Publicidade
Política em Debate

Clima eleitoral

Clima eleitoral

As eleições de outubro já estão influenciando o comportamento dos deputados estaduais nas votações da Assembleia Legislativa. Na sessão de ontem, os parlamentares governistas rejeitaram, por 26 votos a 14, um pedido de informações do líder da bancada de oposição, Anibelli Neto (PMDB) sobre os salários dos funcionários e dirigentes da Sanepar. A matéria, porém, teve o apoio de pelo menos cinco deputados da base do governo, parte deles do bloco PSD-PSC, comandato pelo pré-candidato à sucessão estadual, Ratinho Júnior (PSD).

Realinhamento
O resultado mostra que a tendência é que o bloco de Ratinho Jr, a medida que se aproxime a campanha, se descole cada vez mais do grupo governista. Até porque, tudo caminha para que o governador Beto Richa (PSDB) renuncie ao cargo para disputar o Senado, abrindo caminho para que a vice-governadora Cida Borghetti (PP), assuma o comando do Palácio Iguaçu, e assim pavimente sua pré-candidatura à sucessão do tucano, em disputa com Ratinho Jr.

Secretários de saída
Cinco secretários de Estado do Governo Beto Richa (PSDB) confirmaram à rádio CBN Curitiba, ontem, que vão deixar os cargos no Poder Executivo antes do período eleitoral Valdir Rossoni (PSDB), da Casa Civil; Michele Caputo Neto (PSDB); da Saúde; Artagão Júnior (PSB); da Justiça; e Douglas Fabrício (PPS), do Esporte, devem deixar as secretarias, além de Marcos Traad (PSDB), que já anunciou nesta semana que vai deixar o cargo de diretor-geral do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) que ocupa desde 2011 para sair candidato a deputado estadual. Eles devem pedir exoneração para sair até o dia 7 de abril, prazo máximo para desincompatibilização de pré-candidatos de cargos públicos ou representativos. aldir Rossoni afirmou à CBN que deixa o governo em 31 de março e que volta a Brasília para completar o mandado de deputado federal. Rossoni revelou que almeja o cargo de governador.

Inércia
O presidente da Câmara Municipal de Curitiba, vereador Serginho do Posto (PSDB), criticou ontem o Congresso Nacional, que segundo ele, tem sido inerte em relação às reformas que o País precisa. Ele também reclamou de o governo federal recuar na votação da reforma da Previdência. Para ele, não só essas alterações deveriam ser feitas, mas as reformas tributária, administrativa e do Judiciário deveriam sair do papel. Em relação à previdenciária, contudo, disse discordar do formato apresentado, pois ela precisava ser debatida com a sociedade, já que da forma como estava não passaria (pelo crivo dos congressistas_, pois não dá para ser nem 8, nem 80.

Segurança
Tenho enviado e-mails aos congressistas questionando por que não se faz, por exemplo, um mínimo orçamentário para a segurança pública, como existe para a saúde e para a educação, para não chegar ao ponto que chegou o Rio de Janeiro, disse o tucano.

Pedágio
Pré-candidato do PPS ao governo ao governo do Estado, o prefeito de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho, defendeu a realização de uma nova licitação para a concessão de rodovias no Estado, após o fim dos atuais contratos, em 2021. Não aceito em nenhuma hipótese a renovação dos contratos atuais, afirma. Para Silvestri, o modelo adotado aqui foi ruim, mas não deve ser usado para demonizar o mecanismo de concessão de serviços públicos.

 

DESTAQUES DOS EDITORES