta de pudim, uns da versão lisa e outros de furinho, mas continua ser um pudim.

*Calma, ainda falta a calda do pudim que fica pronta na próxima coluna.

DESTAQUES DOS EDITORES