Ciência

Covid-19: IFPR cria respirador que custará até 10 vezes menos

(Foto: Divulgação)

Os professores do Instituto Federal do Paraná (IFPR), responsáveis pela idealização e produção do protótipo de ventilador pulmonar IFPR, avançaram mais uma etapa na preparação do instrumento capaz de atenuar os efeitos da contaminação do novo coronavírus (Covid-19). Apoiados pela fintech brasileira Zetra, os idealizadores da iniciativa de baixo custo vão iniciar a análise dos efeitos do equipamento no organismo de mamíferos.

Já foram iniciadas as tratativas para uma parceria com o curso de veterinária da PUC-PR, em Curitiba, para execução de testes de “gasometria” com a utilização de 5 a 10 ovelhas. Segundo os pesquisadores a testagem em mamíferos tem por objetivo identificar os resultados da eficiência na ventilação realizada pelo equipamento em organismos similares aos dos humanos.

“Ensaios funcionais como o de “Durabilidade” e “Compatibilidade Eletromagnética” também são necessários e existe uma empresa Canadense (CSA Group) que está se prontificando a nos auxiliar no processo de certificação lá. Aqui no Brasil ainda precisaríamos de patrocínio ou parcerias para execução destes testes. Podemos dizer que estamos na fase intermediária”, explica o professor Rogerio Gomes, um dos responsáveis pela iniciativa.

Vencendo obstáculos

O trabalho dos professores tem ultrapassado intempéries naturais como a demora no tempos de resposta no recebimento de orçamentos, bem como a riqueza de detalhes em esclarecimentos necessários sobre o uso de recursos técnicos disponíveis para a fabricação de alguns componentes. “Reuniões técnicas foram realizadas, a partir do recebimento da documentação fornecida, e esclarecimentos foram apresentados, mesmo assim tivemos alguns problemas de qualidade que agora estão sendo retrabalhados ou ajustados. E fatos assim, como sabemos, são recorrentes em “lotes piloto”, explica o professor.

O melhor cenário, segundo ele, seria o trabalho continuar a seguir o bom procedimento de elaboração, colaborando com a principal expectativa de aplicação prática do ventilador pulmonar IFPR em meados de outubro. Um protótipo também foi enviado ao Canadá, com o intuito de aprimorar a qualidade do material, que participa do prêmio internacional "Code Life Ventilator Challenge". “A expectativa é que seja realizada a análise da viabilidade técnica e de manufatura do equipamento em qualquer lugar do mundo, sempre com foco no baixo custo. Espera-se que a equipe canadense possa nos dar apoio e consultoria. Existe um prazo de realização das análises funcionais no protótipo mais estruturado até início de outubro”, explica.

Redução dos custos em 10 vezes

Além da importância no tratamento dos pacientes diagnosticados com a COVID-19, o ventilador pulmonar também atende a uma das preocupações com a crise provocada com a pandemia: a escassez de investimentos. Segundo os pesquisadores, premiados no Canadá pelo desenvolvimento do protótipo, o objetivo é que o aparelho desenvolvido na IFPR possa representar um investimento inicial de cerca de R$10 mil.

Segundo o professor Rogério Gomes, mesmo que futuramente as empresas que desejarem elaborar suas estratégias de lucro na fabricação e comercialização do equipamento, o que segundo ele “provavelmente dobraria o valor”, o ventilador pulmonar ainda seria até 10 vezes mais barato que o praticado atualmente. “Quando se fala em Ventilador Pulmonar em uso, por exemplo no Hospital de Clínicas de Curitiba (propriedade da UFPR), temos um valor comercial variando entre R$40mil e R$200 mil aproximadamente devido a variação de tecnologia aplicada”, explica.

Equipamentos no mundo

Em torno de 10% dos pacientes afetados gravemente pela COVID-19 necessitam de ventiladores pulmonares. As Unidades de Terapia Intensiva (UTI) precisam estar equipadas com esses aparelhos, que se tornaram mais indispensáveis do que nunca. Em função da falta desses equipamentos prontos e dos componentes para montá-los, os governos buscaram a via da importação. Mas, mesmo assim, as dificuldades continuam. Os fabricantes seguem sem conseguir atender a uma demanda crescente por parte de países de todo o mundo.


Por ser um problema global, o preço dos equipamentos aumentou assustadoramente. Desde 31 de março de 2020, a Fundação do Hospital Geral de Montreal, no Canadá e o Instituto de Pesquisa do Centro de Saúde da Universidade McGill lançaram um desafio internacional de design durante a pandemia de Covid-19 - "Code Life Ventilator Challenge", para projetar um ventilador/respirador mecânico de baixo custo, simples, fácil de usar e de montar em apenas duas semanas.

A equipe paranaense projetou o VENTILADOR IFPR (https://codelifechallenge.com/ventilator/ifpr/) como uma alternativa de custo intermediário a reduzido, com tecnologia sofisticada e técnicas modernas de engenharia.

"Para que ele seja apresentado para testes de homologação na ANVISA é preciso ter um acabamento que atenda aos parâmetros técnicos mínimos de UTIs. Nesse momento, o apoio da Zetra é fundamental para o cumprimento desta importante etapa. Estamos refinando o projeto para que ele fique ainda melhor e possa ser mais facilmente e rapidamente produzido", explica Rogério Gomes.

Sobre a Zetra

A Zetra é uma fintech brasileira que promove o bem-estar financeiro dos servidores públicos e empregados privados, empoderando as pessoas através de seus salários. A fintech oferece uma plataforma capaz de conectar os profissionais das empresas públicas e privadas a diversos fornecedores de benefícios focados em seu bem-estar financeiro. Focada em ofertas de produtos e serviços com desconto em folha de pagamento, a empresa viabiliza que milhões de famílias tenham acesso a produtos mais baratos e sustentáveis.

Com mais de 4 milhões de pessoas beneficiadas diretamente pela plataforma, a Zetra é a única no seu segmento que possui as certificações internacionais ISO 27001, que garante a segurança da informação, e a ISO 9001, de gestão da qualidade. Completando 20 anos de sucesso no mercado, a Zetra foi indicada pelo Financial Times como uma das 500 empresas que crescem mais rapidamente nas Américas. A indicação, feita por um dos maiores expoentes de informação financeira e econômica do mundo, levou em conta o trabalho de inovação e crescimento das principais empresas da Américas do Norte e do Sul.