Publicidade
Mercado

Cautela antes do Carnaval leva Bolsa brasileira a fechar em baixa

DANIELLE BRANT SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A preocupação em se proteger de oscilações nos mercados internacionais levou investidores a adotarem uma cautela maior na Bolsa brasileira nesta sexta-feira (9), enquanto o dólar se valorizou em linha com o mundo. O Ibovespa, índice das ações mais valorizadas, fechou em queda de 0,78%, para 80.898 pontos. Na semana, a queda foi de 3,74%, a maior desde a encerrada em 19 de maio do ano passado, marcada pelo vazamento da delação do empresário Joesley Batista, da JBS. O volume financeiro foi de R$ 12,4 bilhões -a média de fevereiro está em R$ 12,1 bilhões. O dólar comercial subiu 0,67%, para R$ 3,303. O dólar à vista, que fecha mais cedo, se valorizou 0,52%, para R$ 3,311. Na semana, a valorização foi de, respectivamente, 2,74% e 2,96% -a maior também desde a semana encerrada em 19 de maio de 2017. A baixa desta sessão foi a forma que os investidores encontraram de se proteger de eventuais quedas nos mercados internacionais na segunda e na terça-feira, quando a Bolsa brasileira ficará fechada, afirma Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset. "Tem o Carnaval, e o investidor tem que ficar zerado, porque se houver um problema lá fora e você estiver com uma aposta errada, tem espaço para se dar mal", avalia. Lá fora, o dia foi melhor nos Estados Unidos, mas Europa e Ásia não capturaram a recuperação, porque fecham mais cedo.  Dow Jones, S&P 500 e o índice de tecnologia Nasdaq fecharam em terreno positivo, embora ainda acumulem queda no ano. As Bolsas europeias fecharam com queda de cerca de 1%, enquanto na Ásia as desvalorizações foram mais intensas, de cerca de 2%. AÇÕES Dos 64 papéis do Ibovespa, 49 caíram, 13 subiram e dois ficaram estáveis. A maior queda foi registrada pela EcoRodovias, com perda de 5,92%. A Renner caiu 4,63%, e a Via Varejo teve queda de 3,52%.  Na ponta positiva, as ações da Gerdau lideraram as altas do índice, com ganho de 1,96%. A Bradespar se valorizou 1,56%, e a Hypera (ex-Hypermarcas) subiu 1,39%. As ações da Petrobras caíram mais de 1%, acompanhando a queda de mais de 3% dos preços do petróleo. A commodity se desvalorizou após a forte produção nos Estados Unidos aumentar a perspectiva de crescimento acentuado dos estoques globais. Foi a maior queda semanal do preço do petróleo em dois anos. Os papéis preferenciais da estatal caíram 1,47%, para R$ 18,77. As ações ordinárias 1,28%, para R$ 20,09. As ações ordinárias da mineradora Vale subiram 0,99%, para R$ 42. No setor financeiro, as ações do Itaú subiram 0,26%. As ações preferenciais do Bradesco recuaram 1,14%, e as ordinárias tiveram baixa de 0,37%. O Banco do Brasil avançou 1,87%. As units -conjunto de ações- do Santander Brasil perderam 1,56%. CÂMBIO O dia foi de valorização do dólar no mundo. A moeda americana ganhou força ante 23 das 31 principais divisas do mundo. O Banco Central vendeu a oferta de 9.500 contratos de swap cambial tradicional (e que equivalem à venda de dólares no mercado futuro), para rolagem do vencimento de março. A autoridade monetária já rolou US$ 1,9 bilhão dos US$ 6,154 bilhões que vencem no mês que vem. O CDS (credit default swap, termômetro de risco-país) do Brasil avançou 6,11%, para 174,9 pontos, maior nível desde novembro do ano passado. No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados tiveram resultados mistos. O contrato com vencimento em abril de 2018 subiu de 6,633% para 6,640%. Já o contrato para janeiro de 2019 caiu de 6,740% para 6,715%.

Publicidade

DESTAQUES DOS EDITORES