Publicidade
Artigo

Culpa de quem?

O esforço foi grande, mas não há como calar frente à ignorância e ao “eu tenho razão” do que estamos lendo diariamente nas redes sociais. E este é meu desabafo.
Não chamo de greve porque acredito que não se trata de benefício para uma categoria, mas sim, de uma retomada das rédeas de nosso país. O que me deixa indignado é o enraizamento político que as pessoas teimam em defender com unhas e dentes como se tudo o que acontece no país fosse culpa deste ou daquele partido. A cobrança feita pelos caminhoneiros tem meu total apoio e é fruto de muita coisa e, confesso, eu também sou culpado, portanto, não os culpem, culpemo-nos.
A culpa é minha que fui ao mercado durante os últimos meses (talvez anos) e abaixei a cabeça para a subida constante dos preços.
A culpa é minha que tive que dar o braço a torcer e pagar quase R$6 pelo quilo da batata ou quase R$8 pelo quilo do tomate. 
A culpa é minha que acreditei quando os jornais diziam que não tinha inflação.
A culpa é minha porque pensei que aquela greve bancária ou de professores não me atingiria.
A culpa é minha que tentei jogar a culpa em você.
A culpa é minha que, mesmo com meu salário congelado e sem receber sequer a inflação, levanto-me às 5h30 para ir trabalhar e dou tudo de mim.
A culpa é sua que, em uma situação de crise ou não, se aproveita para aumentar os preços e tirar vantagem em cima das pessoas que estão em situação igual ou pior que a sua.
A culpa é sua que chamou de vagabundos os profissionais que cuidam de seus filhos quando estes fizeram greve para exigir o que lhes era de direito.
A culpa é sua que joga a culpa em mim ou em qualquer outro com medo de assumir a sua responsabilidade na situação.
A culpa é nossa porque vemos um país se destruindo há anos, indiferente de quem o comanda, e mesmo assim nos agarramos em nossas convicções sem pensar no outro.
A culpa é nossa que reclamamos da manipulação da mídia, mas mesmo assim a assistimos sem procurar diferentes pontos de vista.
A culpa é nossa que, quando somos prejudicados, achamos um absurdo lutar por um país.
A culpa é nossa que vivemos em nosso conto de fadas particular.
Se você pensa diferente, não tem problema, só permita que eu pense também. Ao contrário do que estampam as redes sociais, ninguém é dono da razão. Somos apenas seres humanos destinados a errar e a acertar, mas o que se espera, no mínimo, é que saibamos aprender com nossos erros para evitar repeti-los.

Wemerson Damaio é professor de crianças e adolescentes na rede municipal de Curitiba. Flávio St Jayme é jornalista cultural e empresário. Ambos são autores do livro infanto-juvenil ‘As Crônicas de Miramar’

DESTAQUES DOS EDITORES