Publicidade
Balanço

Chuva de sexta afetou mais de 700 pessoas em Curitiba

Chuva de sexta afetou mais de 700 pessoas em Curitiba

A chuva forte do fim da tarde de sexta-feira (22/12) afetou 708 pessoas em Curitiba, segundo o levantamento divulgado pela Defesa Civil municipal. 177 residências  foram atingidas. Os bairros mais afetados foram os da região Sul, principalmente nos bairros Portão e Novo Mundo, regiões mais prejudicadas. Segundo o Simepar, em cerca de duas horas, a cidade recebeu pancadas de chuva e ventos fortes com intensidade pluviométrica acumulada de 40,8mm e rajadas de vento de 35 km/h aproximadamente. Equipes da Defesa Civil junto com a Fundação de Ação Social (FAS), Secretaria Municipal de Obras Públicas, Secretaria Municipal da Defesa Social trabalharam durante toda a madrugada e ajudaram cerca de 30 famílias.

Na manhã desta sábado (23/12), o prefeito em exercício e secretário municipal de Obras, Eduardo Pimentel, esteve nos bairros e vistoriou as obras de recuperação das regiões afetadas pelo temporal. Foi uma chuva muito forte em pouco tempo, por isso os problemas aconteceram. Nossas equipes já estão trabalhando desde ontem, principalmente da FAS, que está indo de casa em casa para ajudar quem precisa de auxílio, destacou.

Foram registrados 20 pontos de alagamento nos bairros Pinheirinho, Capão Raso, Cidade Industrial, Tatuquara, Portão, Santa Quitéria, Novo Mundo, Água Verde e Fazendinha. Houve a queda de uma árvore, na Rua José Ferreira Pinheiro, Portão. No mesmo bairro, a queda de dois muros e constatado o risco de desmoronamento na Rua Irati. Equipes da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) foram acionadas para avaliar o risco e notificar os proprietários. No bairro Fazendinha, foi registrado deslizamento de terra e queda do muro de uma residência. Houve vistoria na piscina de um condomínio  no bairro Água Verde.

Os órgãos integrantes do Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil de Curitiba continuam em atendimento e acompanhando possíveis situações de chuvas moderadas a fortes, incidência de descargas atmosféricas e rajadas de vento, conforme orientação do Simepar.

Graças a Deus não tivemos nenhuma vítima, e os desalojados e afetados pelo clima já estão sendo atendidos. Mesmo com a chuva forte, a Prefeitura atuou rapidamente, estamos devolvendo a tranquilidade para estas famílias. Lembrando que, como permanecemos em época de chuvas, diante de qualquer ocorrência, a população deve comunicar  pelo telefone 156, para que possamos agir e auxiliar os curitibanos , concluiu Eduardo Pimentel.

Jenifer Vidal Ferreira da Silva, de 21 anos, conta que ficou assustada com a chuva que estragou alguns móveis e comprometeu a comida que ela tinha em casa. "Acudi a minha filha, a gente não sabe nem o que fazer, por onde correr. A gente demora para conquistar as coisas e perde tudo num segundo só por causa da água, contou. Ela recebeu cesta básica da Prefeitura. O atendimento da Prefeitura foi bom, primeiro estou pegando as cestas, depois resolvo os móveis. É bem importante a presença da Prefeitura. Se a Prefeitura não nos ajuda, quem vai nos ajudar, pergunta.

Na Vila Portelinha, Regional Portão, 12 famílias foram atingidas e todas buscaram abrigo com familiares e amigos. Durante a noite equipes da FAS atenderam as vítimas na sede da Associação dos Moradores da Portelinha, com a distribuição de cobertores e roupas. As famílias receberam também cestas básicas da associação. Funcionários da Regional Portão estiveram também na Vila Estrela, onde quatro casas foram atingidas por alagamentos, e na Vila São Jorge, onde cinco famílias acabaram perdendo tudo com o transbordamento do rio localizado na região. A FAS está fazendo o levantamento da situação para atender as necessidades de cada uma. 

Já na Vila Uberlândia, Pinheirinho, a Associação de Moradores Amigos Vila Uberlândia foi a base estratégica para os atendimentos. Roupas, colchões, cestas básicas foram distribuídas e o trabalho de retirada de entulhos não parou.

A situação mais grave foi na Rua Fioravante Slaviero, onde uma ponte de madeira caiu e se deslocou até a rua Dr. Luiz Losso Filho, devido a erosão na cabeça da ponte. Equipes da Secretaria de Obras Públicas já estão no local para recuperar a ponte. Na Avenida Iguaçu, esquina com Rua Arthur Bernardes, o asfalto levantou pela força da água e os reparos já foram iniciados.

 

Publicidade

DESTAQUES DOS EDITORES