Publicidade
Água Verde

Depoimento de técnico contradiz versão de casal sobre explosão em apartamento

O caso da explosão em um apartamento no bairro Água Verde, ocorrido em Curitiba no último dia 29, ganhou mais um episódio. É que Caio Santos, funcionário da empresa Impeseg que fazia a impermeabilização do sofá no apartamento de Rachel Lamb e Gabriel Araújo, contradisse o casal em depoimento prestado à Polícia Civil. Quando do incidente, Mateus Lamb, de 11 anos, acabou morrendo após ser atirado para fora apartamento, tamanha a força da explosão.

Segundo Caio, os proprietários do apartamento foram informados de que o produto que seria aplicado era inflamável e ele ainda alegou ter passado todas as instruções de segurança para Gabriel, inclusive pedindo para que fossem abertas todas as janelas do imóvel – embora ele não tenha fiscalizado se isso foi feito.

Questionado se Rachel teria ouvido as instruções de segurança, o funcionário da Impeseg disse que ‘provavelmente’, já que ela estaria perto do marido quando os dois conversavam, e ainda afirmou ter dito que nenhuma chama poderia ser acesa enquanto era feita a aplicação.

A principal suspeita da polícia e dos bombeiros é de que a explosão tenha acontecido após Rachel ligar o fogão do apartamento para preparar um café. Em depoimento prestado na última terça-feira, ela contou que estava com o irmão num quarto quando o técnico que realizaria a impermeabilização chegou em sua casa e que saiu depois de aproximadamente 20 minutos para preparar a bebida.

O técnico Caio Santos, de 30 anos, sofreu queimaduras em 30% do corpo e segue internado no Hospital Universitário Evangélico Mackenzie. A previsão é que ele deixe o hospital amanhã. Já Gabriel Araújo, que também teve 30% do corpo queimado, deve receber alta na próxima semana. O caso de Rachel Lamb, por outro lado, inspira mais cuidados. Ela teve 55% do corpo queimado e passará por um enxerto antes de poder deixar o hospital.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES