Publicidade
Câmara de Curitiba

Câmara vota identificação de pontos turísticos com uso de QR Code

(Foto: CMC)

O uso integrado e sistematizado de informações turísticas, históricas, culturais e ambientais de diversos espaços da cidade será possível, na capital, caso seja aprovado pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC), o projeto de lei do vereador Thiago Ferro (PSDB) que está na pauta da sessão plenária da próxima segunda-feira (18), para análise em primeiro turno.

Segundo a proposta, essas informações poderão ser disponibilizadas por meio de tecnologias inteligentes, como o QR Code. A tecnologia pode ser impressa em uma placa, por exemplo, e lida por dispositivos equipados com câmeras, como smartphones e tablets. De acordo com a iniciativa de Ferro, o objetivo é “aproximar e propagar o conhecimento aos munícipes e turistas” a respeito de espaços como praças, monumentos, parques, teatros, museus, calçadas históricas, edificações tombadas, placas de logradouros e estações-tubo. Para isso, o texto atualiza a redação da lei que estabelece a Política Municipal do Turismo de Curitiba.

Também de autoria de Thiago Ferro, passa por primeira análise o projeto que institui o Dia das Mães e Dia dos Pais nas comemorações escolares, tanto do ensino infantil quanto fundamental das escolas municipais. Segundo o autor, o objetivo é fortalecer os núcleos familiares “tão importantes para a solidez dos princípios morais da nossa sociedade”.

De acordo com o texto, as comemorações devem ser realizadas na semana que antecede os segundos domingos de maio e de agosto, conforme as datas já existentes. A matéria faculta aos alunos a não participação nas atividades, caso seu arranjo familiar não seja formado pelas figuras materna e paterna “garantindo o direito da criança de não se sentirem ameaçados, constrangidos ou inferiorizados por qualquer que seja o motivo”, frisa Thiago Ferro.

Outras proposições
Ainda na segunda-feira, volta à análise em segundo turno a proposta de Felipe Braga Côrtes (PSD) que estabelece o dia 7 de novembro o Dia Municipal da Síndrome de Williams. A síndrome é uma desordem genética no cromossomo 7 que pode levar a vários problemas de desenvolvimento. Ela acomete um em cada dez mil nascidos e atinge crianças de ambos os sexos que podem apresentar problemas cardiovasculares e renais e desenvolvimento irregular do cérebro. O projeto de lei foi aprovado em primeiro turno na última terça-feira (leia mais).

Também precisa da confirmação em segunda votação a proposta de Professor Silberto (PMDB), que declara de utilidade pública a Associação de Pais Mestres e Funcionários do Colégio Estadual Guilherme Pereira Neto.

Terça-feira
Na sessão plenária da terça-feira (19), além de confirmar os dois projetos votados na véspera, entra em pauta em primeira votação a proposição de Jairo Marcelino (PSD) para denominar bem público como Kazuo Arasaki. Segundo o autor, Arasaki foi motorista de ônibus e sempre trabalhou na linha Abranches. “Não tinha quem não conhecesse, respeitasse e gostasse do Mario ou japonês, como era conhecido”, argumenta.

Quarta-feira
Em segundo turno, o plenário precisa confirmar, antes de enviar para sanção do prefeito, a denominação de bem público como Kazuo Arasaki, na sessão plenária de quarta-feira (20). O outro projeto em segunda votação retorna à pauta depois de adiamento por 75 sessões – os vereadores evitaram a votação no período eleitoral. Trata-se de proposição da Prefeitura Municipal para a regularização de 16 colégios estadual localizados na capital. A matéria doa ao Estado mais de 80 mil m², avaliados em R$ 58,7 milhões pela administração municipal, sendo que “o município receberá em doação o equivalente a 20 escolas, perfazendo um total de R$ 67,7 milhões, enquanto o Estado receberá em doação equivalente a 16 escolas, perfazendo um total de R$ 58,7 milhões”.

DESTAQUES DOS EDITORES