Publicidade
Carreira & Cia.

Compliance promete diminuir custos e melhorar a reputação das empresas

 

A adoção de medidas preventivas na organização de trabalho traz reflexos positivos para a empresa, evita ações trabalhistas e falhas no cotidiano de produção. O trabalho de avaliar os pontos negativos é feito pelo Compliance Officer, função que está ganhando cada vez mais destaque no mundo corporativo. Para saber mais sobre o assunto, conversamos com a advogada Janaina Lima de Souza.

Qual é o trabalho de um Compliance Officer?
Essa função, que normalmente é feita por um advogado, realiza atividade consultiva para a empresa. O papel do profissional é garantir que todos os procedimentos da empresa e dos empregados estejam em conformidade com a legislação em vigor, do mesmo modo que orienta a adoção de medidas preventivas a fim de evitar futuros problemas e gastos para a empresa.

Quais são os consequências de não adotar medidas preventivas no ambiente de trabalho?
As consequências do descuido corporativo em não adotar práticas preventivas são ambientes negativos, improdutivos, descontentamento de empregados, risco de acidente de trabalho, autuação administrativa e propensão de ações trabalhistas, dentre outras. Por outro lado, segundo pesquisas, quando a empresa tem maturidade do Compliance (que significa estar em conformidade com leis e regulamentos) ela possui recrutamento eficiente com profissionais experientes, visão agregada dos riscos existentes, com identificação e resposta rápida, e consequente melhoria na reputação da companhia.

Como adotar práticas desenvolver o Compliance nas empresas?
O primeiro passo para é a realização de uma auditoria interna. A partir desse início é possível conhecer os riscos existentes na empresa, com a análise do enquadramento sindical, das normas coletivas aplicáveis e avaliação dos documentos dos empregados. A visita ao ambiente de trabalho também é uma boa prática para mapear eventuais falhas no cotidiano de produção. Depois de identificar os riscos é hora de tratá-los. O ideal é realizar um programa de prevenção para corrigir as inconformidades atuais, além de implementar um código de conduta e canais de denúncia anônima (para investigação e aplicação de sanção, quando necessárias). O terceiro, e último, passo é a avaliação periódica dos riscos e de suas condutas.


Curtas:

  • Fretefy conecta transportadoras de carga a motoristas autônomos. O reaquecimento no transporte de cargas - com as entregas de final de ano e a redução na tabela de frete - irá aumentar a terceirização do setor estimada em 15%. Para auxiliar as empresas e os autônomos nessa retomada, o Fretefy foi lançado para integrar o transporte de cargas rodoviário. Com o Fretefy o gestor passa a saber em tempo real a localização das cargas em trânsito, o que precisa ser transportado e as cargas entregues. Há aumento do lucro por meio da opção de frete retorno. 
  • Sob o comando de Rodrigo Bassinelli, Gerente Geral do Pestana Curitiba, o tradicional Hotel divulga uma parte da sua programação de final de ano e convida para a Ceia de Natal, esta data especial não só para hóspedes, mas também para quem mora em Curitiba. Um buffet especial com muita variedade, para toda família, para que vivam o “Melhor Natal das Vossas Vidas”! Condições Gerais: Reservas sujeitas a disponibilidade do hotel:Programa pode ser alterado sem aviso prévio; Pedidos especiais e restrições alimentares podem ser atendidos,  se comunicado antecipadamente até ao dia do evento. Adultos: R$ 220. Crianças dos 5 aos 12 anos: R$ 110,00. Crianças até aos 4 anos: Grátis Já inclui taxas. Reservas e informações: rodi.cardozo@pestana.com (41) 3017 9900.
  • Dia do Voa. Para reforçar ainda mais a importância das ações voluntárias, a Cervejaria Ambev, com o programa VOA, criado para compartilhar conhecimento em gestão com ONGs, foi às ruas realizar ações de voluntariado pelo Brasil. No Paraná, as ações foram realizadas no último sábado, dia 1º, no Instituto Socioeducativo Atleta Bom de Nota, na cidade de Pinhais.  


Frase:

“Ética: Tem coisa que eu quero, mas não devo, tem coisa que eu devo, mas não posso e tem coisa que eu posso mas não quero”.
(Mário Sérgio Cortella)

DESTAQUES DOS EDITORES