Publicidade
Dia Mundial de Combate

Curitiba em alerta no combate à Meningite. Tire suas dúvidas sobre a doença

(Foto: Divulgação)
A meningite meningocócica é uma doença infecciosa grave e pode levar a óbito. A doença esteve em pauta recentemente e isso fez com que houvesse um aumento na procura por prevenção da doença. Para sanar as dúvidas de pacientes, a diretora médica do Frischmann Aisengart, laboratório Dasa, Myrna Campagnoli, preparou o material abaixo com informações úteis sobre o tema.

No dia 24 de abril é celebrado o Dia Mundial do Combate à Meningite, que é considerada uma doença endêmica no país de acordo com Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). No Paraná, do ínicio do ano até agora, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, foram registrados 143 casos de meningite de todos os tipos, com 13 mortes confirmadas. O Ministério da Saúde indicou, no ano passado, mais de mil casos de meningite meningocócica confirmados no Brasil, sendo que 218 evoluíram para morte. Já em 2017, houve 1.138 ocorrências e 266 mortes.

“A meningite meningocócica é uma doença grave e a sua prevenção é sempre a melhor opção. Ainda assim, vale lembrar que nenhuma vacina garante 100% de proteção. Também reforçamos que, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, no passado o Paraná teve 1.486 casos confirmados de meningite. A regional de Curitiba, que abrange 29 municípios, foi a que registrou maior incidência”, explica a especialista. “Duas das principais vacinas estão disponíveis nas unidades de vacinação Frischmann Aisengart, são elas meningo b, meningo ACWY e meningo C. Para aplicação da vacina é necessário pedido médico e consulta prévia da disponibilidade”, completa.

Tire suas dúvidas

O que é a meningite?

A meningite é uma infecção grave que acomete as meninges, membranas que envolvem o sistema nervoso central.  Diversos microrganismos tais como bactérias e vírus podem causar meningite, com diferentes graus de gravidade. Entre as bactérias causadoras de meningite está o meningococo, que tem 6 sorogrupos associados à doença: A, B, C, W, Y e X.

Existe um período do ano que a doença se propaga?

A infecção causada pelo meningococo é mais frequente nos meses mais frios, mas pode acontecer em qualquer época do ano. Segundo a Fiocruz, a meningite bacteriana é mais frequente no inverno e a viral, no verão.

Quais os sintomas?

Pode causar sintomas como febre, dor de cabeça e vômitos. Além disso, podem ocorrer lesões em pele acompanhando o quadro.

Quais são as vacinas que existem?

Há vacinas disponíveis para os sorogrupos A, C, W e Y (vacina quadrivalente) e para o sorogrupo B. Para o sorogrupo C está também disponível a vacina meningocócica C conjugada. Apenas a vacina contra a meningite meningocócica C está disponível pelo SUS e, segundo o Ministério da Saúde, ela é a mais frequente entre as meningites bacterianas e responsável por 60% dos casos.

Quem deve tomar e quando?

Em crianças menores de 1 ano, a vacina ACWY deve ser administrada em duas ou três doses, dependendo da vacina utilizada. Acima de 12 meses, o esquema é de uma única dose para crianças, adolescentes e adultos. A vacina para o sorogrupo B tem esquema de 3 doses em crianças menores de 1 ano, sendo de duas doses acima de 12 meses para crianças, adolescentes e adultos. São recomendados reforços das vacinas meningocócicas dependendo da idade e do sorogrupo de meningococo. São vacinas inativadas e que fazem parte do calendário vacinal de crianças, adolescentes e adultos dependendo da situação epidemiológica do País.

Meningite mata?

O meningococo é transmitido por meio de contato com secreções respiratórias de uma pessoa para outra. Em alguns casos, a bactéria pode não causar nenhum sintoma, enquanto em outros pode levar a quadros infecciosos como meningite e sepse. O risco de óbito nas pessoas que desenvolvem a doença é alto.

Qual a maior preocupação que devemos ter quanto a essa doença?

A meningite meningocócica é especialmente preocupante pela rapidez com que os sintomas se instalam mesmo em pessoas previamente sadias e pelo risco elevado de complicações e de óbito.

DESTAQUES DOS EDITORES