Publicidade
Imprudência

Curitiba registra aumento do número de mortos no trânsito no primeiro semestre

32 pessoas perderam a vida no trânsito, em Curitiba, no primeiro semestre deste ano
32 pessoas perderam a vida no trânsito, em Curitiba, no primeiro semestre deste ano (Foto: Juliano Pedrozo/Arquivo Detran)

De acordo com balanço do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), 32 pessoas perderam a vida no trânsito, em Curitiba, no primeiro semestre deste ano, período em que foram registados 2.993 acidentes na Capital. De janeiro a junho de 2018, houve 2.849 acidentes que resultaram em 25 óbitos. Segundo a unidade policial, o desrespeito à legislação de trânsito e a imprudência são os principais fatores que elevaram os índices. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (19).

Considerando somente os acidentes com vítimas, as ocorrências aumentaram 8,04% (de 1.237 subiu para 2.082 casos) na comparação do primeiro semestre deste ano com o de 2018. O número de pessoas feridas cresceu 2,98%. Foram 2.385 vítimas nos primeiros seis meses deste ano e 2.316 no mesmo período do ano anterior.

Para o porta-voz do BPTran, tenente Rafael Kowalski, ainda falta aos motoristas o bom senso e o respeito às leis de trânsito. “Investimos fortemente em educação no trânsito, mas, ainda assim, acompanhamos casos em que a imprudência e a negligência estão presentes na conduta das pessoas, ocasionando acidentes e tragédias familiares”, disse.

As três vias em que mais aconteceram acidentes de trânsito de janeiro a junho de 2019 foram a Avenida Marechal Floriano Peixoto (63), a Avenida Comendador Franco (57) e a Avenida Visconde de Guarapuava (48). Durante todo o ano passado, a Avenida Marechal Floriano Peixoto teve 108 acidentes, seguida pela Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, com 101, e pela Avenida Visconde de Guarapuava, com 87.

A extensão das vias, que interligam as regiões Sul e Central da Capital e a Região Metropolitana, e o tráfego intenso de veículos são os principais motivos para o alto número de acidentes. “São motos, ônibus do transporte coletivo, táxis, motoristas de aplicativos de transporte privado disputando cada espaço com a ideia de perder o menor tempo possível no trânsito”, explicou o tenente Kowalski.

Ele acrescenta que outro aspecto que eleva o número de acidentes é o aumento da frota, que ganhou 18 mil veículos na cidade na comparação entre os períodos analisados.

Educação- As campanhas educativas que o BPTran desenvolve com instituições parceiras ligadas ao trânsito são constantes. O trabalho é intensificado todos os anos em datas como o Dia do Motociclista, o Dia Nacional de Prevenção a Acidentes, a Semana Nacional do Trânsito e o Maio Amarelo. “Ao invés de uma caneta e um bloco de infrações de trânsito, os policiais militares têm investido no diálogo e aproximação com os condutores”, explicou o tenente.

Além de blitzes educativas, palestras em universidades e escolas têm como objetivo informar o público jovem, a fim de que ele seja um disseminador de conhecimento para familiares e amigos. “Acreditamos que com a educação poderemos fazer mais, salvando vidas com a prevenção”, acrescenta o tenente Kowalski.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES