Alimentação

Cesta básica de Curitiba recua 0,45% e fecha setembro em R$ 387,39

(Foto: Pedro Ribas/SMCS)

Em setembro de 2018, a Cesta Básica de Curitiba apresentou variação de -0,45%, sendo a terceira menor queda entre as dez capitais que tiveram redução de preços, passando de R$ 389,15 para R$ 387,39. Deste modo, a capital paranaense teve o sétimo maior valor entre as capitais pesquisadas. Em 12 meses (comparação de setembro de 2018 com setembro de 2017), a variação foi de 2,90% e no ano de 2018 (janeiro a setembro) acumula alta de 3,32%. Os dados são da Pesquisa Mensal do Custo da Cesta Básica feito pelo Departamento Nacional de Estatísticas e Estudos Socioeconomicos (Dieese).

O custo da ração alimentar essencial mínima para uma família curitibana (1 casal e 2 crianças), foi de R$ 1.162,17 (hum mil cento e sessenta e dois reais e dezessete centavos)
sendo necessário 1,22 salários mínimos somente para satisfazer as necessidades do trabalhador e sua família com alimentação no mês de agosto de 2018. A cesta básica teve
um custo mensal de R$ 387,39, tendo um custo diário de R$ 12,91.

Em setembro de 2018, o trabalhador curitibano remunerado pelo salário mínimo comprometeu 89 horas e 20 minutos de sua jornada mensal para adquirir os gêneros essenciais, tempo inferior às 89 horas e 44 minutos exigidas em agosto de 2018. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à
Previdência Social, a relação passou de 44,34% em agosto de 2018 para 44,14% em setembro de 2018.

No acumulado do ano, a cesta básica de Curitiba apresenta uma variação de 3,32%, sendo o terceiro maior aumento entre as 18 capitais pesquisadas. Na comparação anual
(mesmo mês do ano anterior), a cesta básica de Curitiba teve alta de 2,90%, sendo a terceira maior alta entre capitais pesquisadas, sendo que das 18 capitais que é realizada a pesquisa, 9 apresentaram alta e 9 apresentaram queda nesta comparação.

Dos 13 produtos pesquisados, seis registraram queda em setembro de 2018 em relação a agosto de 2018: a batata (-9,95%), leite integral (-6,26%), açúcar refinado (- 2,71%), a farinha de trigo (-2,26%), o tomate (-1,96%), o óleo de soja (-1,28%), o café (- 0,47%) e a carne (-0,44%). Por outro lado, cinco itens tiveram aumento: o arroz (6,94%), o feijão preto (2,89%), o pão francês (2,30%), a banana (1,67%) e a manteiga (0,32%).

Em 12 meses, sete produtos apresentam aumento: o leite integral (26,32%), a farinha de trigo (13,04%), o pão francês (8,03%), a carne (5,84%), o arroz (4,80%), a manteiga (4,73%) e o óleo de soja (3,21%). Por outro lado, seis produtos acumularam queda: o açúcar (-16,99%), o feijão preto (-11,23%), o tomate (-8,62%), o café (-6,73%), a banana (-6,22%) e a  batata (-4,97%).