Publicidade
Artigo

Como empresas podem definir estratégias para evitar ciberataques

Quando falamos de cibersegurança com lideranças de vários setores, questões como “estamos preparados para enfrentar ameaças?”, “estamos investindo recursos de maneira eficaz?”, “como consigo entender o que a área de TI quer dizer?” ainda são bastante frequentes no cenário atual.
Em um ambiente de rápidas mudanças – e ataques cada vez mais frequentes – ter uma visão completa a respeito de segurança on-line ainda é um desafio. E, para superá-lo, é necessário o comprometimento de todas as esferas envolvidas na sociedade como um esforço contínuo de prevenção de danos.

Chegar a um alto nível de especialização ainda é uma das barreiras atualmente, que pode ser superada com a ajuda de ferramentas eficazes. Na Minsait, investimos constantemente em plataformas capazes de suportar esse crescimento e fornecer alternativas capazes de criar valor no aprendizado em segurança digital.
Com base na nossa experiência de relacionamento com instituições públicas e privadas, reunimos a nossa experiência e avaliamos que há cinco pontos essenciais para evitar esse tipo de ataque.

O primeiro deles é a atualização. É fundamental que equipes tenham em mente as principais e mais modernas estratégias de cibersegurança. Isso envolve desde o treinamento dos profissionais até a atualização de sistemas operacionais, tendo em vista as melhores práticas de segurança interna e externa.
Com os sistemas internos em pleno funcionamento, é hora de olhar para ferramentas como o e-mail e ferramentas de navegação, que constituem o segundo ponto. Frequentemente, o e-mail é a maior porta de ciberataques: basta que um colaborador abra um spam com malware para que infecte a todos os demais. Dessa forma, conscientização e ter uma política adequada e clara de proteção e comunicação é fundamental em todos os níveis para organizações de portes variados.

Se a equipe de segurança cibernética encontrar um computador que foi infectado, é necessário partir para o terceiro passo: isolá-lo o mais rápido possível para tentar conter ao máximo possível a invasão identificada. Uma vez isolado, as equipes devem prosseguir com a limpeza total e restauração de todo o sistema. Em seguida, deve ser iniciada a etapa de recuperação. Ainda assim, as ferramentas mais avançadas de proteção trabalham com inteligência artificial, para monitoramento do comportamento e detecção de ameaças, baseado em processamento de algoritmos em tempo real.
De acordo com a nossa experiência, essas são as melhores práticas para evitar ataques cibernéticos. Os dois últimos passos seriam: a constante revisão por parte de lideranças a fim de tornar possíveis portas de entrada cada vez menos vulneráveis e ter uma série de medidas de backup para recuperar possíveis materiais infectados.

Hoje, a segurança cibernética não é mais uma ferramenta, mas uma estratégia que deve ser tratada de forma abrangente pelas empresas. E, para solucionar esses problemas, é necessário cada vez mais ter equipes multidisciplinares. Dentro de casa, temos reunido desde ‘hackers’, cientistas da computação, até tecnólogos e consultores de negócios trabalhando de mãos dadas para responder à nova geração de ameaças e nos preparando para entender comportamentos e as detectar de forma antecipada, ou ainda, criando mecanismos de defesa com proteção abrangente que por similaridade possam assegurar a defesa das corporações.
Dessa forma, é possível conquistar resultados que vão além da segurança cibernética. Estratégias feitas por essas equipes reduzem o nível de exposição das empresas, mas também melhoram a produtividade dos funcionários, a reputação da empresa (uma vez que seu serviço é percebido como seguro e confiável por seus clientes) e permitem gerenciamento mais eficiente da segurança cibernética, traduzindo em ganhos para além da área de TI o investimento em tecnologia.

A transformação digital e a segurança cibernética andam de mãos dadas. Em um ambiente hiperconectado, qualquer dispositivo com acesso a uma rede provavelmente será usado para fins criminosos. Não se trata de enviar uma mensagem de alarme, mas traduzir um ambiente real: da mesma forma que a tecnologia é sofisticada, os ataques cibernéticos também se aperfeiçoam cada vez mais. Por isso, empresas e instituições devem investir em medidas de proteção eficazes e na capacitação de seus profissionais.

Marcos Caruso é gerente sênior da Minsait, uma empresa Indra cujo propósito é promover a transformação digital

DESTAQUES DOS EDITORES