Publicidade
Gente de bem

Criança faz desenhos para ajudar a mãe e os animais

Pedro André e sua mesa de criação: tudo para ajudar a mãe
Pedro André e sua mesa de criação: tudo para ajudar a mãe (Foto: Franklin de Freitas)

Desde pequena Flávia Ramos, 46, era apaixonada por animais. Na infância seu melhor amigo era um cachorro vira-lata, o Bolinha, que a acompanhava até a escola e esperava na saída. Desse amor surgiu a compaixão, e há mais de uma década ela ajuda animais em situação de rua, recolhendo-os, tratando-os e depois os encaminhando para adoção. E agora ela ganhou um importante reforço para fazer esse tipo de trabalho. É que o seu filho Pedro André resolveu empregar seus talentos artísticos pela a causa animal.

Com apenas 11 anos, o menino já desenha como gente grande. Faz caricaturas e já criou sete personagens para suas histórias. E agora está vendendo as obras que produz para ajudar na compra de ração para os gatos que sua mãe resgata – na parte de trás do carro da família, inclusive, fica sempre uma caixinha para resgatar os animais que eles encontram pelas ruas.

“Eu já faço esse trabalho desde antes do Pedro Nascer. Eu pego o animal, cuido, castro e depois doo. Aí o Pedro sempre via eu e minhas amigas pegando os bichos e disse que queria ajudar. Ele começou a desenhar aos quatro anos e tivemos a ideia de fazer chaveirinhos para vender”, conta a mãe.

Uma amiga da família, chamada Mônica, resolveu então colocar para vender em sua loja os produtos feitos pela família, que ajudariam na causa animal. Como agradecimento, Pedro fez uma caricatura dela, que foi parar no Clube da Alice e fez um tremendo sucesso. Na sequência, ele também fez uma caricatura da Claudia Silvano, coordenadora do Procon, e novamente a imagem foi parar nas redes sociais e teve grande repercussão.

“A gente tinha resgatado uns gatinhos e eles comiam muita comida. Daí eu falei para mãe se podia ajudar. Ela disse que sim e eu arranjei uma forma de ganhar dinheiro para ajudar na ração dos gatos”, relata Pedro, que vive dias de felicidade por ver todo o seu talento reconhecido. “Eu tô muito feliz que os meus desenhos estejam sendo reconhecidos”, complementa o menino, que convive em casa com três gatos e dois cachorros, além dos animais que a família resgata e que ficam na casa de outra amiga protetora de animais.

“Geralmente pegamos esses animais que jogam fora da ninhadinha. Então tem de dar leite de cabra ou arranjar uma mãe que esteja amamentando e esperar o bicho crescer para poder castrar”, explica Flávia. “A gente resgata e depois vê o que vai fazer, não tem como esperar.”

‘É um coração puro’, diz mãe sobre a obra do filho
A trajetória de Pedro como desenhista começou quando o menino tinha apenas quatro anos. Na cama dele, que era de madeira, apareceu um dia um desenho em 3D. “Perguntei se o meu marido tinha desenhado, mas ele disse que não. Aí descobrimos que foi meu filho e começamos a colocar ele em cursos e ele foi se aperfeiçoando”, conta.

Hoje, quem vê os desenhos de Pedro não acredita que seja uma criança. “Acham a coisa mais linda, é um coração puro. Muita gente não sabe que é criança. Como o nível do desenho dele é alto, acham que é um rapaz”, relata Flávia.

Questionado sobre como as pessoas costumam reagir ao ver as obras que ele cria, Pedro conta: “Elas dizem ‘que lindo’, ‘que fofo’, ‘que legal’”, diz ele, que ainda não sabe com o que quer trabalhar quando crescer, embora já adiante que será algo com desenho.

Sentimento de protetora começou ainda na infância
Para Flávia, a paixão por animais nasceu ainda na infância. Desde criança ela pegava cachorros na rua e levava para casa. Seu melhor amigo, inclusive, tinha quatro patas. “Meu melhor amigo era meu cachorro. Ninguém chegava perto de mim e ele me levava para escola e depois me esperava na saída para me buscar. Era o Bolinha, um vira-lata”, conta ela.

Adulta, ela manteve a paixão pelos animais e os cuidados com os bichanos mais vulneráveis. Acabou contagiando o próprio filho e ganhou uma importante ajuda na atuação como protetora de animais.

“Ele agora está fazendo os desenhos e estamos pedindo ração. Também pegamos alguns produtos nosso, rifamos e assim vamos nos ajudando (entre as protetoras). Com o dinheiro da última rifa consegui castrar três gatos e agora o Pedro doou um desenho e a próxima rifa vai ser uma caricatura. O dinheiro dele vem todo para ração, vai tudo para os animais”, conta a orgulhosa mãe.

https://www.facebook.com/pedro.andre.3781995

DESTAQUES DOS EDITORES