Publicidade
Exterior

Chuva isola cidade de 120 mil pessoas nos EUA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As chuvas decorrentes da tempestade tropical Florence, que passa desde quinta-feira (13) pela Costa Leste dos EUA, isolaram a cidade litorânea de Wilmington, no estado da Carolina do Norte.

O fenômeno, que chegou ao país como um furacão de categoria 2 e avança como depressão tropical nesta segunda-feira (17) pelo oeste do estado, continua a provocar chuvas na região e também na Carolina do Sul, também afetada pelas inundações.

As equipes de resgate tiveram de driblar árvores e linhas de transmissão caídas para chegar aos moradores ilhados, contou o prefeito Bill Saffo à rádio WHQR.

As autoridades exortaram as pessoas que foram retiradas a manterem distância.

E "o pior ainda está por vir" para as já alagadas Carolinas do Norte e do Sul, uma vez que os rios atingirão cheias históricas, disse Zach Taylor, meteorologista do Serviço Nacional do Clima dos EUA.

"O solo está encharcado e não consegue absorver mais chuva, então essa água tem de ir para algum lugar, infelizmente", explicou. "Esses rios começarão a encher no final do dia de hoje e na terça-feira e talvez durante mais tempo."

Além de Wilimington, onde dezenas de milhares de casas foram danificadas, espera-se que a cidade de Fayetteville, com 200 mil, seja atingida por fortes inundações.

O Florence provocou mais de 100 centímetros de chuva na Carolina do Norte desde quinta. Entre 5 e 12 centímetros adicionais de chuva devem cair, e possivelmente mais 20 centímetros em áreas isoladas das Carolinas e da Virgínia até terça-feira.

"A tempestade nunca foi mais perigosa do que é neste momento", disse o governador da Carolina do Norte, Roy Cooper, em uma coletiva de imprensa.

Ele se encontraria com a secretária do Interior, Kirstjen Nielsen, na cidade de Raleigh nesta segunda. O presidente Donald Trump planeja visitar o estado nesta semana.

Mais de 900 pessoas foram resgatadas da elevação das águas e 15 mil continuam em abrigos, informou Cooper.

O Florence deixou ao menos 23 mortos. A última vítima foi um homem que estava em uma casa que desabou em Richmond, na Virgínia.

DESTAQUES DOS EDITORES