Publicidade
Entrevista

Confira a entrevista com o ator Matheus Nachtergaele

Com duas novelas e uma lista extensa de filmes e minisséries no currículo, Matheus Nachtergaele acaba de estrear como diretor com o longa-metragem "A Festa da Menina Morta", que hoje abre a 35ª edição do Festival Sesc Melhores Filmes 2009 - e já foi homenageado em Cannes.

Também no cinema ele vive o engomadinho Dirceu Borboleta, em "O Bem Amado", e atravessa a caatinga calado no musical "Na Quadra das Águas Perdidas". Em entrevista, feita por telefone na última quarta-feira, o ator falou à reportagem sobre sua experiência como diretor e sobre os próximos desafios na TV : o Tofano, de "Decamerão", e o rabugento Queixão, de "Ó Pai Ó".

- AE - Está ansioso para a abertura da 35ª edição do Festival do Sesc?

- MATHEUS NACHTERGAELE - Estou emocionado. Na abertura vou me comportar feito um pai babão. "A Menina" tem me dado muitas alegrias, maiores do que jamais esperei. Esse convite é uma delas. O fato de termos estreado em Cannes foi uma alegria muito grande.

- AE - De onde veio a inspiração para "A Festa da Menina Morta"?

- NACHTERGAELE - Em 1999, durante as filmagens de "O Alto da Compadecida" lá na Paraíba, fui a um forró de pé-de-serra onde as pessoas adoravam os trapos do vestido de uma menina morta. Essa menina tinha desaparecido e só foi encontrado o vestido dela. A família considerou isso um milagre. Achei um pouco triste, mas depois entendi que era uma forma de dar sentido à vida. Isso me estimulou a escrever. Coloquei no papel aspectos da minha vida pessoal que observo na religiosidade.

- AE - Você segue alguma religião?

- NACHTERGAELE - Não. Sou um ateu que acredita no milagre. Acho todas as religiões interessantes e adoro as cerimônias, talvez por ser de teatro e estar acostumado com a celebração. Eu adoro admirar os cultos e as festas religiosas, mas meu Deus não mora em nenhuma religião.

- AE - Quais são as suas referências no cinema?

- NACHTERGAELE - Tudo o que acumulei como experiência de vida dentro de mim. Não tenho um diretor predileto, mas tenho muito do Bergman, que vejo compulsivamente.

- AE - Os filmes brasileiros poderiam ser melhores?

- NACHTERGAELE - Estamos em uma fase bonita, mas faltam assuntos mais delicados a serem retratados. Estamos abordando bem a questão do nordestino e da violência nas metrópoles, mas espero que a gente solucione o problema da distribuição. A gente escreve, mas o filme não tem espaço: ou porque as salas estão ocupadas pelos filmes estrangeiros, ou porque o público brasileiro não está satisfeito com o cinema que se faz aqui.

- AE - O que falta então para os filmes brasileiros emplacarem?

- NACHTERGAELE - Falta plateia. Os bons filmes têm tido boas bilheterias, mas precisamos de uma situação financeira melhor. Ainda é puxado para uma pessoa conseguir ir ao cinema e ao teatro. Esse dinheiro faz falta para algumas famílias.

- AE - E o projeto "Na Quadra das Águas Perdidas", como está?

- NACHTERGAELE - Quase pronto. Esse é um projeto do pessoal lá de Juazeiro, que é um musical sobre a travessia de um homem pela caatinga. O personagem não fala, ele faz essa travessia totalmente mudo e com a música são desenhadas as peripécias dele

- AE - Acha que nova geração de atores é boa?

- NACHTERGAELE - Hum...Vou dizer que a prova dos nove continua valendo. Sempre no meio da galera há alguns talentos genuínos. Um bom exemplo é o Cauã Reymond, que era só um rostinho bonito na TV e agora mergulhou no cinema. Eu estou "encantando" com ele, confesso. A Marjorie (Estiano) também está arrasando, com uma personagem densa. É uma atriz com um bom time de comédia. Só digo uma coisa: quem servir à máquina capitalista vai ser descartado mais rapidamente e quem for bom vai continuar.

- AE - Como telespectador, o que acha dos textos das novelas?

- NACHTERGAELE - Há coisas muito geniais e coisas que são um desgaste da antiga linguagem. O folhetim está muito desgastado, eu não consigo parar para ver. Prefiro documentários sobre o mundo animal e biologia.

- AE Você tem animais de estimação?

- NACHTERGAELE - Eu tenho cachorros, mas já tive mais bichos, tinha uma época em que minha casa parecia um zoológico. Era pássaro, cachorro, gato, tartaruga e até coelhinhos. Minha oração é a antropologia e a ecologia. Eu sou do tipo que chora com um beija-flor.

- AE - E você gosta da vida noturna?

- NACHTERGAELE - Mais ou menos. Eu sou muito caseiro. Por isso, quando eu saio, é pé na jaca. Cada vez mais eu gosto de ficar em casa com meus cachorros. Sou meio da roça, nasci na capital, mas fui criado junto à natureza em Atibaia. Sou muito calmo. Por exemplo: não tenho celular, não consigo acompanhar. Não quero falar mal da internet e do celular, mas tudo ficou rápido demais Estou em outro ritmo. Eu quero silêncio.

- AE - Você sente falta de fazer TV?

- NACHTERGAELE - Não tenho feito trabalhos muito longos na TV porque o filme acabou me exigindo uma atenção muito grande. Fiz "Queridos Amigos", uma série para o "Fantástico" e, depois, "Ó Pai Ó" e "Decamerão". Tenho feito TV, não novela.

- AE - Já chegou a dizer que a novela destrói o ator. Por quê?

- NACHTERGAELE - A flor pode nascer em qualquer lugar. Eu me orgulho do Carreirinha, de "América" (2005), mas a TV precisa despertar uma sensação de encantamento, senão é um risco pegar um personagem para ficar com ele durante um ano. Acho que quem faz uma novela atrás da outra não permite se exercitar em outras áreas. A imagem fica cansada. O Tony Ramos e o Francisco Cuoco, por exemplo, são exceções de atores que não ficaram marcados.

- AE - Por que sempre muda radicalmente para seus personagens?

- NACHTERGAELE - É uma ginástica da alma. Um ator vive muitas vidas em uma. O bonito é que é sempre você. Sou aquele nordestino faminto que foi o João Grilo. Sou aquele travesti dos anos 40 que é o Cintura Fina. Sou aquele comunista frustrado que foi o Tito em "Queridos Amigos". Sou aquele peão abobado de "América". Esse exercício permite que você veja que o assassino e o santo vivem em você. Esse é meu ofício, meu destino e minha sina.

- AE - Em "O Bem Amado", o Dirceu Borboleta é parecido com o do Emiliano(Queiroz)?

- NACHTERGAELE - Estou fazendo de um jeito diferente. Procurei não rever o trabalho do Emiliano porque eu e Guel decidimos que eu tinha de fazer o meu Dirceu. Ele é encantado e nerd, mas a leitura que fiz é bem diferente. O meu Dirceu, por exemplo, não é gago como era o que Emiliano fazia.

- AE - Em maio volta para "Decamerão". O que acha do trabalho?

- NACHTERGAELE - Um desafio, porque falamos todo o texto em versos, mas é bacana levar uma coisa nova para o público. Com trabalhos assim compensamos algumas coisas não muito boas na TV.

- AE - E você assiste ao "Big Brother"?

- NACHTERGAELE - Às vezes. Antes eu reagia muito, ficava preocupado com o significado disso, mas depois entendi que esses shows da verdade em tempo real são um fenômeno no mundo moderno.

- AE - Depois de atuar, dirigir e produzir, sente-se completo?

- NACHTERGAELE - Sim, até as estreias. Quando estreia me sinto com um rombo. Agora estou em um momento completo porque todos os meus projetos estão para estrear. 
Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES